i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Futuro das Cidades

Google investe R$ 10 mi em aplicativos brasileiros que incentivam a participação popular

Etapa brasileira do Desafio de Impacto Social do Google premiu organizações voltadas para ações de política cidadã

  • PorNaiady Piva
  • 14/06/2016 21:00
Obra de escola parada é fotografada | Divulgação/
Obra de escola parada é fotografada| Foto: Divulgação/

A cada cinco escolas em construção, no Brasil, uma tem obras paralisadas ou completamente abandonadas. Os dados são do Censo de 2014, que também descobriu que 1,2 milhões de crianças entre 4 e 14 anos estavam fora da escola. Com apoio da comunidade, a ONG Transparência Brasil quer mapear essas obras. É uma forma de pressionar o poder público e liberar dinheiro para o que realmente interessa: investir na qualidade da educação. Meio cidadão, meio tecnológico, o projeto “Cadê minha escola” é um dos vencedores do Desafio Google de Impacto Social, na categoria escolha do público.

No total, a multinacional vai investir aproximadamente R$ 10 milhões em projetos brasileiros, dos quais R$ 6 milhões serão destinados aos vencedores que atuam na área de política cidadã e o restante aos demais finalistas.

A ideia do “Cadê minha escola?” é simples. Os próprios moradores tiram fotos da escola em construção no seu bairro e publicam na plataforma, em um aplicativo que pode ser instalado no próprio celular ou pelo site do projeto. A ONG faz a checagem dos fatos: a liberação do dinheiro em esfera federal, a publicação no Diário Oficial, a contração da empresa, qual o histórico da empreiteira contratada. E por aí vai.

Outros finalistas

Confira os outros finalistas do Desafio de Impacto Social do Google, que irão receber R$ 650 mil para tirar os projetos do papel.

WWF Brasil

O projeto do WWF Brasil prevê a construção de uma armadilha de baixo custo para o mosquito Aedes aegypt. A própria população fotografa os focos do mosquito e publica em um aplicativo que faz a contagem automática de larvas. A tecnologia foi desenvolvida em parceria com a Fiocruz. O projeto piloto será em Rio Branco, no Acre.

INOVAGRI - Instituto de Pesquisa e Inovação na Agricultura Irrigada

A água é muito escassa na região do Nordeste do Brasil, propensa à seca, o que afeta a agricultura. O INOVAGRI propõe construir uma plataforma que conecta agricultores e gestores de recursos hídricos com os dados para distribuir água de uma forma justa para todos e que combate o desperdício.

Aliança da Terra

A ONG visa conectar os agricultores com as informações de que necessitam para construir negócios mais fortes, para que eles possam se reunir, analisar, gerenciar e compartilhar dados. O objetivo principal é melhorar o seu desempenho ambiental e de produção, bem como aumentar a sua renda. A região Centro-Oeste é o foco, porque tem uma grande concentração de assentamentos rurais, mas mínima infraestrutura e acesso à tecnologia.

THEMIS

Há 6 milhões de trabalhadores domésticos no país e mais de 75% deles não têm um contrato. O objetivo da THEMIS é garantir que esses trabalhadores conheçam os seus direitos, para que possam receber um tratamento justo e legal. Eles planejam conseguir isso com um aplicativo que informa, educa e capacita com conhecimento e ferramentas. Em três anos, pretendem chegar a mais de 50% de todos os trabalhadores domésticos no Brasil.

Centro de Valorização da Vida

O suicídio é uma das dez principais causas de morte no mundo e, no Brasil, mais de 50% das pessoas que cometem suicídio nunca teve a oportunidade de se reunir com um profissional de saúde mental. Essa é a inspiração do projeto do Centro de Valorização da Vida, que desenvolverá um aplicativo para unir voluntários e quem precisa de aconselhamento. Pelo App, o voluntário pode atender uma ligação do próprio celular e não precisará estar em um centro do CVV para conversar. Além disso, quem precisa de ajuda tem a opção de mandar mensagens de texto, e não só falar ao telefone.

“São informações que a gente já coleta, mas que nem sempre ficam disponíveis de forma clara para o cidadão”, explica Juliana Sakai, coordenadora de pesquisa do Transparência. Para garantir a contrapartida da população, o projeto prevê parceria com ONGs e líderes locais. São pessoas que vão ter o compromisso de acompanhar as obras.

A ideia é usar o prêmio de R$ 1,5 milhão do Google e criar o aplicativo dentro de quatro a seis meses. O treinamento com os parceiros é a segunda etapa. Além dos parceiros da sociedade civil, a ONG aposta no apoio dos ministérios públicos estaduais e do Ministério da Transparência, antiga Controladoria Geral da União (CGU), para utilizar os dados para fazer a cobrança dos governos municipais.

O júri selecionou outros três projetos de política cidadã. O Mudamos (para criar projetos de lei de iniciativa popular); o Vetor (que incentiva jovens líderes a encontrarem soluções para o serviço público); e o Arredondar (que facilita doações financeiras para ONGs).

O Ipam, que trabalha mudanças ambientais com indígenas na Amazônia, faturou um quinto prêmio. A exceção de cinco vencedores foi aberta pela qualidade dos projetos apresentados na edição brasileira do prêmio, segundo a empresa. Os outros cinco finalistas faturaram R$ 650 mil (veja no box ao lado).

A escolha de projetos focados em tornar o cidadão mais envolvido com o governo não foi uma coincidência, considerando a situação política do Brasil, na opinião de Jacqueline Fuller, diretora do braço de filantropia da empresa, o Google.org.

“Vemos que alguns dos nossos vencedores são focados em petições, um ato civil muito pequeno, até doar toda a sua carreira para trabalhar no governo”, opina. E não é uma coincidência que o vencedor do público é relacionado à transparência: “Precisamos de transparência em relação aos investimentos. Não só saber quanto dinheiro está sendo investido. Mas quais os resultados? Quantas escolas estão sendo construídas?”, afirma.

Leis populares

Outro premiado, o Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS Rio) quer criar uma plataforma na internet para projetos de lei de iniciativa popular. A ideia é transportar o bom e velho abaixo assinado para a internet, por meio da plataforma Mudamos.org, que hoje já funciona como espaço de fomento ao debate público. estados.

“Não é uma plataforma de petições. Porque essas petições na internet em geral estão ligadas a causas. É importante, mas queremos um espaço para criação de leis”, explica Ronaldo Lemos, do ITS. A lei brasileira prevê projetos de lei populares, desde que assinados por 1% do eleitorado.

A plataforma vai incluir guias de estilo para a redação de leis, para aumentar a chance dos projetos serem aprovados. Além disso, a assinatura digital vai ser certificada pela tecnologia blockchain. A validade das assinaturas digitais para projetos de iniciativa popular já é reconhecida em lei no estado do Rio de Janeiro. Projeto similar tramita na Câmara dos Deputados, em Brasília. As comissões da Casa já deram parecer favorável; falta aprovação em plenário, para a lei seguir para o Senado.

Jovens líderes no setor público

A engenheira Joice Toyota passou a vida em escolas públicas, angustiada e sem entender o porquê de seu colégio enfrentar tantos problemas. Já no mercado, foi prestar consultoria para uma prefeitura, na área de educação. Seu sonho - de mudar a escola - encontrou a realidade e os desafios enfrentados pela gestão pública. Com o Vetor Brasil, ela busca fomentar encontros como esse. Hoje a organização conta com 46 jovens líderes alocados em 11 governos diferentes, de partidos diferentes.

Com o dinheiro do prêmio, a ideia é ampliar isso em escala. Atrair mais trainees e estabelecer parcerias com outros governos. Os profissionais recebem treinamento antes de serem encaixados nos governos e ao longo de todo o trabalho. Cada trainee deve apresentar um projeto com aplicabilidade prática. A meta é chegar a 30 mil profissionais no primeiro ano. E sair do eixo administração e engenharia, que hoje representa a maioria dos trainees. “Um dos nossos principais valores é diversidade, seja de gênero, étnico racial, e buscamos isso nos nossos trainees”.

O projeto já derrubou alguns mitos da administração pública. O primeiro é de que muitos governantes estão dispostos a abrir mão de indicações políticas para contratar técnicos qualificados, mas não sabem por onde começar, opina Joice. Além disso, muitos políticos mantêm bons projetos das gestões anteriores. “As vezes só mudam de nome”.

Além de alocar bons profissionais nas gestões públicas, o Vetor pretende sensibilizar futuros líderes. Joice provoca: “Hoje vemos muitos protestos, pessoas reclamando do governo. Mas como é mudar de dentro? Quais desafios?”.

Trocado que vale muito

A diferença entre R$ 4,90 e R$ 5. É com esses centavos que o Arredondar conta para financiar projetos sociais importante. Hoje, a ONG conta com 23 varejistas parceiros no Rio de Janeiro e em São Paulo. São grandes lojas, onde o vendedor convida o cliente a doar seu troco.

O problema, hoje, é ampliar a escala de abrangência do projeto. Com o dinheiro do prêmio, a organização pretende abrir mais duas frentes de doação. Uma seria o e-commerce, comércio pela internet. A outra é adaptar a opção de arredondar o troco para máquinas de cartão de crédito e débito.

Mudanças climáticas

Quinto vencedor, o Ipam Amazônia vai criar uma plataforma tecnológica de proteção da floresta Amazônica e dos povos indígenas que lá vivem. A ideia é usar a mídia mais popular entre esses povos, o smartphone. Por meio de um aplicativo, os moradores das florestas podem verificar mudanças climáticas que podem atingir sua região e seu ecossistema.

“O agricultor sabe que o El Niño do próximo ano vai trazer seca para a Amazônia, tem meios de saber, mas o indígena não tem”, explica Paulo Moutinho, pesquisador do Ipam. Até mesmo rituais indígenas são afetados pelas mudanças climáticas. Uma celebração que ocorre todos os anos sob determinada chuva, por exemplo, fica comprometida se não há precipitação.

Os indígenas são parte do ecossistema da floresta, “este grande regador” das cidades, argumenta Paulo. E ajudar a protegê-los é ajudar a proteger o meio ambiente como um todo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.