i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
TRANSPORTE COLETIVO

Curitiba teve 2 mil roubos a ônibus em 2015, cinco vezes mais do que São Paulo

Média diária, porém, é 20% menor do que a registrada em 2014; polícia prendeu neste mês 13 suspeitos de praticarem esse tipo de crime na região

  • PorRaphael Marchiori
  • 21/10/2015 08:39
PM aborda passageiros na operação “Fim da Linha” | Divulgação/Polícia Militar PR
PM aborda passageiros na operação “Fim da Linha”| Foto: Divulgação/Polícia Militar PR

Com 27 anos, Franciane Prates Gomes dos Santos nunca tinha sido vítima direta da violência. Experimentou esse dissabor no último mês de junho, dentro de um ônibus do transporte coletivo da região metropolitana. Os arrastões - roubos em massa - nos coletivos de Curitiba e região têm sido frequentes nos últimos meses. No geral, foram mais de dois mil assaltos a ônibus e estações-tubo em 2015 – média de 7,71 por dia. Apesar de 20% menor que em 2014, essa média é cinco vezes a verificada em São Paulo, onde a adesão ao meio de pagamento eletrônico é maior.

“O homem entrou armado. De mim, levou só uns trocados porque coloquei o celular no bolso virado pra lataria do ônibus. Mas roubou todos os passageiros. Agora ando com um celular velho e deixo meu smartphone desligado na bolsa. Nada de música ou jornal durante a viagem”, conta Franciane, que mora em Pinhais e é professora da rede municipal de Curitiba no bairro Campo Comprido. O roubo ocorreu na linha Privê.

INFOGRÁFICO: confira dados de roubos e as linhas e tubos mais visados

Moradores de Pinhais, inclusive, circulam informações em grupos do WhatsApp sobre arrastões e as linhas mais perigosas. Em Curitiba, linhas que servem bairros como Pinheirinho, Fazendinha e Cidade Industrial de Curitiba (CIC) também têm sido alvo frequentes. Um motorista da linha Campo Comprido-Capão Raso chegou a ser esfaqueado.

Operação “Fim da Linha”

No último dia 3 de outubro, a Polícia Militar realizou a fase final da operação “Fim da Linha”. A ação visava combater os roubos cometidos no transporte coletivo de Curitiba e região. Segundo a corporação, 13 pessoas foram detidas e 24 mandados de busca e apreensão foram cumpridos. Entre os detidos, quatro foram presos em flagrante durante abordagens realizadas nos quatro meses que antecederam a fase final. Foram realizadas mais de 290 abordagens nesse período. A PM informou que os grupos agiam, principalmente, nas linhas de ligação entre Curitiba e os municípios de Fazenda Rio Grande e Araucária. Sempre em grupos de quatro a sete homens, eles roubavam carteiras, celulares e outros objetos pessoais dos passageiros. Ainda de acordo com a PM, os detidos seriam os autores de 32 ocorrências de arrastões

A diminuição da circulação do dinheiro na catraca é uma das saídas apontadas por gestores para desestimular ação de criminosos e dar mais segurança aos passageiros. Em São Paulo, essa saída foi certeira. A queda na quantidade dessas ocorrências foi de 44% entre 2003 e 2004, primeiro ano de operação do Bilhete Único paulistano. Até setembro de 2015, 384 assaltos em coletivos haviam sido registrados na cidade -- média de 1,4 por dia. A frota paulistana (14,8 mil) é dez vezes maior do que a de Curitiba. Os dados são do Spurbanuss (Sindicato das empresas de ônibus de São Paulo). O Bilhete Único foi implantado São Paulo em maio de 2004 já com a proposta de integração temporal, algo que ainda falta em Curitiba. De início, na capital paulista, 43,77% dos passageiros aderiram a essa forma de pagamento. Segundo a SPTrans, hoje são 94,28%.

Curitiba passou a aceitar o cartão como forma de pagamento em 2002. O porcentual de adesão ao bilhete girava em torno de 53% até o ano passado, quando a administração municipal anunciou medidas para estimular a forma de pagamento. Além de ampliar a quantidade de postos de recarga e criar uma modalidade que não necessita de cadastro prévio, o município passou a dar desconto de R$ 0,15 para quem pagasse com cartão. Mas essa última medida foi cancelada após intervenção do Ministério Público (MP) e do Procon. Atualmente, 60,46% dos passageiros pagam a tarifa com o cartão-transporte na cidade.

Outro Lado

A Comec, órgão do governo do estado gestor das linhas integradas e não integradas da região metropolitana, afirmou que solicitou à Diretoria Geral da Polícia Civil reforço na segurança, principalmente nos terminais metropolitanos, devido aos assaltos e arrastões que têm ocorrido nos ônibus da região.

A prefeitura de Curitiba, por sua vez, além de estimular a redução da circulação de dinheiro nos ônibus, lançou mão de uma operação policial em junho do ano passado. Chamada de “Operação Presença”, a ação intensificou o policiamento por guardas municipais em tubos e terminais. No primeiro semestre deste ano, foram realizados 12 edições em todas as regionais da cidade. A gestão municipal também promete instalar nova iluminação com tecnologia LED em cinco mil pontos de ônibus até o próximo ano e destaca a opção de parada livre após as 22 horas nas linhas não servidas por tubos.

Gestores tentam ampliar uso do cartão transporte

Tanto governo quanto a prefeitura também têm políticas para reduzir a circulação de dinheiro nos ônibus. Na região metropolitana, as linhas agora são servidas pelo cartão Metrocard, que também pode ser habilitado como um cartão de crédito pré-pago se assim o usuário quiser sem pagamento de anuidade ou faturas. Por enquanto, são oito postos de recarga espalhados pela região metropolitana.

Já na capital, em agosto do ano passado, a prefeitura ampliou de um para 25 os postos de recarga quando as 66 linhas servidas por micro-ônibus passaram a aceitar apenas cartão como forma de pagamento por força de uma decisão judicial que proibia motoristas de cobrar a passagem. Outra novidade foi a criação do cartão-avulso, que dispensa a realização de cadastros e pode ser comprado nas bancas de jornal credenciadas para recarga. De acordo a Urbs, 60,46% dos passageiros pagam com cartão atualmente. Esse porcentual era de 53% em junho de 2014.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.