i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Investigação sob suspeita

MP pede nova reconstituição

  • PorMauri König
  • 30/06/2009 21:04

Por meio de petição protocolada ontem no Juízo Criminal de Matinhos, o Ministério Público expôs vários itens necessários para esclarecer o caso em virtude do surgimento do novo suspeito do crime. As promotoras de Justiça Carolina Dias Aidar de Oliveira e Fernanda Maria Motta Ribas defendem que Unfried seja submetido a exame de corpo de delito, para uma posterior acareação com Monik. Elas pedem, ainda, que seja juntado aos autos o laudo pericial de confronto de balística entre a arma encontrada com Unfried e os projéteis retirados do corpo de Osíris, além da reconstituição do crime segundo a versão do novo acusado.

Segundo as promotoras, Unfried confessou a autoria do crime depois de tentar suicídio por enforcamento na cadeia de Matinhos. Por meio de nota oficial, elas disseram já tê-lo interrogado, e que ele teria caído em contradição ao descrever o crime. A polícia só agirá se a Justiça acatar os pedidos do MP.

Indefinição

O delegado-geral da Polícia Civil, Jorge Azor Pinto, não sabe se o delegado Luiz Alberto Cartaxo de Moura continuará à frente do caso. "Isso não está definido ainda. Dependemos do deferimento das diligências pelo Judiciário e só então vamos decidir. A parte da polícia estava concluída", diz. Uma vez aceita a denúncia, o preso passa a ser responsabilidade da Justiça.

Responsável pela investigação do crime do Morro do Boi, Cartaxo dizia categórico que Juarez Ferreira Pinto era o culpado. Não só ele tinha essa convicção: em março, o MP propôs denúncia criminal contra Juarez por roubo seguido de morte, roubo seguido de lesão corporal grave, atentado violento ao pudor e por perigo de contágio de moléstia grave. A promotora criminal Carolina Dias Aidar de Oliveira garantia que não pediria nenhum exame complementar, pois estava convicta de que Juarez era o assassino do Morro do Boi. Ela dizia ter provas testemunhais suficientes para condená-lo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.