i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Confronto

Polícia Federal vai apurar morte de índio em fazenda em MS

Ministro da Justiça disse haver imagens da ação, que envolveu policiais federais e militares, e que, por ora, é impossível dizer quem matou o índio

  • PorAgência Estado
  • 31/05/2013 05:43

O Ministério da Justiça determinou que a Corregedoria da Polícia Federal investigue a morte do índio terena Oziel Gabriel, de 35 anos, durante a reintegração de posse de uma fazenda na quinta-feira (31), em Mato Grosso do Sul. O ministro José Eduardo Cardozo disse haver imagens da ação, que envolveu policiais federais e militares, e que, por ora, é impossível dizer quem matou o índio. "Caso exista abuso, tomaremos as medidas cabíveis."

A reintegração de posse da Fazenda Buriti - situada no município de Sidrolândia, a 70 km de Campo Grande, e pertencente ao ex-deputado estadual pelo PSDB Ricardo Bacha - foi determinada pela Justiça Federal. Houve confronto entre os indígenas e as forças policiais - 250 PMs e um contingente da PF não informado pelo órgão. Além da morte de Gabriel, que era pai de dois adolescentes, ao menos cinco índios e três policiais federais teriam sido feridos.

A PF prendeu 14 indígenas adultos e outros 3 menores ficaram apreendidos na delegacia de Sidrolândia. Foram encontradas duas espingardas e um revólver, segundo o superintendente da PF, Edgar Marcon. Os índios deixaram o local e voltaram para a Aldeia Córrego do Meio, no mesmo município, onde começaram a velar o corpo de Gabriel. O enterro será hoje.

Após o confronto e a notícia da morte do índio, o governo de Mato Grosso do Sul afirmou em nota que os policiais militares usaram balas de borracha na ação, e não armas de fogo. O texto diz que "o comando da PM recebeu da Polícia Federal informação de que contra os policiais teria sido utilizada arma de fogo". A PF em Mato Grosso do Sul informou que seus homens foram recebidos com disparos de armas de fogo.

Em Brasília, o ministro da Justiça disse não ter sido procurado pelo governador do Estado, André Puccinelli (PMDB), e foi irônico ao ser questionado sobre a informação de que a PM afirmou não ter usado armas de fogo. "Então ele (Puccinelli) já tem a investigação concluída?", afirmou Cardozo ao Estado.

Disputa

A delimitação da terra alvo da disputa ocorreu em 2010, quando a área da etnia terena passou de 2 mil para 17,2 mil hectares. A terra indígena engloba nove aldeias, com cerca de 3.500 índios, que ocupam 3 mil hectares. Atualmente, há 62 propriedades invadidas no Estado, das quais 17 estão na região de Sidrolândia. Ações judiciais impedem a demarcação física dos limites da área.

Segundo Cardozo, a ordem de reintegração já havia sido expedida anteriormente pelo juiz que, alertado por um oficial de Justiça sobre a dificuldade em se cumprir o mandado pacificamente, suspendeu a decisão e promoveu na noite de quarta-feira uma audiência para buscar acordo entre os índios e o proprietário da fazenda. O ministro disse que Bacha não aceitou aguardar o fim dos recursos e, com isso, a Justiça determinou a reintegração. Cardozo reconheceu que "há uma situação de tensão real" envolvendo as terras indígenas no País.

Ontem, Bacha afirmou que o confronto era "desgraça anunciada" e culpou o Conselho Missionário Indigenista (Cimi) por "incitar" a ocupação das fazendas. O advogado do Cimi, Luiz Henrique Eloi, disse que a declaração é "absurda" e que a entidade é contra "reintegração sem a presença de autoridades de defesa dos direitos humanos". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.