i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
violência

PM é preso sob suspeita de torturar assaltante em SP e colegas protestam no DP

O conflito começou quando o suspeito Afonso de Carvalho Oliveira Trudes, de 23 anos, foi apresentado na delegacia mais de uma hora depois de ter sido preso em flagrante

    • Estadão Conteúdo
    • 21/10/2015 11:49

    O sargento da Polícia Militar Charles Otaga, de 41 anos, foi autuado em flagrante sob suspeita de torturar um assaltante na zona leste da capital paulista. Em protesto à prisão do colega, policiais militares de diversos batalhões foram com trajes civis e armas na cintura até o 103° Distrito Policial (Itaquera) na madrugada desta quarta-feira (21).

    O conflito começou quando o suspeito Afonso de Carvalho Oliveira Trudes, de 23 anos, foi apresentado na delegacia mais de uma hora depois de ter sido preso em flagrante por roubar R$ 60 e o celular de uma vítima. Ele confessou o crime e também acabou preso.

    Segundo apurou o jornal O Estado de S. Paulo, o delegado Raphael Zanon, do 103º DP, desconfiou que o suspeito havia sido torturado durante o depoimento aos policiais civis. Ele teria se posicionado de lado na cadeira, já que não estaria conseguindo encostar por causa dos ferimentos. Mesmo com dores, ele não afirmou previamente ter sido torturado.

    Trudes só teria contado ao delegado sobre a tortura após ter recebido a garantia de que não seria transportado novamente na viatura da PM. Ele disse ter recebido choques na região do pênis e da bolsa escrotal, além de ter sido agredido nos braços e nas costas e ameaçado com uma faca no peito. O sargento Otaga foi reconhecido pelo suspeito como o agente de tortura.

    O laudo da Polícia técnico-científica aponta que o suspeito apresenta lesões provocadas por objeto contundente, mas não confirma que ele foi torturado com choque. Ele apresentou esquimose discreta no pênis, mas nenhuma lesão na bolsa escrotal foi assinalada no exame. As feridas foram fotografadas.

    A viatura que trouxe o suspeito até a delegacia foi revistada por um tenente da PM, a pedido do delegado. Nenhuma arma de choque, no entanto, foi encontrada.

    Trudes foi pego momentos depois de realizar um assalto, usando bicicleta e uma arma de brinquedo. Após prendê-lo, os PMs teriam ido até a casa onde mora para tentar encontrar uma arma de verdade e ameaçado seus familiares. Depois, também teriam se deslocado para a residência de um suposto comparsa do assaltante.

    Os policiais militares negam a prática da tortura e acusam o delegado de ter autuado Otaga com base apenas no relato do suspeito. Nas redes sociais, PMs convocaram os “colegas de farda” para o 103° DP, a fim de pressionar contra a prisão de Otaga.

    Cerca de 60 PMS foram até o local e o delegado Zanon saiu do DP escoltado. Policiais civis afirmam que o delegado chegou a ser ameaçado pelos agentes.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

    Receba Nossas Notícias

    Receba nossas newsletters

    Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

    Receba nossas notícias no celular

    WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

    Comentários [ 0 ]

    O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.