| Hugo Harada/Gazeta do Povo
| Foto: Hugo Harada/Gazeta do Povo

Com a utilização de “castramóveis” – veículos adaptados para realizar cirurgias de esterilização de animais e recebê-los no pós-operatório – aproximadamente 7 mil animais devem ser castrados pela Rede de Proteção Animal, até outubro deste ano, por meio da Campanha de Esterilização de Cães e Gatos, que tem previsão de início em maio.

Para o coordenador da Rede de Proteção Animal, Paulo Colnaghi, os castramóveis devem facilitar o processo. “A primeira etapa da campanha foi feita em clínicas e nós entendemos que havia uma ‘burocracia’: tínhamos uma clínica credenciada no Abranches, por exemplo, e a pessoa morava no Tatuquara”, conta.

Conforme Colnaghi, o foco da campanha são pessoas em vulnerabilidade social que não têm condições de pagar pela castração de seus animais de estimação. “Mas as protetoras independentes têm papel fundamental nessa campanha, porque o foco delas é o recolhimento de animais de rua”, ressalva. Ele imagina que as protetoras possam recolher ainda mais animais para levá-los aos castramóveis, sem o compromisso de mantê-los depois que eles se recuperarem da cirurgia. “Ninguém quer que as pessoas fiquem com eles, eles podem ser recolocados na rua após a castração”, diz.

Outro foco da campanha é agir principalmente nas regiões onde, segundo o coordenador da Rede de Proteção Animal, muitos animais são abandonados. “Vamos começar pela Caximba e assim que começar outro castramóvel, vamos para o outro extremo da cidade, mas com vamos focar primeiro nos bairros mais problemáticos, onde tem mais “desova”, explica. As primeiras regionais a serem atendidas devem ser a do Tatuquara, a do Boqueirão e a do Bairro Novo.

Conscientização

Apesar da campanha, Colnaghi diz que é necessário a conscientização da população para evitar o aumento no número de animais de rua. “É importante não deixar os animais sairem para ‘dar uma voltinha’, porque é nesse momento que acontece a cruza”, diz.

UFPR

A Universidade Federal do Paraná possui, desde 2009, uma Unidade Móvel de Educação e Esterilização em Saúde - nome oficial dos castramóveis. A unidade funcionava, inicialmente, por meio de uma parceria com a prefeitura, a qual deixou de existir em 2013. Desde então a universidade mantém o projeto sozinha e atua, principalmente, nos municípios de Pinhais e São José dos Pinhais, na região metropolitana.

Os protetores de animais também ressaltam a importância das pessoas não abandonarem seus bichos de estimação e também de adotarem alguns cuidados para que eles não fujam dos imóveis ou não se percam de seus donos.

Edital

A castração será iniciada por uma empresa de São Paulo que já se cadastrou na Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) e foi aprovada pelo órgão para a execução do trabalho, de acordo com os critérios estabelecidos pelo edital de cadastramento. Segundo Colnaghi, outra empresa deve ser credenciada na próxima semana. A expectativa é de que pelo menos mais duas façam o cadastro até o dia 23 de junho para realização do serviço. A quantidade de empresas cadastradas e a capacidade de cada um delas pode influenciar o resultado final da campanha, que pretende esterilizar 5800 cães e 1500 gatos.

Para isso, serão destinados R$ 1 milhão, que virá do Fundo Municipal do Meio Ambiente. Como não se trata de uma licitação por preço, as empresas que se cadastrarem para realizar o serviço devem aceitar os valores estabelecidos pela SMMA para as cirurgias: R$ 141 para a castração de cães e R$ 121 para a de gatos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]