Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...

      Depois de muito tempo "consumido por uma rotina exaustiva" e após adquirir "pavor de ar-condicionado" (como ele mesmo diz), o ciclista Ernesto Stock, de 35 anos, se uniu a dois colegas em um projeto ousado: percorrer cinco países, de bike, com o objetivo de investigar o conceito de felicidade para diferentes comunidades, como artistas de rua, caiçaras, menonitas, índios e povos do altiplano andino. A intenção de Ernesto (na foto, ao centro), Douglas Eduardo (à direita), de 24 anos, e Guilherme Hoshino (à esquerda), de 32, era mostrar que a satisfação com a vida não está relacionada aos ideais de consumo e sim com as relações humanas, a simplicidade e o contato com a natureza – tese comprovada a partir de entrevistas e de situações concretas. "De uma forma geral, a felicidade tem sua maior representação, em todos os povos pesquisados, em atividades realizadas em conjunto com outros membros da comunidade. Sejam festas, mutirões de trabalho ou ocasiões especiais, como nascimentos, mortes, aniversários, colheitas", conta Ernesto.

      Surpresa

      Os três amigos partiram do litoral sul de São Paulo no dia 22 de agosto de 2013 e, além de passar por alguns pontos do Brasil (entre eles, o Litoral do Paraná e Foz do Iguaçu), estiveram no Paraguai, na Bolívia, na Argentina (foto 2) e no Chile. Na fronteira entre esses dois últimos países, Ernesto registrou outra situação relacionada à felicidade: a possibilidade de fazer algo útil em prol da comunidade. "Em uma aldeia nos Andes, uma professora voluntária, que sobrevivia com uma pequena criação de galinhas e uma pequena horta, me viu acampado em um terreno no meio do frio e me emprestou a chave da sua casa (ela iria passar cinco dias fora). Quando perguntei por que fazia isso, ela me respondeu de maneira bem simples: não faz sentido você passar frio e minha casa ficar fechada e vazia. Ajudar aos outros me faz feliz", diz.

      Documentário

      Durante três meses de viagem, com 3,5 mil quilômetros percorridos, o trio coletou cerca de 3 mil fotografias, 150 horas de vídeo e muitos textos e entrevistas. Agora, o objetivo de Douglas, formado em Educação Física, Guilherme, estudante de Design Gráfico, e Ernesto, graduado em Cinema, é transformar todo esse vasto material em um livro e em um documentário em vídeo. Outros dois projetos estão em elaboração e têm o mesmo objetivo do primeiro – a travessia da Transamazônica e da Índia à China, pelo Himalaia, de bicicleta. Mais informações: oratoriofilmes@gmail.com

      Museu de Cera

      O município de Foz do Iguaçu deve ganhar em breve uma filial do Museu de Cera de Gramado (RS) com mais de 100 personalidades, entre elas Elvis Presley, Marilyn Monroe, Ayrton Senna e Dilma Rousseff. Segundo informações da prefeitura, o museu vai ser construído dentro de um parque temático que ocupará terreno de 600 mil metros quadrados na Avenida das Cataratas. A previsão é que parque seja aberto no dia 10 de junho, com investimentos do empresário Martim Fiedler. Você gosta desse tipo de atração? Acha que ela vai fazer sucesso em Foz? Escreva para entrelinhas@gazetadopovo.com.br

      Curso de idiomas

      O Laboratório de Línguas da UEL abre na próxima segunda, dia 20, as inscrições para novas turmas. Os interessados devem se inscrever pelo site www.uel.br/cch/lablinguas até 24 de janeiro, e o boleto precisa ser pago em até 48 horas. Cada curso tem uma taxa única semestral de R$ 220 para a comunidade interna (alunos, docentes e funcionários da universidade) e de R$ 286 para a comunidade externa. Há aulas de alemão, espanhol, francês, japonês, inglês e português para estrangeiros.

      Dê sua opinião

      O que você achou da coluna de hoje? Deixe seu comentário e participe do debate.

      Deixe sua opinião
      Use este espaço apenas para a comunicação de erros
      Máximo de 700 caracteres [0]