Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
portland violência
A polícia de Portland é vista em equipamento de choque durante um impasse com os manifestantes em Portland, Oregon em 16 de agosto de 2020| Foto: Paula Bronstein/Getty Images /AFP

A cidade de Portland, Oregon, está uma bagunça.

Esta semana, a cidade testemunhou um incidente revelador, embora previsível.

A polícia removeu uma cerca erguida no ano passado ao redor do Tribunal dos EUA Mark O. Hatfield, alegando ela havia se tornado um "símbolo de divisão" entre a polícia e a comunidade, de acordo com o Departamento de Polícia de Portland.

Os manifestantes, então, invadiram o tribunal federal e o vandalizaram.

Agora as grades estão de volta.

Por que isso aconteceu?

O apresentador de rádio de Seattle, Jason Rantz, explicou a situação no programa “Tucker Carlson Tonight”, da Fox News:

“Na noite de segunda-feira, o governo federal retirou as proteções e as cercas ao redor do tribunal federal, o que deu à Antifa um motivo para ir em frente e atacar o prédio novamente. Então, eles rapidamente tentaram colocar essas proteções antes da violência da Antifa [recomeçar]. Os membros da Antifa apareceram, pegaram todos elas, queimaram e causaram o caos tradicional que eles causam. Claro, em Portland, como em muitas outras cidades onde isso acontece, a mídia local, em sua maior parte, está chamando os distúrbios de ‘manifestações’ e estão chamando os terroristas domésticos simplesmente de 'manifestantes’”.

Parece que os radicais de esquerda que haviam provocado tantos incidentes violentos na cidade não estavam muito interessados ​​em ter um "diálogo".

O prefeito de Portland, Ted Wheeler, denunciou a violência.

“A comunidade está farta de pessoas se engajando na destruição criminosa e na violência sob o disfarce de alguma causa nobre”, disse Wheeler em uma entrevista coletiva na segunda-feira, segundo a The Associated Press.

Mas motins e vandalismo não são os únicos problemas que Portland enfrenta, e é difícil não ver as políticas e a retórica de Wheeler e outros líderes de Portland como pelo menos parte do problema.

Em 2020, a cidade registrou o maior número de homicídios – 52 – em 27 anos, de acordo com o Departamento de Polícia de Portland.

A tendência não está enfraquecendo.

Portland já registrou seu 20º homicídio este ano. Nesta época, no ano passado, apenas um tinha ocorrido.

A espiral decadente de Portland é muito previsível, dada a resposta da cidade aos distúrbios que ocorreram após a morte de George Floyd, em 25 de maio, sob custódia policial em Minneapolis.

Os americanos têm o direito de protestar pacificamente. Mas quando esses protestos se transformam em violência, as autoridades têm o dever de restaurar a ordem e proteger os direitos dos cidadãos à vida e à liberdade.

Mas, como Lora Ries, diretora do Centro de Política de Tecnologia da Fundação Heritage e pesquisadora sênior para segurança interna, escreveu quando Portland foi assolada pela violência no ano passado:

“Muito frequentemente, vemos cidades destruídas por distúrbios irem para o outro lado: cortando os orçamentos da polícia, ordenando que a polícia se retraia em face de comportamento criminoso, obstruindo a cooperação entre as autoridades estaduais, locais e federais – até mesmo impedindo a polícia de mostrar o vídeo de motim para o povo americano”.

Este é essencialmente o caminho que as autoridades de Portland decidiram seguir e estamos vendo os frutos dessas ideias agora.

O crime violento cresceu nas cidades ao redor do país em 2020, uma tendência que se mantém em 2021. É notório que Portland tenha sofrido o maior pico de crimes violentos de qualquer cidade dos Estados Unidos.

Wheeler se curvou para satisfazer os manifestantes. Até se juntou a um protesto em frente ao tribunal federal em um determinado momento, e acabou sendo atacado com gás lacrimogêneo por agentes federais.

Estava claro, especialmente quando multidões começaram a atacar estátuas e edifícios em torno de Portland, que os protestos tinham se tornado violentos.

Wheeler rejeitou o auxílio do então presidente Donald Trump e repreendeu qualquer sugestão de que a ajuda federal pudesse ser necessária para restaurar a ordem em sua cidade.

Então, o que os manifestantes fizeram para recompensar essa tentativa de mostrar solidariedade?

Eles se voltaram contra Wheeler.

Uma multidão apareceu na casa do prefeito, exigindo que ele renunciasse, a menos que ele cedesse às suas exigências. Eles até o assediaram quando Wheeler estava jantando em um restaurante.

Novamente, isso não pareceu um diálogo, mas sim uma intimidação furiosa e ameaçadora.

A cidade não apenas lutava para enfrentar a anarquia e a destruição dos tumultos, mas também tirava recursos de uma força policial altamente sobrecarregada.

A Câmara Municipal de Portland juntou-se à campanha para “desfinanciar a polícia”, retirando milhões de dólares do orçamento da polícia e eliminando uma unidade de prevenção da violência armada.

E aqui estamos nós, no início de 2021, com os tumultos aumentando mais uma vez e os crimes violentos ficando tão graves que tiroteios em plena luz do dia não parecem fora do comum.

O sargento Kevin Allen, porta-voz do Departamento de Polícia de Portland, disse em uma entrevista ao Canal 6 de TV de Portland que a situação afeta os policiais que estão "vendo o impacto desta violência mortal e perigosa".

“É assustador quando vamos e há uma casa onde alguém mora e há balas voando por ela”, disse Allen. “São os policiais que veem isso e veem o medo na comunidade. E eles querem que esse número [da violência] diminua”.

Parece que algumas autoridades estão reconhecendo que as políticas de Portland não estão funcionando.

Wheeler recentemente pediu o acréscimo de US$ 2 milhões ao orçamento da polícia no que parece ser uma tentativa de “refinanciar” o departamento. Ele também propôs a criação de uma nova unidade para responder à violência armada.

Em parte, é por isso que os manifestantes cercaram o tribunal federal esta semana.

Talvez desta vez a cidade não dê apenas aos desordeiros o que eles querem.

No mínimo, esse pequeno movimento para refinanciar a polícia é um sinal, uma concessão, de que o amplo movimento para “desfinanciar a polícia” foi mal orientado e que a violência não enfrentada leva apenas a mais violência.

Portland serve de aviso para todo o país, sobre como a paz e a segurança podem se desintegrar rapidamente em face da anarquia desenfreada.

*Jarrett Stepman é colaborador do The Daily Signal e apresentador do podcast The Right Side of History. Ele também é o autor do livro "A Guerra contra a História: A Conspiração para Reescrever o Passado da América".

© 2021 The Daily Signal. Publicado com permissão. Original em inglês.

20 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]