i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Ataque hacker

Veja quem foram os procuradores e juízes hackeados e que tiveram celular invadido

    • Gazeta do Povo
    • 12/06/2019 19:46
    • Atualizado em 12/06/2019 às 21:07
    Procuradores e juízes hackeados: Sergio Moro
    Deltan Dallagnol e Sergio Moro estão entre os principais alvos entre os procuradores e juízes hackeados.| Foto: Jonathan Campos / Gazeta do Povo

    Apesar da suposta conversa entre Sergio Moro e Deltan Dallagnol ter sido divulgada pelo site The Intercept Brasil, a veracidade de conteúdos vazados de procuradores e juízes hackeados e que tiveram o celular invadido ainda é incógnita.

    Segundo o Ministério Público do Paraná, existe inclusive a chance da fabricação de diálogos. Contudo, já foram confirmadas invasões e tentativas de invasão a aparelhos celulares e smartphones. Os casos estão sendo investigados pela Polícia Federal.

    A Gazeta do Povo fez uma lista de servidores e está atenta a novos casos. Este material será atualizado tão logo surjam novas informações.

    Procuradores e juízes hackeados

    Até o momento, foram pelo menos 16 procuradores e juízes hackeados: Sergio Moro, Deltan Dalagnol, Gabriela Hardt, entre outros. Cada celular invadido pode conter informações sensíveis, inclusive que ameaçam a segurança pública. Veja a lista de autoridades que foram alvo e vítimas de ações hacker.

    Deltan Dallagnol, procurador-chefe da força-tarefa Operação Lava Jato em Curitiba. O Intercept Brasil publicou mensagens atribuídas ao procurador em diálogos com Sergio Moro e outros procuradores.

    Sergio Moro, ministro da Justiça e ex-juiz federal: comunicou que seu celular foi invadido dia 5 de maio. Contudo, uma invasão pode ter ocorrido meses antes. O hacker ficou por cerca de seis horas usando aplicativos de mensagens de Moro, como o Telegram. Ele e Dallagnol são dois dos principais alvos entre os procuradores e juízes hackeados.

    Gabriela Hardt, juíza federal substituta, responsável pela decisão de primeira instância que condenou o ex-presidente Lula no caso do Sítio de Atibaia. A juíza afirma que não havia informações pessoais sensíveis expostas, e o fato foi comunicado à Polícia Federa, segundo a assessoria da 13ª Vara Federal de Curitiba.

    Rodrigo Janot, ex-procurador geral da República, foi vítima de tentativas de invasão por mais de uma vez. Em entrevista ao jornal O Globo, Janot contou que houve tentativa ainda em abril. Segundo o jornalista Guilherme Amado, da revista Época, naquele mesmo mês o telefone de Janot foi clonado. Amado destaca ainda que o hacker tentou acessar dados pessoais e o Twitter de Janot em conversa com amigos e colegas.

    Abel Gomes, desembargador federal e relator da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, foi alvo de tentativa de ataque hacker em 5 de junho, um dia após a invasão ao celular de Sergio Moro. A informação foi confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2).

    Flávio de Oliveira Lucas, juiz federal da 18ª Vara Civil do Rio de Janeiro e que atuou como substituto de Abel Gomes, também foi alvo de tentativa de invasão, de acordo com o TRF-2. Ambos os casos estão sendo investigados pela Polícia Federal para verificar se houve roubo ou acesso a dados e mensagens.

    Eduardo El Hage, procurador-chefe da Lava Jato no Rio de Janeiro, também foi vítima de tentativa de invasão à conta do Telegram, segundo Guilherme Machado. O ataque, contudo, não teria dado certo, diz o jornalista.

    Thaméa Danelon, procuradora-chefe da Lava Jato em São Paulo até janeiro de 2019, falou à Rádio Joven Pan que também foi alvo de ataque cibernético.

    Marcelo Weitzel, procurador militar, teve o celular invadido na noite de terça-feira, 11 de julho. O hacker manteve conversas em um com outros procuradores e trocar mensagens em um grupo do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Ousado, o hacker chegou a escrever: “Eu acesso quem eu quiser, a hora que eu quiser”.

    Segundo apurou o jornal O Globo, também foram alvos de ataque hacker os procuradores: Januário Paludo, Paulo Galvão, Ronaldo Pinheiro de Queiroz, Danilo Dias, Andrey Borges de Mendonça, além do jornalista Gabriel Mascarenhas e outros dois procuradores auxiliares de Janot que não quiseram se identificar.

    4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 4 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

    • R

      RODRIGO BULCAO MELLO

      ± 4 horas

      Raquear Juiz e Procurador é um absurdo. Quem não foi raqueado? Porque não foi? Nã interessa aos Hackers ou foi falta de interesse?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • M

        Marcello Machado e Dias

        ± 6 horas

        Cabe à PF mostrar sua competência e colocar todos os responsáveis por essas ações atrás das grades, inclusive os mandantes! Se não tiverem condições, que o Brasil peça auxílio a países mais desenvolvidos, como os EEUU, do Trump. O importante é punir severamente os marginais, que fazem troça de nossa democracia, e do nosso país!

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • R

          Ricardo Fanti

          ± 6 horas

          Invadir celular de quem investiga, julga e condena bandidos: coisa de bandido. Viva a Lava Jato, Moro, Dallagnol e demais.

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • H

            Henrique Medeiros Duarte

            ± 7 horas

            Isso deveria ser tratado como espionagem, crime segurança nacional e os responsáveis sofrer as sanções cabíveis, caso contrario, vai virar uma bagunça. Policia Federal e se for o caso até a ABIN tem que mostrar serviço.

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            Fim dos comentários.