i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
lava jato

Câmara pagou R$ 55 mil para ex-deputado visitar doleiro da Lava Jato

Segundo a Procuradoria da República, as visitas tiveram ‘finalidade exclusivamente particular e ilícita’

    • Estadão Conteúdo
    • 15/05/2015 20:00
    De acordo com dados apresentados pela Procuradoria da República, o valor foi reembolsado pela Câmara dos Deputados. | Albari Rosa/gazeta do povo
    De acordo com dados apresentados pela Procuradoria da República, o valor foi reembolsado pela Câmara dos Deputados.| Foto: Albari Rosa/gazeta do povo

    Na denúncia apresentada à Justiça contra o ex-deputado Luiz Argolo (afastado, SD-BA), preso preventivamente na Operação Lava Jato, na quinta-feira, 14, o Ministério Público Federal aponta que o ex-parlamentar usou recursos públicos para pagar visitas ao escritório do doleiro Alberto Youssef. Entre 10 de fevereiro de 2011 e 18 de fevereiro de 2014, menos de um mês antes da prisão de Youssef pela Lava Jato, Argôlo usou R$ 55.192,42 de sua Cota para Exercício da Atividade Parlamentar (CEAP) para custear 93 voos a São Paulo.

    De acordo com dados apresentados pela Procuradoria da República, o valor foi reembolsado pela Câmara dos Deputados. O doleiro, um dos delatores do esquema de corrupção e propina instalado na Petrobrás e desbaratado pela força-tarefa da Lava Jato, tinha dois escritórios no bairro do Itaim Bibi, região de luxo de São Paulo.

    “Neste período, o denunciado Luiz Argôlo visitou os escritórios de Alberto Youssef por ao menos 78 vezes”, diz um trecho da denúncia. “Realizado o cruzamento entre as datas das passagens aéreas de ida e retorno a São Paulo pagas com recursos públicos e as datas e horários das visitas aos escritórios, verificou-se que, em ao menos 12 oportunidades em que visitou os escritórios de Alberto Youssef, Luiz Argolo chegou e saiu de São Paulo no mesmo dia; em outras 19 oportunidades, pernoitou em São Paulo por apenas uma noite, e em outras 9 visitas, pernoitou por mais de uma noite em São Paulo, totalizando 40 visitas que foram custeadas com recursos da Câmara dos Deputados.”

    Segundo a Procuradoria da República, as visitas tiveram ‘finalidade exclusivamente particular e ilícita’. O objetivo seria ‘a solicitação e o recebimento de vantagens indevidas, e portanto tinham finalidades absolutamente alheias à execução do mandato parlamentar, além de obviamente ilícitas’.

    Em entrevista, o procurador Paulo Roberto Galvão afirmou que Luiz Argôlo passou a ser quase sócio nos negócios ilícitos e a ter favorecimentos nos repasses do PP. O ex-deputado foi denunciado pela prática de 10 atos de corrupção e 93 atos de peculato.

    Argôlo e os ex-deputados Pedro Corrêa (PP-PE) e André Vargas foram presos pela Polícia Federal no início de abril. No início desta semana, a PF concluiu os inquéritos sobre a conduta dos ex-parlamentares e os indiciou pelos crimes de corrupção, fraude a licitações, lavagem de dinheiro, organização criminosa e outros delitos. Aline Corrêa (PP-PE), filha de Pedro Corrêa, também foi indiciada.

    O advogado de Luiz Argôlo, Pedro Ricardo Scavuzzi, informou que só vai se manifestar após ler a denúncia.

    Deixe sua opinião
    Use este espaço apenas para a comunicação de erros
    Máximo de 700 caracteres [0]

      Receba Nossas Notícias

      Receba nossas newsletters

      Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

      Receba nossas notícias no celular

      WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

      Comentários [ 0 ]

      O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.