Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Economia
  3. Bolsa fecha no maior patamar desde março com fusão de ministérios sob Bolsonaro

mercado financeiro

Bolsa fecha no maior patamar desde março com fusão de ministérios sob Bolsonaro

A alta do Ibovespa foi puxada pelas ações da Petrobras, que avançaram quase 5%, assim como o setor bancário também registrou alta expressiva nesta terça

  • Folhapress
Painéis da B3, em São Paulo. | NELSON ALMEIDA/AFP
Painéis da B3, em São Paulo. NELSON ALMEIDA/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O anúncio dos superministérios do governo de Jair Bolsonaro e a afirmação do novo presidente de que gostaria de ver o atual governo aprovar ainda neste ano a reforma da Previdência levaram a Bolsa brasileira ao maior patamar de fechamento desde março. O dólar encerrou o dia em pequena queda.

O Ibovespa, principal índice acionário do Brasil, avançou 3,69%, a 86.885 pontos. O giro financeiro foi de R$ 20,6 bilhões. No exterior, as Bolsas americanas avançaram mais de 1%, em dia de trégua no exterior.

LEIA TAMBÉM: Roberto Indech: Os fatores que podem prolongar ou acabar com a lua de mel entre Bolsonaro e mercado

A alta do Ibovespa foi puxada pelas ações da Petrobras, que avançaram quase 5%, assim como o setor bancário também registrou alta expressiva nesta terça. A Vivo, que divulgou lucro 160% maior no terceiro trimestre, se valorizou quase 15%.

Durante a tarde, dois dos ministros confirmados de Bolsonaro, Paulo Guedes e Onyx Lorenzoni, afirmaram que o presidente eleito decidiu manter o plano de criar o superministério da Economia, junção de Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio Exterior. A pasta será comandada por Paulo Guedes.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro quer mudar já as regras de aposentadoria. Veja o que está em jogo

Além disso, foi confirmada a junção do ministério da Agricultura com o Meio Ambiente. “Essa fusão dos ministérios, com a Agricultura comendo o Meio Ambiente, e com o superministério da economia, é um sinal bem visto pelo mercado financeiro”, diz José Francisco de Lima Gonçalves, economista-chefe do banco Fator.

O mercado viu também com otimismo a afirmação de Jair Bolsonaro de que trabalharia pela aprovação da reforma da Previdência do governo Temer ainda neste ano. Durante a campanha, Bolsonaro e Lorenzoni disseram que isso não deveria ocorrer.

“Além de reconhecer a importância de se fazer uma reforma rapidamente, o fato [a fala de Bolsonaro] indica uma vitória política do guru econômico Paulo Guedes sobre outro nome importante na equipe de Bolsonaro, o deputado Onyx Lorenzoni, que disse mais de uma vez que é contra aprovar a reforma de Temer ainda em 2018”, escreveu a Guide em relatório.

Para a equipe da XP, a sinalização positiva é o ponto principal. “O comprometimento com a agenda econômica e priorização da mesma é um forte sinal na direção do mercado, mesmo que a execução disso ainda seja complexa em 2018”.

LEIA TAMBÉM: Guedes quer sincronizar abertura comercial à redução de impostos para não prejudicar indústria

Enquanto a Bolsa subiu com força, o dólar teve mais um dia de forte volatilidade, indo da mínima de R$ 3,6790 à máxima de R$ 3,7370. A moeda americana fechou em queda de 0,37%, a R$ 3,6920 – de uma cesta de 24 emergentes, o real foi a segunda que mais ganhou força sobre o dólar.

O mercado acompanhou as declarações de Guedes sobre o uso das reservas internacionais, que somam US$ 380 bilhões. Segundo o jornal Valor Econômico, o futuro ministro da Economia planeja reduzir essas reservas. Nesta terça (30), porém, Guedes negou o plano e disse que elas seriam utilizadas apenas se o dólar chegasse a R$ 5.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE