i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Discussão não pacificada

O que o uso medicinal da maconha e da cloroquina têm em comum e por que você deveria se preocupar

  • Brasília
  • 15/10/2020 10:29
Uso medicional da maconha gera polêmica
| Foto: Unsplash

O grande argumento em favor da utilização medicinal de substâncias da maconha, como o canabidiol, é o de que outros medicamentos não atenderiam a quadros severos/refratários de determinadas patologias. E, portanto, este e outros elementos da planta poderiam ser uma alternativa não apenas aceitável, mas também como uma espécie de panaceia. Em geral, as doenças para as quais mais se defende o uso da droga são as epilepsias refratárias.

Por outro lado, durante a pandemia, o uso da cloroquina e da hidroxicloroquina emergiu como potencial terapêutico contra a Covid-19. Seus efeitos não são indiscutivelmente consolidados, embora pesquisas indiquem que podem haver bons resultados. É necessário reconhecer também que a discussão sobre o tema foi tão longe que acabou virando palco para debate político-partidário, e por diversas vezes se distanciou dos achados científicos.

Mas essas substâncias se tratam ou não de medicamentos para os quais não há, ainda, pacificação na ciência e cujos efeitos podem ser danosos?

Se comparada à maconha, a cloroquina e a hidroxicloroquina têm mais argumentos a seu favor: são usadas há mais de 40 anos no Brasil de forma bem-sucedida no tratamento de doenças como malária e lúpus. A narrativa sobre seus efeitos colaterais, porém, é contraditória. Alguns médicos falam de danos no coração que podem causar arritmia e miopatia, enquanto outros consideram que seus efeitos colaterais são raros, como o presidente da Sociedade Brasileira de Clínica Médica, Antônio Carlos Lopes. O que não está mesmo comprovado é se esses remédios de fato têm algum efeito positivo no combate à Covid-19.

Quanto à maconha, há de se entender, em um primeiro momento, duas importantes questões: o uso da Cannabis na medicina não é consenso entre os pesquisadores, porque não há evidências científicas consolidadas, faltam pesquisas. No máximo, o que se sabe, até agora, é que a resposta terapêutica ao uso do canabidiol, em que pese exista, é considerada "modesta". Restam perguntas não respondidas e lacunas de dados, em especial sobre a toxicidade dos componentes da maconha.

Além disso, existem outros medicamentos cuja eficácia e benefícios já foram comprovados pela ciência, após um longo caminho de pesquisas e testes. Isso nos leva à discussão sobre o motivo pelo qual o plantio e o uso da maconha têm sido defendidos quase que de forma panfletária, sem qualquer ressalva.

O assunto é discutido na Câmara dos Deputados, onde tramita um projeto de lei que permite, em larga escala, o cultivo, produção e venda de medicamentos e produtos não medicinais à base de Cannabis. Interlocutores apontam que o contexto de pandemia impossibilita uma discussão mais aprofundada sobre o tema. Críticos à proposta também afirmam que parlamentares estão se utilizando da circunstância na tentativa de aprovar o texto às pressas.

O que dizem as pesquisas sobre canabidiol

Há uma série de anticonvulsivantes e antiepiléticos úteis, cuja eficácia já foi, mundo afora, comprovada por órgãos reguladores para o tratamento de pessoas que apresentam crises convulsivas, das mais "simples" às refratárias. Para cada tipo de crise, além disso, existe um perfil de medicamento mais apropriado - o que também pode variar de pessoa para pessoa.

Estudo publicado pela Sociedade Brasileira de Pediatria revela que, para cada tipo de síndrome epilética, há medicamentos mais indicados, com melhores resultados terapêuticos. A pesquisa fala em pelo menos 16 tratamentos possíveis. Documento recente do Ministério da Saúde também cita vários medicamentos usados para o controle das crises convulsivas mais indicados do que o canabidiol.

Espécie de Anvisa dos EUA, o Food and Drug Administration (FDA), por exemplo, indica tratamentos como a "estimulação do nervo vago" para casos refratários. "Em sua porção cervical esquerda por meio de eletrodo implantável é uma terapia aprovada pelo FDA para epilepsia refratária de início focal em indivíduos acima de 12 anos", sugere.

No Brasil, esse tratamento foi aprovado pela Anvisa em 2000, para pacientes com diagnóstico há mais de dois anos, de epilepsia refratária, focal ou generalizada. Outra opção sugerida pela FDA é a chamada "dieta cetogênica", "indicada para pacientes desde a infância até a fase adulta com epilepsia  refratária".

Mesmo com a insuficiência de resultados de pesquisas, o uso da Cannabis começou a ser cogitado de forma chamada "compassiva" por parte das entidades médicas como o Conselho Federal de Medicina (CFM), e para casos nos quais todo o "arsenal" de medicamentos já consolidados não apresentou efeito. Na prática, isso acaba por restringir muito o número de pessoas que realmente precisaria fazer uso da planta - embora grupos promovam a ideia de que ela serve para uma gama de coisas.

Na contramão, em sua proposta, o deputado Luciano Ducci, autor do PL que propõe à legalização do cultivo da maconha no país, fala em uso "irrestrito" da planta para o tratamento de doenças. Segundo ele, médicos devem ter liberdade de receitarem como entenderem conveniente.

"O canabidiol não deve ser utilizado como medicação de primeira escolha para tratamento de epilepsia. Ele, inclusive, não deve ser utilizado como monoterapia, e sim como tratamento adjuvante", explica o Quirino Cordeiro Jr., médico psiquiatra e hoje secretário no governo. "Exemplo do uso: quando se entra com um antiepilético e ele não surtiu muito efeito".

Médicos que pediram para não ter sua identificação revelada afirmaram à reportagem receber inúmeros pacientes que vão aos seus consultórios solicitando receitas para o uso medicinal da maconha. "Muitos pacientes cujo quadro está normal e outros que utilizam medicamentos que estão surtindo efeito pedem para mudar para o canabidiol", conta.

"Não deveria existir essa situação de alguém procurar médico buscando tratamento com canabidiol já de primeira, sem utilizar outros medicamentos". 

Quirino Cordeiro Jr.

Grupos que atuam na sociedade civil, como o "Mães jardineiras" e "Advocacia", estariam a instruir pacientes nesse sentido, apontam os interlocutores.

Por esse tipo de influência, há o apelo - em larga escala e sem bases científicas - de que a maconha seria benéfica para patologias das mais diferentes naturezas, como câncer, depressão e, até mesmo, contra os danos causados pelo coronavírus. Essa influência vai ainda mais longe, pois há quem sugira que componentes da maconha como o THC, responsável por danos cerebrais e efeitos psicóticos, são eficazes para o tratamento de doenças.

Para Cordeiro Jr., há muita especulação e, no máximo, pesquisas em modelo in vitro. "Há várias etapas de estudo. Se tem resultado positivo em um modelo in vitro, é uma boa notícia, mas é só um primeiro passo", diz. "Mas isso se tornou algo panfletário".

Qual o perigo disso?

A possibilidade de danos para a saúde com o uso de medicamentos sem comprovação não é fato para o qual todos atentam. Sem entrar em mérito de discussão político-partidária ou ideológica, promover essas ideias de maneira panfletária, como fazem muitos, é significativamente perigoso.

Vale lembrar do fatídico episódio da chamada "pílula do câncer" - a fosfoetanolamina - e do frisson pelo tratamento. Casos como esse são de potencial perigo ao passo em que promovem um fenômeno de redução de percepção de risco.

"Se a sociedade fica o tempo inteiro sendo bombardeada com informações falsas que não têm respaldo científico, como a de que pode-se utilizar maconha para o tratamento de Alzheimer e de que isso vai ser muito bom, isso pode desincentivar a procura por tratamentos que realmente são comprovados e que têm eficácia".

Quirino Cordeiro Jr.

O secretário ainda acrescenta: "pacientes e outros consumidores podem ser influenciados a não usar terapias comprovadas cientificamente para tratar doenças graves e até fatais. Tais pessoas podem ser levadas a usar produtos que não lhes trarão benefícios terapêuticos, agravando, assim, seus quadros clínicos".

A frente de pressão pode vir por parte de grupos bem intencionados ou por, como afirmam os críticos à propostas de legalização do cultivo da cannabis, lobby que, em última instância, estariam interessados na saúde dos pacientes. Segundo Ducci, indicadores financeiros falam em um universo de U$ 166 bilhões circulando no mundo em relação a esse mercado.

"Não sou contra a criação de um novo mercado, do ganho da indústria. O problema é criarmos um mercado consumidor que pode causar dano para pessoas, para pacientes e para todo o conjunto social. Na verdade, é mercado que seria para poucos ganharem dinheiro, em desfavor do interesse da maioria das pessoas".

Quirino Cordeiro Jr.

Outros perigos possíveis: "em decorrência do grande movimento internacional em favor da flexibilização do pretenso uso terapêutico da Cannabis e substâncias relacionadas (na imensa maioria das vezes totalmente desprovido de embasamento científico), em alguns estados americanos e países europeus, houve uma proliferação de produtos alimentícios, de saúde e cosméticos, que afirmam conter canabidiol e outros derivados da cannabis para usos terapêuticos ou médicos. Tal situação coloca os consumidores em risco, pois esses produtos, na imensa maioria das vezes, não provaram ser seguros ou eficazes".

35 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 35 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • P

    Paulo H.

    ± 10 horas

    PEGADINHA NA GAZETA DO POVO! Se alguém ainda não entendeu a pegadinha basta substituir a palavra "cloroquina" (logo no título) por qualquer outra droga "sem comprovação científica". Sim, há aos montes. Pode substituir tbm por qualquer outra questão científica pendente de confirmação. Como qualquer néscio sabe, a "ausência de comprovação", ou ausência de comprovação cabal, é algo comum e ordinário no campo científico (e mesmo na vida em geral), ou seja, ESTE NÃO É UM TRAÇO QUE IMPLIQUE QUALQUER SEMELHANÇA entre duas coisas. E a pegadinha aqui está em que o artigo TENTA ATRIBUIR RELEVÂNCIA a um dado irrelevante em termos comparativos, a fim de FORJAR uma semelhança inexistente.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • F

    Fernando Maybach

    ± 12 horas

    Quantas pessoas no mundo tem epilepsia? Pouquíssimas, se comparado com Diabetes ou Pressão Alta . Epilepsia está longe de ser uma doença de grande prevalência . O que todos usuários de canabbis desejam é usar sua droga para efeito recreativo , assim como é feito com o álcool . Então , está história de maconha medicinal é cortina de fumaça pois o que importa mesmo é sua comercialização em grande escala para os usuários e isto não tem nada a ver com epilepsia .

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    tadeu scussel

    ± 12 horas

    idiotas tendenciosos deveriam ser impedidos de se manifestarem em jornais de grande público

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    1 Respostas
    • E

      Eduardo Prestes

      ± 11 horas

      E quem decide isso ? Você ? A esquerda ? O Ministério da Verdade ? Ou há liberdade de expressão ou censura ...

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • S

    Sandro Guimarães Viveiros Rosa

    ± 12 horas

    Matéria ridícula meramente baseada em opinião contrária sobre a maconha. Não se trata da planta e não do uso como droga de abuso. Um medicamente tecnicamente elaborado e cientificamente desenvolvido com testes clínicos possui suas margens de segurança e eficácia, independente da origem, animal ou vegetal. E quanto maior o arsenal terapêutico para qualquer profissional de saúde, melhor. Esse tipo de matéria tenta pausar uma pesquisa sobre uma planta com uma série de leis e medidas que só trazem regresso ao desenvolvimento farmacêutico. O estudo dos efeitos da maconha são importantes como o de qualquer outra fonte de pesquisa para medicamentos. A gazeta falha nessas opiniões conservadoras.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    5 Respostas
    • E

      Eduardo Prestes

      ± 11 horas

      Milhões de pessoas já foram vítimas da maconha (câncer, doenças mentais) ... As sequelas para consumidores de longa data são evidentes. Defendo a liberdade de escolha das pessoas, mas dizer que maconha não pode fazer mal é mentira.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • F

      Fernanda

      ± 11 horas

      Injustus: contrariam a ciencia ? as pesquisas citadas então são artigos de opinião? e vc já colocou a maconha em um tubo de ensaio e teve todas as respostas q vc ta falando?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • I

      Injustus

      ± 11 horas

      A matéria é medieval. Me admira muito a Gazeta da espaço pra fanáticos religiosos e opiniões que contrariam a ciência. A maconha é uma planta cujos derivados resultam em medicamentos revolucionários e que trazem benefícios a milhares de pessoas que sofrem. Mas os fanáticos só conseguem enxergar a droga e seus usuários recreativos. Maldita ignorância. Essa gente, se deixassem, ainda estariam levando “bruxas” à fogueira como em Salém.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • A

      Adriano

      ± 12 horas

      Perdão, uma coisa é pesquisar, outra liberar o plantio.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • A

      Adriano

      ± 12 horas

      Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Injustus

    ± 13 horas

    Matéria absurda e que só desinforma. O Canabidiol é tratado de forma rasteira. Esse derivado da maconha tem salvado inúmeras crianças autistas de um sofrimento atroz. Graças ao Canabidiol os autistas tem encontrado qualidade de vida. É só entrar no site Abrace Esperança e se informar. O artigo é malevolo, ignorante, parcial e só desinforma. Visão ordinária sobre um remédio que salva. Lamentável!

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    7 Respostas
    • I

      Injustus

      ± 0 minutos

      Fernanda: Isso mostra o quanto vc é desinformada. É ÓBVIO que quando procuramos o Canabidiol é porque os médicos de nossos filhos já esgotaram o repertório de drogas pesadas que não deram resultado. Pelo contrário, seus efeitos colaterais foram muitas vezes devastadores. Fico irritado com a ignorância das pessoas a respeito do assunto. Demonizaram os remédios derivados da maconha simplesmente porque a planta representa vicio social. É o fim da picada.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • F

      F.Neto

      ± 10 horas

      Injustus: sinto pelo seu filho. Que ele tenha acesso a toda medicação que precisar. Mas alivia um pouco na raiva pois asdim vc não desperta empatia.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • F

      Fernanda

      ± 11 horas

      Injustus: mas vc já testou todos os outros medicamentos possíveis antes de dar cannabis? Essa é que é a questão meu amigo . voce pesquisou todos os outros medicamentos e tem certeza absoluta de que nenhum outros funciona além da maconha??

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • I

      Injustus

      ± 11 horas

      Aquiles Grabarski: Essa sua resposta é a maior ignorância que já vi na vida. Vc não sabe de nada, néscio. Meu filho já toma 3 drogas por causa do autismo. O Canabidiol, seu ignorante, poderá, se der certo, substui-los. Vai estudar e se informar antes de despejar um esgoto como resposta.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • A

      Aquiles Grabarski

      ± 12 horas

      Injustus: para aliviar a dor existem muito analgésicos, alguns são além eficientes, são baratos e seguros, como por exemplo o paracetamol que pode ser comprado em todas as farmácias e ate adquirido de maneira gratuita no SUS. Sugiro que ame mais o seu filho e pare de drogar o mesmo. A ignorância é o maior mal da humanidade.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • I

      Injustus

      ± 12 horas

      Fernanda: Se informe antes de dar esse tipo de resposta. “Salvar” está no sentido de aliviar as dores, as esterotipias e o sofrimento de crianças e pessoas especiais que encontram no Canabidiol seu único refúgio. Não seja insensível. Sou pai de um autista e sei do que falo. A ignorância é o maior mal da humanidade.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • F

      Fernanda

      ± 13 horas

      seu comentário prova ao dizer que o "remédio salva" que a maconha é vista como panacéia mesmo .

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    Marcos

    ± 13 horas

    A comparação entre a maconha como medicação, na estrada do canabidiol e o uso da hidroxicloroquina é uma falácia lógica. A maconha é droga e não deveria estar na pauta da saúde, faz parte do arsenal de morte do tráfico, está a serviço da morte. A hidroxicloroquina, coitada, foi pega em cheio pela manipulação política da pandemia. A decisão individual do médico de atuar no seu dever de trabalhar pela vida, compartilhando a sua decisão de forma responsável com o paciente, que tem o direito de escolha em receber um tratamento que pode ajudá-lo, foi tomada de assalto pela invasão ideológica-política do uso da Hidroxicloroquina neste caso. Lamentável.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Intruso

    ± 14 horas

    De mais a mais, maconha se encontra com muito mais facilidade para compra do que pão.. E O Q RESOLVE O TAL PROIBICIONISMO, SENÃO PARA MANTER O MONOPÓLIO NAS MÃOS DO OCULTOS..???

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • I

    Intruso

    ± 14 horas

    Sem maiores delongas, mi mi mi e nhem nhem nhem sigamos os conceitos e visão, como política, praticados no Canadá, EUA e outras nações MUITO MAIS CIVILIZADAS q a nossa. Os interesses escusos dominantes ñ permitem pensamentos independentes, autônomos. De forma q a população fica mais confusa do q esclarecida..

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • J

    JOSE Z. NETO

    ± 14 horas

    Quem usa maconha de forma recreativa são pessoas que não conseguem suportar a realidade nua e crua da vida, gente fraca. Com o tempo se viciam e a usam para viver em um mundo ilusório. Maconha antes de tudo é uma droga que altera a percepção da realidade. Aos poucos estas pessoas se tornam presas fáceis de traficantes . A legalização da maconha é tudo que a esquerda quer para destruir a família, e desconstruir a relação entre país e filhos. O fato de legalizar uma droga não irá transforma-la em algo bom, maconha é um alucinógeno e ponto final. Quem a usa de forma recreativa precisa de ajuda médica e psiquiátrica.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    Thiago

    ± 15 horas

    Em um aspécto há uma relação entre maconha e cloroquina, que este texto não mencionou. As alternativas propostas por quem recusa a cloroquina são muito mais caras do que o remédio que pretendem substituir. No caso da maconha tmb, os remédios que visam substituir a planta e cuja principal virtude comparativa é não produzir prazer saem muito mais caro para os pacientes. Há muito lucro para a indústria farmaceutica em negar a eficácia terapêutica de ambas, e pouco em admiti-la. Isso não prova que a maconha é eficaz como medicamento (e/ou a cloroquina) mas certamente é um dado de realidade a ser levado em conta.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • T

    TOATOA

    ± 15 horas

    A Maconha foi deixada por Deus.É UM SANTO REMÉDIO.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    Lúcio Domício

    ± 16 horas

    Ótimo texto sobre a maconha. Mas o título mencionando a cloroquina foi ruim, pois criou uma comparação que não existe. Todo texto fala uma verdade (que a maconha é uma panacéia) mas no próprio corpo do texto há a ressalva de que há evidências do benefício da Cloroquina. Cloroquina não é uma panacéia, já que a indicação que surgiu dos estudos é bem precisa (uso nos primeiros dias de sintoma; não usar em casos que agravaram para internação). Ou seja, o corpo do texto é bom e coerente, mas o título é ruim.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • L

    LEONARDO RIBAS GOMES

    ± 16 horas

    La vem a Gazeta mentir e mentir sobre a maconha para tentar barrar o invevitavel. Sua legalização. Se a cloroquina é usada a 40 anos, a maconha é MILENAR. Temos receptores no corpo, mesmo vc lendo que odeia maconha, para CBD e THC. Uma sinergia com essa planta para ser usada em diversas aplicações médicas ou não. A hipocrisia da Gazeta do Povo chega ao limite nessas reportagens falsas. Mandem um reportes para Israel ver a legalização por la. Acordem dessa religião tacanha que cegam pessoas inteligentes dentro de um dogma sem sentido

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • A

      Adriano

      ± 11 horas

      Maconha milenar, kkkk boas risadas aqui.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • C

      Clarisier Azevedo Cavalcante de Morais

      ± 15 horas

      Cloroquina não desencadeia esquizofrenia em mentes jovens

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • N

    NH4NO3

    ± 20 horas

    Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    3 Respostas
    • I

      IvoHM

      ± 14 horas

      O DJANHO3 fica fumando uns oréganos estragados e depois vem nos brindar com suas inestimáveis pérolas.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • R

      RPM

      ± 15 horas

      Esse comentário foi removido por não estar de acordo com os Termos de Uso.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • C

      Clarisier Azevedo Cavalcante de Morais

      ± 15 horas

      A cloroquina seria para uso nos casos indicados e mediante recomendação médica. Creio que os demais usos quem o sugere pode fazer. Com o que quiser

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • G

    Guilherme

    ± 22 horas

    Matéria e entrevista esclarecedora do doutor Quirino Cordeiro, da SENAPRED. Uma das brechas do projeto de lei 399/15 - que foi amplamente alargado nesta pandemia - está no artigo 20. A possibilitar produtos com alta concentração de tetrahidrocanabinol e em qualquer "formato farmacêutico": balas, chocolates, pirulitos, bebidas.... Afora o perigo que será o narcoagro pelo país afora (artigo 6o.) - com o plantio de Cannabis. O CONESD-PR deu exemplo a ser seguido ao dizer não ao PL 399/15. E não se trata de negar acesso a saúde de quem precisa. A Resolução 327/2019 da Anvisa cumpre o papel regulador da produção e comercialização de produtos que contenham derivados da Cannabis - seguindo a C.F.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    2 Respostas
    • L

      Lúcio Domício

      ± 16 horas

      NH4NO3: vender é diferente de funcionar. opinião sobre a maconha tão rasa quanto a sua opinião sobre a Cloroquina

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • N

      NH4NO3

      ± 20 horas

      Na terra da Rainha Elizabeth se vendem vários produtos com o princípio ativo da maconha. Conservadores.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

Fim dos comentários.