i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Sarandi

Vereadores que investigam prefeito sofrem ameaças de morte

Os parlamentares já receberam quatro ligações, todas anônimas, com ameaças a eles próprios e aos familiares. Investigação sobre o prefeito deve ser concluída em março

  • PorRenan Colombo e Marcus Ayres
  • 11/02/2010 11:37

Os vereadores que comandam uma investigação contra o prefeito de Sarandi, na região metropolitana de Maringá, Milton Martini (PP), estão recebendo uma série de ameaças de morte. O episódio mais recente aconteceu na quarta-feira (10), quando Luiz Carlos Aguiar (PPS) recebeu uma ligação anônima, orientando-o a "pensar no que está fazendo, pois tem uma família linda". Nesta quinta (11), ele registrou queixa na polícia.

Em dezembro, Aguiar já havia sido ameaçado, assim como o colega Aparecido Bianco (PT). As ligações sempre são feitas de telefones com número não identificado. "Na primeira vez, a pessoa que ligou disse que era para eu ter cuidado, pois essa investigação seria uma das últimas coisas que eu faria na vida", relata Aguiar.

A ameaça que mais assustou os parlamentares aconteceu há 15 dias. Bianco estava no quarto de casa, à noite, quando atendeu ao telefone celular. Do outro lado da linha, um homem descreveu o cômodo e os gestos que o vereador fazia. "Eu fiquei preocupado. Desde então não abro mais a janela do meu quarto", conta. "Não tenho medo, mas estou andando com cuidado na rua", acrescenta Aguiar.

Para Bianco, as ligações têm a clara intenção de intimidá-los, a fim de interromper as investigações. Os vereadores, contudo, não sabem quem está por trás das ameaças. "Há um grupo na cidade acha que nós queremos ‘ferrar’ o prefeito. Tem outro grupo que acha que estamos defendendo o prefeito. Estamos recebendo pancada de todos os lados", diz Aguiar.

Até está quinta-feira (11), quatro queixas haviam sido registradas na delegacia. O terceiro e último vereador que participa das investigações, José Roberto Grava (PSC), não foi alvo das ligações. Depois de ser procurado, o delegado de Sarandi, José Maurício de Lima Filho, orientou os parlamentares a não andar sozinhos à noite nem atender ligações anônimas.

Ele disse ainda que as ligações partem de telefones públicos, o que torna difícil identificar os responsáveis pelas chamadas. Nesta quinta, Lima não foi localizado pela reportagem para comentar o caso.

A reportagem do JM também procurou o prefeito Milton Martini para comentar o caso, mas ele não estava na prefeitura e seu aparelho celular estava desligado.No entanto, a sua assessoria de comunicação repassou a seguinte posição: "A administração municipal respeita a lei e é de pensamento do prefeito que a ação da Câmara é um dever a ser cumprido. Obviamente que a prefeitura não tem nada a ver com essas ameaças, até porque não iria reproduzir nada de benéfico. Estamos mantendo uma postura harmoniosa e respeitando os vereadores".

A investigação

Milton Martini é acusado de comprar, sem licitação, produtos agropecuários na loja do então chefe de gabinete da Prefeitura, Ailson Donizete de Carvalho, que se demitiu. São dez bombas para passar veneno e 150 litros de herbicida, que somam R$ 7,7 mil. Martini diz que não sabia que a loja era do funcionário e que já devolveu o dinheiro ao município.

Para investigar a denúncia, os vereadores de Sarandi montaram, no fim do ano passado, uma Comissão Processante (CP). Já foram ouvidas testemunhas de acusação e defesa, incluindo o próprio prefeito e também o deputado Reinhold Stephanes Júnior (PMDB), que o defendeu.

Na próxima semana, a comissão deve concluir o relatório sobre o caso, que conterá um parece a favor ou contrário à cassação do prefeito. A decisão cabe aos vereadores e precisa ser tomada até o dia 5 de março.

Martini é investigado também na Justiça, acusado de outras irregularidades a frente da Prefeitura. Em dezembro, ele chegou a ser afastado do cargo pela Justiça, por supostamente estar coagindo funcionários públicos que são testemunhas dos processos. Dias depois, a decisão foi revertida e Martini retornou ao cargo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.