PUBLICIDADE
Greve no transporte

Desconto por falta ao trabalho depende do bom senso do empregador

Legislação não especifica critério para ausência em caso de greve no transporte público; advogados falam que situação pode ser enquadrada como caso de força maior

Como a legislação trabalhista brasileira não contempla especificamente qual deve ser o procedimento das empresas em caso de greve no transporte público, cabe às companhias definirem se irão ou não descontar a ausência no trabalho do salário do trabalhador. Advogados orientam que o bom senso deve guiar a decisão.

O artigo 473 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que define os critérios para a falta ao trabalho sem prejuízo de salário, é bastante restritivo ao definir as situações em que o empregado pode se ausentar. A lei trata dos casos de falecimento de parentes, casamento, nascimento de filho, doação de sangue, exigências do serviço militar, realização de exame vestibular e representação sindical.

“Como não existe um regramento específico para esse caso, o que vale é o bom senso entre empregado e empregador”, afirma Ana Paula Araújo Leal Cia, advogada trabalhista do escritório Augusto Prolik. “Não há culpa ou intenção do funcionário de não ir trabalhar. Ele está impossibilitado de se locomover, então o indicado é a busca de um equilíbrio, de um bom senso, inclusive na hipótese de uma ação com o próprio sindicato dos trabalhadores para a compensação dessas horas não trabalhadas.”

Para o advogado trabalhista Edson Cardoso, do escritório Becker, Pizzatto & Advogados Associados, o impedimento de locomoção pode ser caracterizado como motivo de força maior – um acontecimento que independe da vontade do empregado. Nesses casos, as empresas deveriam abonar a falta de quem utiliza ônibus para chegar ao local de trabalho. A regra valeria pelo tempo que durar a greve.

“Se apenas 30% ou 40% da frota de ônibus voltar a circular e o empregado se atrasar para chegar ao trabalho, o empregador também não deve descontar essas horas. Novamente, é um caso de força maior”, afirma Cardoso.

Caso a empresa ofereça um meio alternativo, como um ônibus fretado ou o pagamento da corrida de táxi, os empregados não têm motivo para não comparecer ao trabalho. O mesmo vale para os funcionários que utilizam automóveis – as empresas costumam manter controle dos empregados que utilizam vale-transporte.

Benefícios

No caso dos benefícios, como o vale-alimentação, a empresa também deve usar o bom senso para definir se vai ou não descontar o valor dos dias faltados. De acordo com a legislação, o vale-refeição tem como objetivo permitir que o trabalhador se alimente fora do lar, enquanto está trabalhando, e não precisa ser pago quando o funcionário não comparece ao serviço.

PUBLICIDADE
    • SELECIONADO PELO EDITOR
    • NOTÍCIAS MAIS COMENTADAS
    • QUEM MAIS COMENTOU
    Assine a Gazeta do Povo
    • A Cobertura Mais Completa
      Gazeta do Povo

      A Cobertura Mais Completa

      Assine o plano completo da Gazeta do Povo e receba as edições impressas todos os dias da semana + acesso ilimitado no celular, computador e tablet. Tenha a cobertura mais completa do Paraná com a opinião e credibilidade dos melhores colunistas!

      Tudo isso por apenas

      12x de
      R$49,90

      Assine agora!
    • Experimente o Digital de Graça
      Gazeta do Povo

      Experimente o Digital de Graça!

      Assine agora o plano digital e tenha acesso ilimitado da Gazeta do Povo no aplicativo tablet, celular e computador. E mais: o primeiro mês é gratuito sem qualquer compromisso de continuidade!

      Após o período teste,
      você paga apenas

      R$29,90
      por mês!

      Quero Experimentar
    VOLTAR AO TOPO