i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Giovani Ferreira

Ministro de bombacha

  • Porgiovanif@grpcom.com.br
  • 21/08/2011 21:21
 |
| Foto:

Dos paranaenses José Eduardo Andrade Vieira e Reinhold Stephanes a Francisco Turra, Pratini de Moraes e Roberto Rodrigues, nomes que, bem ou mal, se destacaram no comando da pasta nos últimos 15 anos, o Ministério da A­­gri­cultura já passou pelas mãos de técnicos, políticos, banqueiros e empresários. Agora, uma nova experiência. Com a saída de Wagner Rossi, que deixa o posto bombardeado por uma série de denúncias de corrupção, mais uma mudança. Ele é advogado, político, foi secretário de estado e cumpre mandato de deputado federal pelo Rio Grande do Sul. A indicação de Mendes Ribeiro Júnior encheu os gaúchos de alegria. A sociedade organizada daquele estado, em especial as entidades de classe ligadas ao setor, comemoram e fazem suas primeiras reivindicações. E nem poderia ser de outra maneira. Quando os ministros eram do Paraná, a reação do estado não foi diferente.

O que chama a atenção desta vez é qualificação invocada pelo ministro como credenciais à sua nova ocupação. Logo após o governo federal ter confirmado seu nome para assumir o ministério, em uma de suas primeiras entrevistas Mendes Ribeiro revelou habilidades como político e orador, mas não conseguiu convencer como representante legítimo do agronegócio. Pergun­tado sobre sua experiência na agricultura, ele simplesmente respondeu que é do Rio Grande do Sul, como se isso bastasse. Tudo bem que o estado do extremo-sul brasileiro é um dos principais produtores do país, ao lado do Paraná e Mato Grosso. Mas vamos combinar, ministro, que não basta ser gaúcho. Pode até ser um pré-requisito, não uma credencial. Ter informação sobre o setor – o mínimo que se espera de um deputado que representa um estado agrícola – não significa conhecer o setor ministro.

Não vamos confundir as coisas. A escolha mais uma vez adotou critérios políticos, os mesmos que endossaram Rossi e o mantiveram ministro por 18 meses. A Agricultura fica com o PMDB e continua sob a batuta do vice-presidente Michel Temer. Só resta saber se a operação da pasta será conduzida por técnicos ou apadrinhados políticos. O comandante não precisa, necessariamente, ser um especialista. Ele tem é que estar bem assessorado, técnica e juridicamente. No modelo brasileiro, o ministro precisa sim entender de política e gestão, ser ético e estar comprometido com o bem e os interesses púbico e comum. Mais do que o governo, quem precisa de um ministério acima de qualquer suspeita é o agricultor, é o agronegócio e a economia brasileira.

Tenho certeza que o Brasil admira o orgulho que tens de seu estado. Contudo, gaúcho, paranaense ou de onde quer que seja, o que lhe será cobrado, ministro Mendes Ribeiro, é lealdade. Não apenas ao seu partido ou ao governo, mas principalmente, e em primeiro lugar, ao produtor rural brasileiro. Porque esta deve ser a razão de existir do Ministério da Agri­­cultura. E ao senhor está sendo dada a chance e a oportunidade de fazer a diferença, como tantos outros fizeram, mesmo sem ter muita afinidade com o setor. Tivemos casos de ministros que tinham pouca ou nenhuma ligação com a área e que fizeram história. Eram pessoas que tinham vontade, liderança e visão, sabiam ouvir, respeitar e dialogar. Postura que lhes rendeu legitimidade, independente de indicação técnica ou política, referendada ou não pela cadeia produtiva.

O ministério, ministro, virou vitrine. O momento, ministro, é politicamente delicado, mas também de oportunidades. É a sua vez e a sua chance. Não de fazer certo ou errado e sim de fazer as coisas mudarem e acontecerem. Se o senhor acredita que o simples fato de ser do Rio Grande do Sul o credencia para o posto, ótimo, que assim seja. Só não vamos es­­quecer que Jorge Alberto Por­tanova Mendes Ri­­beiro Jú­­nior não mais é o re­­presentante apenas dos gaúchos, mas de todos os brasileiros, que direta ou indiretamente têm suas vidas impactadas pelo agronegócio. O senhor deixa de ser fiscalizado pelos 109.775 eleitores gaúchos que lhe garantiram deputado federal para representar mi­­lhões de brasileiros e um segmento que representa 1/4 do PIB na­­cional.

Compreendes tchê, o tamanho da res­­ponsabilidade?

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.