i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Saúde

89 cidades do Paraná não têm médicos residentes

Carência do interior, que deixa a população vulnerável, contrasta com a concentração de serviços de saúde na capital. Metade dos médicos do estado reside em Curitiba

  • PorKatia Brembatti, da sucursal
  • 07/12/2008 21:04
Jiris Rezende Abou Rejaile atende em Porto Amazonas há três anos: “Existo sim.” | Henry Milleo/Gazeta do Povo
Jiris Rezende Abou Rejaile atende em Porto Amazonas há três anos: “Existo sim.”| Foto: Henry Milleo/Gazeta do Povo

Ministério erra ao listar Porto Amazonas

Para o Ministério da Saúde, a cidade de Porto Amazonas não conta com nenhum tipo de atendimento médico. Levantamento divulgado aponta que o município dos Campos Gerais, com 4,2 mil moradores, está entre os 33 no Paraná e os 455 do Brasil que não têm médico. A pesquisa foi feita com base no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (Scnes), que apontou quais as localidades, em tese, não tinham médico inscrito. Mas não é o caso de Porto Amazonas. A cidade tem até hospital, onde seis profissionais se revezam no atendimento. Há ainda um concursado pela prefeitura e outro do programa Saúde da Família. Um deles mora no município.

Leia a matéria completa

Faltam cem médicos na prefeitura

Ter metade dos médicos do Paraná morando em Curitiba não é suficiente para que o atendimento seja adequado. A prefeitura de Curitiba não consegue manter o quadro mínimo necessário, mostrando que a dificuldade para contratar não é exclusividade do interior. Segundo a diretora-executiva da Secretaria Municipal de Saúde, Edimara Fait Seegmüller, há vagas abertas para, pelo menos, cem profissionais. No último concurso realizado neste ano foram abertas 119 vagas. Dentre os 500 inscritos, todos os aprovados foram chamados e não há mais banco de reserva. Será necessário fazer um novo concurso.

Edimara conta que a alta rotatividade explica a necessidade constante de admitir novos médicos. Há sempre vagas ociosas para atender na Região Sul da cidade. A distância do Centro e o estigma de bairros de maior risco social afastam os profissionais. Com salários na faixa de R$ 2 mil a R$ 6 mil, quatro faculdades de Medicina (para garantir possibilidade de atualização), oferta mais do que razoável de condições de trabalho e qualidade de vida, o CRM-PR considera difícil encontrar motivos para a falta de médicos atuando no sistema municipal. Só a prefeitura de Curitiba tem mais médicos do que Cascavel, Ponta Grossa e Foz de Iguaçu – incluindo aí todos os profissionais residentes nessas cidades – juntas. Mas é necessário destacar que o batalhão de 1.216 médicos da prefeitura acaba atendendo muitos pacientes de outros municípios, especialmente da região metropolitana. (KB)

  • Veja como estão distribuídos os médicos no Paraná

PONTA GROSSA - A superabundância e a carência pontual formam o cenário de contrastes na distribuição do atendimento médico no Paraná. Enquanto em Curitiba existe um médico em cada grupo de 221 moradores, nos 211 municípios paranaenses com menos de 10 mil habitantes a proporção é de um profissional para cada 4 mil pessoas – 18 vezes mais do que na capital. De acordo com os dados do Conselho Regional de Medicina do Paraná (CRM-PR), em 89 cidades – o que representa uma em cada cinco do estado – não há sequer um médico residente. Moram nessas localidades 442 mil pessoas, que precisam recorrer ao atendimento em um município vizinho quando acontecem emergências e a unidade de saúde está fechada.

A má distribuição no Paraná é um problema crônico que se agrava a cada ano. Curitiba conta com 17% da população do estado e 50% do total de médicos. Enquanto o número de profissionais em território paranaense cresceu 5,3% em três anos, na capital o aumento foi de 14,7%. No período, 812 profissionais a mais passaram a atuar no estado. Em Curitiba, foram 1.040 a mais. Com um médico para cada 636 habitantes, o Paraná alcança, com folga, o parâmetro da Organização Mundial da Saúde (OMS), que recomenda a proporção de um profissional para cada grupo de mil pessoas. A situação fica mais confortável ano após ano. Levantamento feito pela Gazeta do Povo mostrava que a relação era, em 2005, de um para 668.

Apenas 36 municípios paranaenses atingem a recomendação da OMS. Nessas cidades mora metade da população do estado. Além da capital, estão na lista os grandes pólos regionais, como Londrina e Maringá, cidades de porte intermediário, como Pato Branco e Paranavaí, algumas cidades consideradas pequenas, como Realeza, Paranapoema e Miraselva. Quanto mais distante da capital, maior a probabilidade de a cidade ter uma proporção baixa de médico por morador. O paradoxo é que as cidades da região metropolitana de Curitiba também têm poucos médicos residentes. É que, com a proximidade, eles acabam preferindo morar na capital.

Os números evidenciam que a disparidade é o problema. Entre os 1,8 mil moradores de Esperança Nova, que fica na Costa Oeste, não há nenhum médico. Dois profissionais prestam atendimento no único posto da cidade. Eles moram e trabalham também em municípios vizinhos. Das 5 da tarde às 8 da manhã e nos finais de semana, se alguém enfartar ou sofrer um acidente receberá os primeiros socorros de outro profissional de saúde e será levado pelo motorista de plantão ao hospital de São Jorge, Pérola ou Umuarama. Três anos depois do primeiro levantamento feito pelo jornal, a situação é a mesma na cidade.

O presidente do CRM-PR e professor de Clínica Médica no curso de Medicina da Universidade Federal do Paraná, Miguel Ibraim Abboud Hanna Sobrinho, admite que a má distribuição só se agrava. Segundo ele, entre os fatores decisivos na fixação do médico estão qualidade de vida, condições de trabalho e oportunidade de atualização profissional. Ele acrescenta que, por exemplo, a presença de uma boa escola para os filhos pode ser determinante. Preocupações com o bem-estar da família e com as opções de lazer norteiam a decisão.

A certeza de que contará com recursos adicionais mínimos, como exames, também pesa na escolha. Como cidades menores geralmente têm condições menos interessantes de trabalho, muitas vezes o profissional recém-formado prefere ficar em um grande centro, mesmo ganhando menos que no interior. Além da possibilidade de não atender bem o paciente, o receio de processos judiciais também afugenta muitos médicos das condições precárias geralmente encontradas no interior.

Ibraim reconhece que quem mais sofre com a má distribuição do atendimento médico é a população. Sem a certeza de que há um médico por perto, os moradores ficam mais vulneráveis. Ele comenta que as ofertas de salários altos apresentadas para atrair médicos a cidades pequenas nem sempre são suficientes. "Não é apenas a questão da remuneração. É um atrativo, mas, normalmente, quando se oferece um salário muito acima da média é porque as condições não são adequadas", reforça.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.