i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Artigo

Brasil caiu no ranking de corrupção. Mas cenário tende a melhorar

  • PorLuan Sperandio, especial para a Gazeta do Povo
  • 31/01/2020 15:01
Esse é o quinto recuo seguido na comparação anual e fez com que o país também atingisse sua pior colocação na série histórica do índice.
Esse é o quinto recuo seguido na comparação anual e fez com que o país também atingisse sua pior colocação na série histórica do índice.| Foto: Pixabay

Em 23 de janeiro a ONG Transparência Internacional publicou o Índice de Percepção da Corrupção (IPC) de 2019. O Brasil manteve os 35 pontos obtidos no ano anterior, mas caiu uma posição no ranking de 180 países, ficando no 106.º lugar.

Esse é o quinto recuo seguido na comparação anual e fez com que o país também atingisse sua pior colocação na série histórica do índice, iniciada em 2012. Em 2013, por exemplo, o país ocupou o 69.º lugar. No ranking, que vai de 0 a 100, o 0 representa um país que é percebido como altamente corrupto e 100 significa que o país é percebido como muito íntegro.

Mas observar apenas a posição final do Brasil no ranking pode trazer conclusões erradas sobre o combate à corrupção.

O que é a percepção da corrupção

Na prática, o estudo da Transparência Internacional não se propõe a medir a corrupção, e sim o quanto as pessoas acham que as diversas instituições do país são corruptas.

Ou seja, o IPC não afirma que houve mais ou menos corrupção, ele apenas mede a percepção de pessoas — leigas e especialistas — sobre o quanto esse tipo de desvio ocorreu durante o último ano. A limitação da pesquisa, contudo, está diretamente ligada à própria natureza da corrupção.

Diferente de outros crimes, os efeitos gerados pela corrupção não são imediatos nem deixam vítimas diretas. Um homicídio, por exemplo, resulta no desaparecimento de alguém e, geralmente, no aparecimento de um corpo. Já um escândalo de corrupção pode demorar vários anos para gerar suspeitas, investigações e condenações. Portanto, não há como ter conhecimento imediato de todos os escândalos de corrupção e suas dimensões. É por isso que os estudos trabalham com a ideia de "percepção de corrupção".

Além disso, a Transparência Internacional não produz os próprios dados. Ela apenas agrega informações de outras doze instituições, o que gera uma série de problemas.

O primeiro deles é o próprio entendimento do que é a corrupção. Em uma visão mais econômica, pode-se entender corrupção como “abuso de poder visando benefício próprio”. Já nos aspectos jurídicos, os desvios são caracterizados em tipos penais específicos, como corrupção ativa, corrupção passiva e fraude.

O exemplo mais claro para entender o problema em delimitar o que é corrupção talvez seja a falha na prestação de serviços públicos. Uma escola pode estar sendo mal administrada, por exemplo, mas isso não significa que os recursos estejam sendo necessariamente desviados. Mas um participante ouvido na pesquisa pode entender que a má gestão é resultado de corrupção, ajudando a rebaixar a nota do país.

Vale ressaltar que a própria ONG entende essa dificuldade como um problema e, todos os anos, busca alterar detalhes para melhorar a metodologia.

Incapacidade de perceber avanços

Outra importante crítica é a falta de sensibilidade dessa pesquisa para perceber avanços e boas políticas públicas. Nem sempre medidas adotadas no sentido de combater corrupção terão efeitos imediatos que possam ser avaliados em indicadores de percepção. Assim, uma nota estável ou ruim nesse ranking pode fazer com que pressões por mudança apareçam e limitem o progresso de políticas já em implementação que seriam efetivas no combate à corrupção.

No entanto, o IPC ainda assim é o ranking mais abrangente e atualizado sobre esse tema. Nenhuma outra pesquisa ou instituição consegue, anualmente, agregar tantos dados e compilar numa única métrica tantas nações.

Assim, o ranking acaba por ser o ponto de partida em diversos estudos e discussões relacionados à corrupção.

As derrotas de 2019 do Brasil no combate à corrupção

Mesmo com a maior renovação política desde a redemocratização, o país atravessou 2019 sem aprovar grandes reformas que atacassem a corrupção. Na avaliação da Gazeta do Povo, foi um ano de derrotas no combate à corrupção.

A Lei de Abuso de Autoridade, por exemplo, não coíbe os verdadeiros abusos, mas amarra as mãos de procuradores, promotores e juízes. Da mesma forma, o pacote anticrime enviado pelo ministro Sérgio Moro ao Congresso teve alterações de trechos considerados positivos e a introdução de outros dispositivos negativos, como a criação do juiz de garantias, atualmente suspenso pelo ministro Luiz Fux.

Por fim, o Supremo Tribunal Federal também tomou várias decisões que vão contra as boas práticas no combate à corrupção. A corte reverteu seu entendimento sobre o início do cumprimento da pena após condenação em segunda instância pela quarta vez em uma década. Decisões individuais também interferiram no combate à corrupção, como a liminar do ministro Dias Toffoli que paralisou várias investigações envolvendo o compartilhamento de dados do antigo Coaf. Em novembro o plenário reverteu a decisão.

“Em países com histórico de corrupção endêmica, como o Brasil, as variações são mais sutis e também podem indicar uma descrença geral acerca das melhorias nessa esfera”, explica o advogado e especialista em combate à corrupção Carlos Henrique Barbosa. “Analisar toda a série história é a melhor ferramenta para observar melhorias ou retrocessos na percepção da população em relação ao combate à corrupção”, afirma.

Por que combater a corrupção ajuda a economia

É consenso acadêmico que a corrupção gera um impacto negativo na economia, nas organizações públicas e, principalmente, na atração de investimentos e desenvolvimento econômico. Um relatório da Control Risks, uma das maiores empresas do mundo na área de consultoria estratégica e de riscos, apontou que a corrupção continua sendo um grande risco nos negócios internacionais.

Das empresas no Brasil, 52% reconhecem que retiraram investimentos no país em virtude, principalmente, de riscos associados à corrupção. O número é superior à amostra global, que foi de 41%.

Segundo a avaliação da TRACE International, o Brasil apresenta um alto risco para investimentos, mas não por falta e aplicação de leis anticorrupção. A concretização de negócios no país depende de muita interação e discricionariedade de agentes do governo, o que cria oportunidades de fraudes e corrupção. Por isso, reformas que restrinjam o poder discricionário de agentes públicos são fundamentais.

3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 3 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • S

    Sr. Walker

    ± 0 minutos

    Tem que pensar que temos um mundaréu de estados + DF, uns 5.500 municípios, sabe Deus quantas cias. estatais e autarquias e segue por aí o inferno. E todo mundo só pensa no Bolsonaro. Ah cada estado tem estrutura completa com legislativo e judiciário , municípios tem legislativo tbm. Como pode em um ano melhorar a percepção da corrupção instalada faz mais de 500 anos. Mas não, culpado é o Bolsonaro, pois prometeu e não cumpriu. Corrupção está em cada compra de comida da merenda escolar, cada filha de papel A4 das milhões de repartições públicas, cada tijolo, cada prego, cada parafuso, cada caneta esferográfica, cada clip, cada tolo de papel higiênico. O inferno é aqui na terra

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • A

      Alexandre Paranaense

      ± 3 horas

      O Acordão do Presidente com o Congresso e STF(Abuso de autoridade, COAF, prisão em segunda instância, etc) foi determinante piorar nossa posição no que se refere à percepção de corrupção.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • J

        Jair Lenzi

        ± 4 horas

        Materia dissociada da realidade. A percepção de corrupção é crescente na medida em q se observa q rapidamente o pres resolveu trair suas promessas de campanha pra se associar a gilmar e cia pra manter a salvo seu filho criminoso

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        Fim dos comentários.