i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Serviço

As estratégias e prioridades da política externa brasileira | Entenda em 1 Minuto

    • Por Gazeta do Povo
  • 10/01/2021 18:18

A política externa do Brasil nos últimos dois anos foi focada principalmente na amizade entre os presidentes Jair Bolsonaro e Donald Trump.

Então, como vão ficar as relações exteriores do país com a saída de Trump da Casa Branca e a chegada de Joe Biden? Entenda o que muda nas estratégias do Brasil.

Como fica a política externa brasileira depois da pose de Joe Biden

Fontes ouvidas pela Gazeta do Povo afirmam que conversas informais entre as equipes do Itamaraty e do futuro governo Biden já começaram, mas que não deve haver uma grande mudança na nossa política externa.

A primeira grande mudança com a posse de Biden, no próximo dia 20 de janeiro, deve ser justamente na relação entre os presidentes.

Isso porque o governo entende que, sem a relação de amizade que existia entre Bolsonaro e Trump, a diplomacia brasileira vai ter que se empenhar em uma relação mais pragmática para os interesses do Brasil.

Isso significa que o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, terá que atuar pessoalmente para construir essa boa relação com a equipe de Biden, assim como o embaixador do Brasil nos Estados Unidos, Nestor Forster.

nas prioridades da política externa, pouca coisa deve mudar. O Brasil vai seguir focado em entrar na OCDE e em aprovar o acordo entre Mercosul e União Europeia.

Além disso, a agenda conservadora e de Direitos Humanos deve se manter. Outro ponto é que o Itamaraty já deixou claro que vai se opor às pressões sobre a agenda ambiental do Brasil, algo que Joe Biden disse que faria durante sua campanha.

Conteúdo editado por:Jenifer Ribeiro dos Santos
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.