Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Paulo Freire (1921-1997)
Decisão judicial proíbe falas e ações do governo federal que “atentem contra a dignidade” de Paulo Freire (1921-1997).| Foto: Foto: Arquivo / Instituto Paulo Frire

A juíza Geraldine Pinto Vital de Castro, da 27ª Vara Federal do Rio de Janeiro, determinou, por meio de liminar, que a União, e “quem a represente a qualquer título”, se abstenha de praticar qualquer ato institucional “atentatório a dignidade do Professor Paulo Freire na condição de Patrono da Educação Brasileira”.

>> Faça parte do canal de Vida e Cidadania no Telegram

A decisão atende a um pedido feito pelo Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH), que alegou na ação existir “movimentos desqualificadores dos agentes do Governo Federal contra Paulo Freire, educador e filósofo brasileiro, com falas ofensivas e em contraposição ao pedagogo ser Patrono da Educação brasileira”. Cabe recurso da decisão.

Primeiramente, o MNDH argumentou que Paulo Freire, morto em 1997 e nomeado patrono da educação brasileira por meio da Lei Federal 12.612, sancionada pela presidente Dilma Rousseff em 2012, tem recebido “ofensivas e injustificadas críticas do governo federal e que tais manifestações não só se opõe à figura de Paulo Freire enquanto educador e patrono da educação, como aos projetos e programações a ele vinculado”.

Críticas

Além disso, o grupo reclamou que a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Nível Superior (Capes) alterou a plataforma criada para os professores buscarem cursos de aperfeiçoamento profissional e retirou a homenagem ao educador Paulo Freire do nome. Antes chamada "Plataforma Paulo Freire", ela passou a se chamar "Plataforma da Educação Básica". Outro argumento foi o de que integrantes do governo federal têm criticado a metodologia de Paulo Freire, associando-a ao baixo desempenho escolar dos estudantes brasileiros.

Outro argumento usado foi o de que o presidente da República teria defendido “expurgar a filosofia freiriana das escolas”. Além disso, eles citam o filósofo Olavo de Carvalho, que também teria atacado o legado de Freire. Segundo o MNDH, essas manifestações seriam de “pessoas que desconhecem por completo a obra e o legado de Paulo Freire e se articulam para retirar-lhe o título de Patrono da Educação Brasileira. Isso estaria sendo articulado, segundo o grupo, por meio de medida revogatória no Congresso Nacional, "apesar da proximidade do centenário de Paulo Freire e todo seu legado deixado”.

Finalmente, o MNDH sustentou na ação que “negar direitos como memória, cultura e educação é nocivo para o desenvolvimento do princípio democrático e da igualdade. Igualmente é negar as figuras e símbolos que esses o representam, e, para tal, não há exemplo ou paradigma melhor que Paulo Freire”.

Liberdade de expressão

Na decisão, a juíza acatou os argumentos do movimento. Segundo ela, haveria “perigo de dano em não observar o reconhecido por meio da Lei 12.612/12 em torno da figura do Patrono da Educação Brasileira, minimamente enquanto estiver em vigor”. Na justificativa da sentença, a juíza diz que a liberdade de expressão é um direito fundamental, e ressalta que “é livre a expressão de atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença”.

Mesmo assim, a magistrada não vê problema em cercear o direito de representantes do governo federal em criticar Paulo Freire. Para ela, “são garantidas liberdades, mas não sem limites, notadamente as advindas do poder público que venham a distorcer os princípio e garantias insculpidos na Constituição Federal”. Ainda segundo ela, “a formação da opinião pública deve ser caracterizada pela pluralidade de expressão de diferentes setores da sociedade, inclusive das minorias”.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]