i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Três pessoas são presas em reintegração de posse no bairro Fazendinha

Quatro manifestantes ficaram feridos, entre eles uma criança de 8 anos, que queimou a perna. A PM vai ficar no local até o último ocupante sair

  • PorAdriano Kotsan
  • 23/10/2008 14:16
Mulheres e crianças ficaram à frente das barreiras, para tentar impedir a entrada dos policiais no terreno | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Mulheres e crianças ficaram à frente das barreiras, para tentar impedir a entrada dos policiais no terreno| Foto: Albari Rosa/Gazeta do Povo

A PM usou bombas de efeito moral e balas de borracha para dispersar os manifestantes

  • Houve um princípio de confronto entre os manifestantes e a polícia

O saldo da reintegração de posse em um terreno invadido no bairro Fazendinha, nesta quinta-feira (23), em Curitiba, foi de três pessoas presas e ao menos quatro feridas. Entre os machucados está um menino de 8 anos, que teve uma queimadura na perna. Duas pessoas foram presas por porte ilegal de armas e uma por desacato à autoridade. OAB Paraná abriu um processo administrativo para apurar a ação.

"A operação foi melhor do que imaginávamos, houve apenas um início de confronto", afirmou o coronel Carlos Alexandre Scheremeta, Comandante do Policiamento da Capital (CPC). A Polícia Militar (PM) continua no local, acompanhando a reintegração de posse do terreno. Algumas famílias ainda retiravam os pertences do local por volta das 16h30, mas, de acordo com o coronel, "a reintegração corre de forma pacífica". O comandante garantiu que a PM vai ficar no local até que a área esteja totalmente desocupada.

"É um processo lento (a reintegração), mas temos toda uma logística para atender a situação. Vamos continuar lá até o último ocupante sair", afirmou Scheremeta. A polícia acredita que isso deva acontecer até sábado (25). "Acreditamos que até amanhã (sexta-feira, 24) a situação de reintegração esteja bem avançada", disse o comandante.

Clima tenso

Durante a manhã, a situação ficou tensa no início da reintegração de posse. Os ocupantes montaram uma barreira com pneus queimados e fecharam toda a entrada do terreno pelas ruas João Dembinski e Mário José Zancanaro. Mulheres e crianças ficaram paradas logo em frente ao bloqueio. Moradores da ocupação afirmam que iniciaram a montagem das barreiras porque perto das 5h duas viaturas da Ronda Ostensiva Tático Móvel (Rotam) teriam passado pelo local.

A PM usou balas de borracha e bombas de efeito moral para dispersar os manifestantes. Pelo menos quatro pessoas ficaram feridas, queimadas ou atingidas por balas de borracha, entre elas um cinegrafista de televisão e uma criança de 8 anos, que sofreu uma queimadura na perna. Ambulâncias do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) estiveram no local para o socorro. O menino foi levado para o Hospital Evangélico, onde recebeu atendimento. Ele teve alta por volta do meio-dia. A criança foi levada ao hospital junto com uma mulher, de 38 anos, que levou um tiro de bala de borracha no tornozelo. A mulher também já recebeu alta.

De acordo com a coordenadora da União Nacional por Moradia Popular, Maria das Graças, por volta das 16 horas ainda havia bastante gente no terreno invadido. Ela não soube explicar para onde as pessoas estão indo após deixarem o terreno. Segundo o comandante Scheremeta, muitos que estavam no local já têm cadastro junto a Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab). O comandante disse, porém, que alguns dos invasores foram cooptados por empresários da região para participarem da ocupação.

"Há especulação imobiliária, a área é boa e algumas pessoas tentaram tirar proveito disso", explicou. A polícia vai manter uma vigilância sobre o terreno, que é de propriedade da empresa Varuna Empreendimentos Imobiliários. "A empresa já tomou medidas para cercar o ambiente", definiu Scheremeta. Aproximadamente 1.200 policiais participaram da reintegração de posse pela manhã.

Investigação

A Comissão de Direitos Humanos da OAB Paraná abriu um processo administrativo para apurar todos os fatos, desde a ocupação da área no Fazendinha, até a reintegração de posse desta quinta-feira (23). Representantes das famílias sem-teto devem ser chamados a prestar depoimentos na OAB.

"A OAB vai fazer todas as verificações possíveis e exigir das autoridades as providências necessárias para resolver esse grave problema social", disse Cléverson Marinho Teixeira, presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, por meio de nota oficial.

Invasão

No dia 6 de setembro, cerca de 600 famílias ocuparam e montaram barracas no terreno. Dez dias depois, a invasão já contava com aproximadamente 1,5 mil famílias, ou cerca de 6 mil pessoas. O local também ganhou ligações irregulares de energia elétrica, pequenas casas de madeira e até um escritório de advocacia.

A Varuna conseguiu, no dia 15 de setembro, uma ordem de reintegração de posse da área de aproximadamente 170 mil metros quadrados. A juíza Julia Maria Tesseroli determinou um prazo de cinco dias para que todos os acampados se retirassem voluntariamente do terreno, mas a ordem não foi cumprida. Com isso, a Justiça deu ordem para reintegração de posse.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.