Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Para entrar em vigor, o projeto de lei tem de ser sancionado pelo prefeito. A redução salarial ocorreu após ampla manifestação e pressão popular. | /
Para entrar em vigor, o projeto de lei tem de ser sancionado pelo prefeito. A redução salarial ocorreu após ampla manifestação e pressão popular.| Foto: /

A Câmara de São Mateus do Sul, a 160 km de Curitiba, no Sul do Paraná, aprovou na segunda-feira (5) a redução dos salários do prefeito, vice, secretários municipais e dos vereadores a partir de 2017. O projeto, que passou em segunda votação, reduz os salários dos vereadores de R$ 6.210 para R$ 800; do prefeito, de R$ 21,1 mil para R$ 10 mil; do vice-prefeito e dos secretários, de R$ 6,7 mil para R$ 3 mil.

Para entrar em vigor, o projeto de lei tem de ser sancionado pelo prefeito. A redução salarial ocorreu após ampla manifestação e pressão popular. No fim de agosto, os vereadores pretendiam promover o reajuste dos atuais salários em 8,41% para os parlamentares. Mais de mil pessoas lotaram a Câmara e seu entorno, motivando a desistência do aumento, a retirada do projeto e a apresentação de uma nova proposta, agora para reduzir salários. Na votação foram cinco votos favoráveis e três contra.

Exemplo na região

Um dos organizadores da manifestação Emmanuel de Lima Maciel, acredita que o movimento serve de exemplo para a região. Cidades próximas de São Mateus do Sul, como Mallet,São João do Triunfo, União da Vitória e Irati têm movimentos semelhantes.

Sobre a vitória desta noite, Maciel conta que o grupo tentou estabelecer diálogo com os vereadores. “Mas nunca fomos ouvidos”, reclama. A partir daí, os moradores da cidade se mobilizaram e conseguiram a vitória na pressão. No entanto, conta Emmanuel de Lima, o alvo do grupo era apenas o salário dos vereadores e não do Executivo. “E em nenhum momento nós a gente fixou o valor. Foram os próprios vereadores”, conta. “Sem dúvida, valeu a pena”, comemora.

Lei

O projeto de lei que possibilitou a redução dos salários foi assinada pela mesa diretora da Câmara. De acordo com o presidente do Legislativo local, Enéas Jeferson Melnisk (PPS), o projeto nasceu da vontade popular. “Tava na hora de tomar uma decisão rápida como essa”, diz.

O presidente afirma que os novos valores passarão por prova de fogo. De acordo com Melnisk, só o tempo vai dizer se o projeto aprovado foi bom ou não. A Câmara de Vereadores de São Mateus do Sul não tem diárias, nem carro, celular corporativo ou sede própria. Ao todo, nove servidores trabalham na Câmara.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]