i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Adoção

STJ mantém criança com pais afetivos após MP pedir acolhimento institucional

  • PorGazeta do Povo
  • 19/02/2020 15:45
Criança não vai para instituição, decide STJ
Criança não vai para instituição, decide STJ| Foto: Bigstock

A 3ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu habeas corpus de ofício para que uma criança de 2 anos siga com os pais afetivos e não vá para o acolhimento institucional, ou seja, não irá para um abrigo, como havia sido solicitado pelo Ministério Público de São Paulo (SP). O entendimento do STJ foi de que os pais afetivos não burlaram o cadastro de adoção.

Quando a criança tinha dois meses, ela foi entregue ao casal pela mãe biológica, que é usuária de drogas, assim como o pai do bebê. A mãe adotiva procurou o Conselho Tutelar e obteve a guarda provisória. Os pais biológicos da criança foram processados pelo MP por maus-tratos e abandono afetivo.

Na Justiça, o juiz de primeiro grau entendeu que os pais afetivos não burlam o cadastro de adoção, mas o MP recorreu ao Tribunal de Justiça de São Paulo. O tribunal, então, emitiu ordem de acolhimento institucional da criança.

Após essa decisão, a família afetiva recorreu ao STJ, para que a criança não fosse levada para uma instituição de acolhimento ficasse nesse lar socioafetivo até a regularização da guarda definitiva.

O relator do caso, ministro Marco Aurélio Bellizze, afirmou o casal havia proporcionado à criança um ambiente acolhedor, seguro e familiar, dispensando-lhe cuidados médicos, assistenciais e afetivos, o que gerou uma "forte vinculação" entre eles.

Bellizze ressaltou ainda que não há indícios de má-fé da mãe afetiva com o propósito de burlar o cadastro de adoção, pois a entrega da guarda foi efetuada pelo Conselho Tutelar.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.