i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Cristovão Tezza

Internet e eleição

  • Porcontato@cristovaotezza.com.br
  • [07/06/2010] [21:02]
 |
| Foto:

Muito se tem falado so­­bre a influência da internet na eleição – há quem diga que ela será decisiva, como teria sido nos Estados Unidos, com a eleição de Obama. Com a relativa perda de espaço da imprensa escrita, que não vem crescendo na mesma medida em que cresce o país, e com a queda de audiência da televisão convencional, cedendo es­­paço à tevê a cabo, a internet as­­su­­me o papel de um meio de in­­for­­mação avassalador. Disse­­mina-se em toda parte, pelo barateamento das máquinas e pela consistente ascensão das classes médias no país. A internet seria assim o gran­­de meio do nosso tem­­po, o pon­­to de encontro de todos os gêneros tradicionais de linguagem. Ela é ao mesmo tempo jornal, rádio, correio, televisão, telefone, entretenimento, comércio, referência e informação global. Dizer que ela vem mudando a face do mundo é chover no mo­­lha­­do, mas não temos ainda noção precisa do que isso significa.

Sobre sua influência na eleição brasileira, é preciso lembrar algumas peculiaridades nossas. Não dá para simplesmente comparar com eleições dos Estados Unidos e Europa e dizer que o efeito aqui será semelhante. Gra­­ças ao carisma de São Lula, estamos famosos em toda parte, mas ainda muito longe dos padrões econômicos e culturais do Pri­­meiro Mundo. De certa forma, a internet repete hoje a situação da televisão no Brasil, que nos anos 70 chegou a boa parte do país antes do livro; agora o computador chega antes do letramento dos usuários. Nossa internet ainda é ruim, caríssima e de acesso restrito. E restrito a faixas geográficas também, o que significa pesos diferenciados de influên­­cia. No momento em que escrevo, as pesquisas dizem que Dilma Rousseff tem uma superioridade esmagadora no Nordeste, onde a internet tem menor penetração (e portanto a tevê tem maior força), enquanto Serra empata ou ganha de pouco no Sul e Sudeste, onde ela está muito mais disseminada (com a queda relativa de importância da tevê).

Mas há outros aspectos: a internet é o caos informativo, o império do fragmento. Saindo do terreno dos grandes portais na­­cionais e regionais, espaços institucionais que dão alguma ordem a esse caos, a internet é uma terra de ninguém, uma guerrilha de 10 milhões de micropáginas e blogues atirando para toda parte. É um gigantesco arquipélago de vozes solitárias bradando num deserto cibernético. No­­venta por cento dos blogues têm meia dúzia de leitores, que formam pequenas tribos fiéis. Na batalha dos e-mails, recebemos aquela lixarada de costume: "Serra é o ovo da serpente", de um lado, e "Dilma assaltante de bancos", de outro. Nesse mar de tolices, não se convence ninguém – apenas se reforça a própria tribo, numa dança da chuva em que se batem os pés e se bran­­dem as bordunas. É subestimar demais a inteligência do internauta imaginar que esse besteirol furioso terá algum efeito significativo nos eleitores. Como sempre digo, sou otimista.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.