i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
História

Brasil cuida mais do seu patrimônio

Especialistas dizem que país avança na conservação de prédios históricos

  • PorVinicius Boreki
  • 28/03/2009 21:10

O Brasil avançou muito na preservação de patrimônios históricos e culturais nos últimos 30 anos. A afirmação é da presidente do Comitê Brasileiro do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos-Brasil), Rosina Parchen. "É como uma bola de neve que está crescendo. Há grande número de interessados em pesquisar e buscar avanço da tecnologia", afirma Rosina.

Para ela, o Brasil obteve melhorias em vários setores, sobretudo em termos de legislação e de estrutura. Há, porém, necessidade de mais interessados no setor. Com o objetivo de gerar um documento com recomendações para o Icomos mundial, o Seminário Patrimônio e Ciência foi realizado na Universidade Positivo, em Curitiba, na semana passada.

Entre os assuntos discutidos, esteve o uso de novas tecnologias na preservação de ambientes. Arquiteta doutora em ciências e professora da Universidade Federal do Pará, Thaís Sanjad desenvolveu técnica para recuperação de azulejos. De acordo com ela, foi necessário entender como ocorria a degradação dos objetos. "A técnica para recuperação da azulejaria de interior não era tão adequada nos azulejos de fachada. E a deterioração ocorria muito rápido", diz.

A pesquisadora decidiu usar altas temperaturas, pois os procedimentos químicos não eliminavam micro-organismos que causavam as manchas. Thaís descobriu qual o nível de calor a que os azulejos podem ser expostos sem alterar a sua composição, mas eliminando os elementos causadores do problema. A técnica tem sido usada com sucesso na capital baiana.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.