i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Editorial

A reforma da Previdência na reta final

  • PorGazeta do Povo
  • 22/09/2019 00:01
RelatorTasso Jereissati, durante sessão que encaminha a proposta da Previdência a CCJ do Senado.
RelatorTasso Jereissati, durante sessão que encaminha a proposta da Previdência a CCJ do Senado.| Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

A não ser que ocorra algum adiamento emergencial similar aos que aconteceram na Câmara dos Deputados, quando pressões de vários setores levaram a mudanças de última hora no relatório de Samuel Moreira (PSDB-SP), o Senado entra em uma semana decisiva para a reforma da Previdência. Na terça-feira, dia 24, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) se reúne para votar o relatório final do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) e, na tarde e noite do mesmo dia, o plenário deve realizar o primeiro turno de votação.

Disposto a preservar a PEC 6/2019 de modo que ela não precise voltar à Câmara dos Deputados caso seja aprovada no Senado, o tucano rejeitou 76 emendas de plenário que ou alterariam a proposta de forma substancial, ou reduziriam ainda mais a economia prevista com a reforma, que já foi suficientemente desidratada nas mãos dos deputados e do próprio Jereissati. A CCJ até já havia aprovado um relatório em 4 de setembro, mas, como foi necessário elaborar uma versão definitiva do texto para contemplar a rejeição de emendas de plenário e esclarecimentos sobre alguns pontos dúbios, a comissão precisará aprovar novamente o relatório, lido na sessão da CCJ ocorrida na última quinta-feira, dia 19.

O texto que os senadores votarão não é o ideal, mas nem de longe isso é motivo para rejeitá-lo

Ao contrário do que ocorreu na Câmara, quando até o governo foi surpreendido com o endosso à reforma – eram necessários 308 votos, mas o texto-base passou com o apoio de 370 deputados no primeiro turno –, desta vez o Planalto mostra mais otimismo; segundo suas estimativas mais recentes, cerca de 60 senadores votarão a favor do texto de Jereissati, oferecendo uma boa margem de segurança, já que emendas constitucionais precisam do voto favorável de 49 parlamentares. O cálculo político envolvido vai além do simples mérito da proposta; depois que a Câmara e seu presidente, Rodrigo Maia (DEM-RJ), conseguiram entregar apoio significativo a uma mudança essencial para o país, o Senado, comandado por Davi Alcolumbre (DEM-AP), não deseja ficar atrás em termos de protagonismo – um caso relativamente raro de disputa sadia que só beneficia o país.

O texto que os senadores votarão não é o ideal, por certo. O caráter igualitário da proposta desenhada pelo Ministério da Economia e apresentada em fevereiro por Jair Bolsonaro e Paulo Guedes foi bastante desfigurado – às vezes, até com a ajuda do presidente da República. Desde a tramitação na Câmara, algumas categorias conseguiram manter privilégios que vão muito além de uma defensável diferenciação nas regras naqueles casos em que as circunstâncias específicas de uma atividade profissional justificam regras especiais para a aposentadoria. Uma das mais recentes alterações na PEC feitas por Jereissati, aliás, dá aos servidores públicos uma vantagem no cálculo do benefício. E, por mais que o Senado esteja patrocinando uma “PEC paralela” para reverter algumas das desfigurações promovidas na Câmara, a revisão dessas concessões ao funcionalismo e a algumas categorias específicas não está na pauta. Tudo isso faz da tramitação da reforma da Previdência uma lição valiosa sobre como a mentalidade do privilégio está impregnada na cultura política brasileira, e sobre a dificuldade de revertê-la.

As fraquezas que o Congresso inseriu na reforma da Previdência, no entanto, nem de longe são motivo para rejeitá-la. Sua aprovação é fundamental e tem um valor duplo. O mais imediato é o aspecto fiscal, pois, mesmo desidratada, ela tem o poder de desacelerar a espiral do gasto público, que está na origem de nossas crises. E, ainda que esta reforma em si não tenha efeitos imediatos sobre os indicadores cambaleantes da economia, especialmente o desemprego, ela mostra que o governo está disposto a promover o ajuste fiscal e o enxugamento do Estado – processos que, ao lado da redução da burocracia, são indispensáveis para atrair investimentos e conseguir um crescimento sustentável e duradouro da economia brasileira.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • A

    A. Lima

    ± 0 minutos

    A tal reforma da previdência era tida como motivo essencial da crise brasileira, assim como a trabalhista. Agora será a vez da reforma fiscal e tributária. Nada disso surtirá efeito no curto e médio prazo. A crise brasileira é muito maior que tudo isso, está intrínseca entre nós, é cultural, moral e ética. Quando superarmos tudo isso, daqui a algumas décadas, deslancharemos como nação. Por enquanto ainda somos mais uma republiqueta de 3o mundo.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    FERNANDO LUIZ POZZOBON

    ± 3 horas

    Replico o que está no texto " "Tudo isso faz da tramitação da reforma da Previdência uma lição valiosa sobre como a mentalidade do privilégio está impregnada na cultura política brasileira, e sobre a dificuldade de revertê-la." Não só a reforma como tudo...

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.