Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Fila de espera para realização de teste de Covid-19 em Buenos Aires
Fila de espera para realização de teste de Covid-19 em Buenos Aires| Foto: EFE/Juan Ignacio Roncoroni

A ministra da Saúde da Argentina, Carla Vizzotti, anunciou nesta quarta-feira (29) uma redução nos prazos de isolamento para quem der positivo em teste para o novo coronavírus ou contatos próximos, mas com esquema completo de vacinação contra a Covid-19.

As mudanças foram divulgadas em meio a uma terceira onda de contágio do patógeno no país, confirmada pelas autoridades locais.

Para os contatos próximos que sejam assintomáticos e que contem com esquema completo de vacinação, o isolamento fica reduzido de dez para cinco dias. Contudo, nos cinco dias restantes, é pedido para que sejam adotados cuidados extremos e que se evite situações de risco de propagação.

Já os contatos próximos que não tenham completado o esquema de vacinação ou não recebido qualquer dose de imunizante deverão fazer os dez dias de isolamento ou sete dias e a realização de teste com resultado negativo.

No caso das pessoas que derem positivo e tiverem o esquema de vacinação completo, o período de isolamento deverá ser de sete dias, com total cuidado nos três seguintes.

Já aquelas que não tenham completado o ciclo vacinal deverão fazer isolamento de dez dias, como era recomendado anteriormente.

Terceira onda

Vizzotti afirmou, em entrevista coletiva, que a Argentina está “começando a terceira onda”. A ministra alegou que a propagação acelerada do novo coronavírus foi mitigada pelas medidas tomadas desde o avanço da variante delta, especialmente, com a vacinação da população.

De acordo com a integrante do governo, 70% da população completou o esquema de imunização, enquanto 83% receberam a aplicação de, pelo menos, uma dose.

Nesta semana, o Ministério da Saúde divulgou que a Argentina registrou mais 33.902 casos de infecção pelo novo coronavírus; com isso, o total saltou para 5.514.207 desde o início da pandemia.

O número de casos de terça-feira (28) aponta para uma elevação acentuada na comparação com a véspera, quando foram computadas 20.263 infecções. A quantidade também se aproxima do pico na Argentina, que foi de 41.080, em 27 de maio.

Além disso, o Ministério da Saúde indicou que foram confirmadas mais 20 mortes em decorrência da Covid-19 no país, o que eleva o total para 117.085.

Segundo Vizzotti disse nesta quarta-feira, o “aumento exponencial” de casos positivos na Argentina está relacionado com a variante ômicron do novo coronavírus, que admitiu estar presente em todas as províncias do país.

“Até o momento, não temos uma tradução desse aumento do número de casos no aumento das internações em UTIs e das mortes”, explicou a ministra. A taxa de ocupação das unidades de todo o país, por pacientes com todos os tipos de doenças, é de 34,4%. Na região metropolitana de Buenos Aires, o índice chega a 36,4%.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]