i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Santa helena

Sindicância conclui que comentário sobre cabelo de médica negra não caracteriza injúria racial

Caso ocorreu no mês de março, mas resultado da sindicância foi divulgado apenas nesta quarta-feira (21), após pedido de informação enviado pela Gazeta do Povo

  • PorRaphael Marchiori
  • 21/10/2015 10:40

A sindicância aberta pela prefeitura de Santa Helena, no Oeste do Paraná, para apurar uma denúncia de injuria racial da secretária de Saúde contra uma médica do Programa Mais Médicos concluiu que não houve crime. Segundo a investigação, a titular da pasta municipal não teve a intenção de ofender a profissional de saúde e que, portanto, não houve a “conduta de injúria racial ou discriminação no âmbito da prefeitura”. A conclusão é de abril, um mês após a denúncia, mas foi divulgada apenas nesta quarta-feira (21) após um pedido de informação enviado pela Gazeta do Povo.

O caso ocorreu no dia 19 de março, durante uma reunião para traçar estratégias sobre o Programa Saúde da Família. No encontro, a secretária Terezinha Madalena Bottega e sua assistente Cristiane Mozer Binko falaram com a gaúcha Thatiane Santos Silva sobre o cabelo dela. A médica, que é negra, usa o penteado no estilo dreadlock.

Na sindicância, a própria Teresinha confirmou que falou sobre o odor do cabelo da profissional. À época, Thatiane afirmou que a secretária também teria falado que os pacientes estão acostumados a outro “padrão” de médicos e que ela poderia sofrer preconceito.

O texto da conclusão da sindicância diz que o município recebeu evidências de que a secretária e sua assistente fizeram o comentário porque foram motivadas por outras pessoas. A sindicância também ressaltou que encontrou atenuantes no comentário das servidoras em uma fala da própria médica

Segundo o documento, Thatiane teria afirmado que a secretária iniciou o comentário dizendo que “sentia muito em falar isso”. Para os servidores da prefeitura responsáveis pela sindicância, “alguém que deseja ofender, denegrir, macular ou mesmo atingir a honra de outro jamais iniciaria sua frase com a expressão ‘sentia muito em falar isso’”.

Terezinha ficou afastada de suas atividades profissionais na prefeitura durante um mês. Logo após a conclusão da sindicância, ela voltou a responder pela pasta. Procurada pela reportagem, a secretária afirmou que não iria se pronunciar neste momento porque ela ainda responde a uma ação na esfera criminal sobre o assunto. “Também fui lesada de uma forma muito grave. Mas quanto menos eu falar, melhor. Somente o resultado da sindicância não me dá respaldo para dar qualquer declaração na mídia. Assim que o processo for julgado, eu mesma vou procurar a imprensa para me pronunciar”.

Racismo Velado

Thatiane, por sua vez, disse que a sindicância começou errado ao convocar uma das três testemunhas presenciais do caso. A médica argumenta que isso anulou a possibilidade delas terem de falar o que ocorreu de fato. A segunda testemunha é esposa da pessoa convocada para participar da sindicância e a terceira seria a mãe da secretária, que acabou falecendo algum tempo após o episódio.

“E ainda teve esses trechos inseridos na conclusão da sindicância. Eles foram colocados de forma a dar uma justificativa para absolvê-la. Em nenhum momento, eles colocam o que é o crime de racismo”, afirmou.

Para a médica, o episódio é um caso típico de racismo velado. “Se a pessoa não é negra, fica difícil dela entender. A sociedade começa a naturalizar essa situação. Por isso a importância da denúncia. Mesmo que seja por base da coerção criminal, o racismo pode deixar de existi a medida que os casos forem julgados”. Formada em medicina em Cuba em 2012, Thatiane fez o Revalida para obter registro no Conselho Regional de Medicina.

Na época do episódio, o Governo Federal enviou à Santa Helena dois emissários do Ministério da Saúde para apurar o ocorrido. Eles chegaram a visitar a unidade de saúde onde Thatiane trabalha e deixaram cartazes educativos sobre o tema. Um deles trazia a imagem de um médico negro, com a inscrição “Racismo Faz Mal a Saúde” e o telefone 136 para denúncias.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.