Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado

A partida entre Atlético e Paraná, no dia 30 de outubro, não será esquecida tão facilmente pela torcedora paranista Narayana Rohn Cardozo, de 15 anos, e por sua família. Na saída do clássico na Arena, a adolescente e o namorado Jefferson Roberto Padilha, 20, foram atingidos por balas de borracha disparadas pela Polícia Militar.

Narayana levou um tiro no olho esquerdo e, quase um mês depois, continua sem enxergar e corre o risco de perder parte da visão. O pai da adolescente, Sérgio B. Cardozo, está muito abalado com a situação da filha e publicou um textopara externar os seus sentimentos.

"Graças a Deus ela é uma menina muito forte. A mãe dela também está agüentando firme essa situação, mas eu estou acabado. Já chorei tudo o que tinha que chorar, não tem como descrever o que estou sentindo", desabafou Cardozo, bastante emocionado e preocupado com o futuro da filha.

A vida da família mudou completamente em decorrência da bala de borracha que atingiu a vista de Narayana. A adolescente vai constantemente ao médico (três vezes por semana) para verificar como está o olho esquerdo. Narayana já passou por uma cirurgia de emergênciano dia 4 de novembro, mas ainda terá que realizar mais duas para voltar a enxergar.

O tratamento exige vários medicamentos e Narayana reclama de fortes dores na cabeça. "Tomo sete ou oito remédios, mas não estão dando muito resultado. Ontem (terça-feira), um colírio foi trocado por outros dois. Na semana passada, senti muitas dores e fui tomar soro no hospital", explicou a adolescente.

Em razão dessas dores, o médico marcou mais uma cirurgia para semana que vem, pois mesmo com os remédios, a pressão do olho esquerdo continua alta. Depois desta terceira cirurgia será reavaliada situação e uma operação definitiva será marcada para poder devolver a visão para a adolescente.

De acordo com o pai da menina, essa intervenção estava marcada para daqui três meses, mas com a operação da próxima semana essa previsão pode ser alterada.

O pai da menina não descarta uma ação judicial contra o PM, mas afirma que nem está pensando nisso ainda. "Até a última cirurgia vamos pensar somente na saúde de Narayana, por isso não fizemos nada até agora. Mas uma ação contra a PM será inevitável."

Investigação

O cabo Cristiano Araújo Pedro, autor do disparo que atingiu o olho esquerdo de Narayana, continua sendo investigado no Inquérito Militar Policial, que analisa se houve um abuso da Polícia Militar. O casal de namorados já foi ouvido no inquérito, mas o prazo final das investigações é somente na metade de dezembro.

Leia o desabafo do pai de Narayana, Sérgio B. Cardozo

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]