i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Rodrigo Wolff Apolloni

As 20 grávidas do Umbará

  • 08/02/2016 23:01

Há encontros que só mesmo uma espécie de “antropologia esotérica” poderia explicar. Como, por exemplo, o que eu vivi há algumas semanas no Umbará, bairro que é o destino ideal para o morador do Centro em busca de uma minúscula e agradável viagem de sábado.

É difícil imaginar um bairro de Curitiba mais católico que o Umbará

Aproveitando uma folga, peguei o carro e a patroa e fomos até lá bem cedo, mirando a perspectiva de comer um pão com manteiga na chapa em uma padaria do bairro e, na volta, comprar goiabas e atemoias (fruta que eu não conhecia) na barraca solitária instalada à beira da Nicola Pellanda, na direção do Rio Iguaçu. Nos dias de sol, romantizo, seu proprietário deve ter o melhor trabalho do mundo, sentado em uma cadeira de praia borrifando água nas frutas e esperando a clientela chegar.

Chegando ao bairro, aderimos a um circuito religioso que se confunde com a geografia local: é difícil imaginar um bairro de Curitiba mais católico que o Umbará, considerada a quantidade por habitante de templos, cruzeiros, capelas e nichos de santos nas fachadas. Uma horta aqui, casa de madeira ali, lambrequins, alguns cavalos, carneiros e nomes italianos aos montes, nas mercearias, oficinas e olarias. As quadras de bocha, mistério, não estão à vista.

Seguimos para o Parque do Lago Azul, onde encontrei – e aí reside o estranhamento que inspira a crônica – cerca de 20 mulheres grávidas, barrigões à mostra, felizes da vida. Cada uma vivendo sua própria manhã solar de registro da gravidez, acompanhada por um séquito formado por marido, mãe, fotógrafo e assistente.

Imagem rara, que, nas atuais e bizarras circunstâncias epidemiológicas, deve se tornar ainda mais rara por algum tempo. Na minha cabeça, porém, as grávidas ainda estão lá, redondas e felizes da vida. De diferente, no Parque do Lago Azul, só mesmo aquele casal do Centro que, de longe, fica tentando enquadrar o maior número de gestantes em uma única foto feita pelo celular só para ter uma boa história para contar. E um gajo que, a certa altura, resolveu estudar saxofone em uma churrasqueira distante: atacou de Pixinguinha, de leve; se viesse com Kenny G, eu ia desconfiar de pegadinha.

De resto, concluímos que o lugar é perfeito para uma missão imagética tão específica. Tranquilo, sombreado e, ao menos nas manhãs de sábado, livre daquela massa febril de frequentadores que justifica a frase de Sartre sobre o inferno serem os outros. Configuração tão rara, desconfio, só mesmo no Umbará.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.