Uma joalheria foi assaltada, na manhã desta quarta-feira (24), dentro do Shopping Total, no bairro Portão, em Curitiba. Duas horas depois, quatro pessoas foram detidas pela Polícia Militar (PM), acusadas de terem praticado o roubo. Três eram menores de idade. Parte das joias levadas no assalto foram recuperadas.

O roubo ocorreu por volta das 10h30, quando um grupo de quatro pessoas invadiu a joalheria. Dois dos assaltantes sacaram armas e anunciaram o assalto. Funcionários do estabelecimento foram obrigados a encher uma sacola com relógios, correntes, anéis e brincos e entregá-la aos bandidos. Havia clientes na loja, mas, segundo a PM, ninguém ficou ferido.

Na fuga, os assaltantes usaram um carro vermelho, cuja placa foi anotada por agentes de segurança do shopping. A informação foi repassada à PM, que passou a fazer buscas pelos bandidos. Uma hora e meia depois, por volta das 12 horas, o veículo foi localizado na Rua João Cheddi, no bairro Cidade Industrial de Curitiba (CIC).

Com o grupo, a polícia encontrou uma sacola com joias e dois revólveres calibre 38. Segundo a PM, dois acusados têm 16 anos e um, tem 15. Os três foram encaminhados à Delegacia do Adolescente (DA), onde devem ser autuados por ato infracional de roubo. O outro acusado é maior de idade e foi levado ao Ciac-Sul. A identidade dele não foi revelada pela PM.

Outros casos

Há duas semanas, a Gazeta do Povo mostrou que, com a proximidade do fim do ano, as joalherias se tornaram mais visadas em Curitiba. Quatro lojas de metais preciosos chegaram a ser assaltadas em um período inferior a 30 dias. Esses casos estão sendo investigados pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope). Segundo o delegado Hamilton da Paz, no entanto, o grupo detido nesta quarta não foi o mesmo que cometeu os outros roubos.

"Este [o assalto desta quarta-feira] foi um caso isolado. Os outros assaltos foram cometidas por uma quadrilha especializada, que agia de modo completamente diferente", apontou o delegado. Os outros roubos foram efetuados por homens bem vestidos, que se passavam por clientes até anunciarem o assalto.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]