i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Roberto Indech

Foto de perfil de Roberto Indech
Ver perfil
Vozes

Renda variável segue como melhor aplicação de 2019; e 2020?

  • PorRoberto Indech
  • 02/12/2019 18:17
Renda variável segue como melhor aplicação de 2019; e 2020?
| Foto: BigStock

Com novembro encerrado, as aplicações em ativos de renda variável (como ações, fundos imobiliários e até o dólar) seguem com as melhores rentabilidades no país - não apenas no mês, mas no ano como um todo. O Ibovespa - principal índice da bolsa brasileira - fechou novembro com retorno positivo de 0,53%.

O cenário se repete em diversos subíndices. O Small Cap (composto por empresas de menor capitalização) avançou 4,7% no mês e atingiu a marca de 36% no ano. O IDIV (indicador do desempenho médio das cotações dos ativos que se destacaram em termos de remuneração aos investidores - sob a forma de dividendos e juros sobre o capital próprio) também avançou: 1,93%, apresentando alta de 28,1% no ano. O IFIX (indicador do desempenho médio das cotações dos fundos imobiliários negociados nos mercados de bolsa e de balcão organizado da B3) também seguiu a tendência positiva dos meses anteriores e subiu 3,1% no mês e 19,3% em 2019 até aqui.

Por outro lado, no segmento de renda fixa, com a queda da taxa de juros, o Tesouro Selic rendeu apenas 0,38% e a poupança apresentou rentabilidade pífia de 0,29% no mês. Com a perspectiva de novo corte pelo Comitê de Política Monetária (Copom) neste mês, com a Selic passando para taxa de 4,5% ao ano, esses números tendem a ser ainda menores ao longo dos próximos meses.

Por fim, o dólar, considerado por alguns como aplicação financeira, apresentou o maior movimento em novembro e fechou com alta de 5,1%. Quando cito que apenas alguns adotam essa classificação para a moeda norte-americana é pelo fato de que esse retorno pertence apenas àqueles que possuem reserva em moedas. Já os que aplicam em fundos cambiais não necessariamente tiveram o mesmo rendimento, dadas as taxas e a composição dos fundos, que em grande parte não é formada 100% por dólares.

Dessa forma, o que se vê é que a bolsa nacional deverá fechar no azul pelo quarto ano consecutivo - a não ser que algum fato relevante e grave possa estourar uma crise nas próximas semanas. Como se trata do mercado de renda variável tudo é possível, mas a probabilidade de ocorrer é irrisória no curtíssimo prazo.

Para se ter ideia, o Ibovespa encerrou 2016 com alta de 38,9%; em 2017 o número foi de 26,9%; 15% em 2018 e 2019 está positivo em 23,2%. Sendo assim, nos últimos 48 meses o retorno é de 136%! Mesmo com essa performance e com as perspectivas de juros baixos no cenário econômico, tenho visto e lido sobre o ceticismo de aplicar no mercado de ações.

Oras, se realizado com objetivo, clareza, disciplina e pequeno capital, não há razão para tamanho alarde. No entanto, ainda vivemos, em parte, no mundo daqueles que desejam ganhar o tal 1% ao mês em aplicações conservadoras. É por essa razão que tenho falado tanto em um um choque cultural que devemos ver apenas com o tempo no nosso país. Por enquanto, é obrigação de todo analista ou especialista de finanças seguir informando com imparcialidade e recomendando ativos de acordo com o perfil pessoal de cada um.

É hora de pensar 2020

E por falar em sugestões de alocação de investimentos, dezembro é um dos melhores momentos, na minha visão, para estudar o cenário e suas perspectivas. No horizonte, vale destaque para a expectativa da permanência da taxa Selic em 4,5% ao longo de todo 2020 e de uma maior previsibilidade para a economia do país. Por outro lado, há um cenário externo cheio de emoções (em especial com a guerra comercial em curso e as eleições presidenciais nos EUA) e será necessário acompanhar seus desdobramentos no dia a dia, mensurando seus impactos nos países emergentes, entre eles o Brasil.

No mais, serão divulgadas -agora em dezembro- dezenas de cartas, vídeos e outros conteúdos nas redes sociais sobre as expectativas para 2020. Como em todos os anos, veremos análises antagônicas, mas sigo com uma visão otimista, dados os bons resultados colhidos nos meses recentes na bolsa brasileira e vejo potencial para o mercado de renda variável seguir positivo no curto e médio prazos.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    Marcos eisenschlag

    ± 0 minutos

    Agora indicar fundos imobiliarios quase no fundo do patamar da taxa de juros Selic e' muita irresponsabilidade. Nao sao muitas as pessoas em jornal de grande circulacao que entendem que com futuros aumentos da taxa de juros Selic o seu titulo imobiliario vai se desvalorizar.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      Marcos eisenschlag

      ± 6 minutos

      Alguns podem nao ver como um "problema cultural", somente percebem o alto risco de aplicar seu capital no pico de cotacao do Bovespa, com uma economia interna ainda reticente e se recuperando lentamente e principalmente com um cenario externo ja' prevendo recessao. Se for entrar agora, tem que ser rapido como um banho gelado. Ou vamos ignorar os sinais da inversao da curva de juros americana, aumento da cotacao do ouro acima da media de dez anos, precos das acoes da bolsa americana superavaliados e o proprio fluxo de investimentos estrangeiros deixando a bolsa brasileira que influenciou no cambio? Por que Roberto voce nao comenta o cenario externo e aborda esses fatores?

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.