i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
violência contra a mulher

Letra de funk insulta jovem vítima de estupro coletivo

A letra, cheia de palavrões, lista homens que a teriam violado, com referências geográficas do Morro da Barão, onde aconteceu o crime, e cercanias

    • Estadão Conteúdo
    • 03/06/2016 08:54
    Adolescente de 16 anos, vítima de estupro coletivo, deixa hospital no Rio: a violência contra a jovem continua | Gabriel de Paiva/Agência O Globo
    Adolescente de 16 anos, vítima de estupro coletivo, deixa hospital no Rio: a violência contra a jovem continua| Foto: Gabriel de Paiva/Agência O Globo

    Nas redes sociais, têm sido compartilhados xingamentos e acusações de conivência com o tráfico, ao lado de imagens e áudios atribuídos à jovem vítima de estupro coletivo. Um funk que a insulta já tem mais de 60 mil visualizações. A letra, cheia de palavrões, lista homens que a teriam violado, com referências geográficas do Morro da Barão, onde aconteceu o crime, e cercanias: “o menor do bairro 13”, “o moleque da Menezes”, “o moleque da Assembleia”, “o menor da Baronesa”.

    A música se chama “Não fala da (apelido da menina), a (apelido) fortalece” e tem como subtítulo “X. (o órgão sexual feminino) de tunil (modo como foi escrita a palavra túnel)”. Está no ar desde a sexta-feira passada, em diferentes montagens, ora com fotos que seriam dela, retiradas do Facebook, ora com fotos de quem a postou. Usuários do YouTube, homens e mulheres, elogiaram a música e postaram comentários jocosos.

    Sob a justificativa de que o inquérito corre sob sigilo de Justiça, por se tratar de uma menor, a Polícia Civil não confirmou se investiga a autoria dos vídeos e comentários. Procurado pelo Estado, o Google, dono do YouTube, não confirmou se vai tirar os vídeos do ar - a medida dependeria de ordem judicial. “Se uma pessoa se sente ofendida por algum conteúdo postado, é possível fazer uma notificação por meio da ferramenta de denúncia”, diz, em nota oficial.

    Com vivência na Justiça da Infância e Juventude, o desembargador Siro Darlan disse que quem divulgou imagens da vítima nua infringiu o Estatuto da Criança e do Adolescente. Isso pode resultar em até 8 anos de prisão.

    Autor do livro Batidão - uma história do funk, o jornalista Silvio Essinger lembrou que o ritmo é historicamente machista. “Existem músicas terríveis que retratam a mulher como objeto sexual, de forma explícita, mas o machismo não existe só no funk ou na favela.”

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.