i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
imbróglio

Entidade reforça pedido de anulação da licitação do transporte de Curitiba

Grupo de sindicatos anexa decisão do Tribunal de Contas do Estado do Paraná em representação feita ao Ministério Público

  • PorRaphael Marchiori
  • 07/07/2015 17:55
 | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

A Plenária Popular do Transporte incluiu na representação feita ao Ministério Público do Paraná (MP-PR) a decisão final do Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TC) sobre o relatório de auditoria da tarifa para reforçar o pedido da anulação do transporte de Curitiba. Para o grupo, que é formado por entidades sindicais, a anexação do documento permite ajuizamento de ação de improbidade administrativa contra os responsáveis pelo processo licitatório e a anulação dos contratos vigentes desde 2010.

O acórdão do TC foi publicado no último dia 29 de junho. Ele reconhece que houve irregularidades e ilegalidades no processo licitatório. Para a Plenária, “isso confirma o que apontou estudo jurídico elaborado a pedido dos integrantes da Plenária do Transporte e entregue ao MP à prefeitura e à CPI dos Transportes na Câmara e ao próprio TCE”.

No texto em que divulga a anexação do acórdão, o grupo diz também que “a anulação do processo licitatório e a punição dos envolvidos é necessária para que haja justiça, transparência na gestão e para que os usuários não continuem a ser prejudicados com uma tarifa mascarada”.

Os sindicatos também encaminharam representação ao prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, solicitando que seja aberta sindicância e afastados gestores do transporte indicados no relatório do TCE. Dois deles atualmente estão vinculados a cargos no governo do Estado. Edmundo Rodrigues da Veiga Neto, que foi diretor administrativo financeiro da Urbs, agora é diretor geral na secretaria estadual de Educação. Já Fernando Eugênio Ghignone é presidente da Companhia Paranaense de Gás (Compagas). Ele foi diretor de transportes da Urbs.

A representação encaminhada ao MPPR se baseou em um estudo jurídico sobre a licitação do sistema de transporte de Curitiba. Esse estudo já havia sido encaminhado aos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, para que os efeitos da outorga de concessão às empresas de transporte fossem suspensos. Além disso, foi pedida a anulação dos contratos firmados, a recuperação dos valores apropriados pela outorga e responsabilização dos envolvidos. O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) também recebeu o material.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.