i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Marleth Silva

Histórias de pescador que não são piadas

  • Pormarlethsilva@yahoo.com
  • 03/10/2014 21:03
 | Ilustração: Felipe Lima
| Foto: Ilustração: Felipe Lima

Ninguém ouve os pescadores. Só pode ser isso. Há anos se queixam de que a pesca não anda boa, que onde pegavam um dourado de dois metros agora só dá um minúsculo lambari, que onde havia pacus carnudos há lixo, garrafas de água mineral e sacos plásticos do mercadinho da esquina. Ninguém dá bola para o que contam naquelas conversas de fim de tarde ao lado dos barcos.

Outros contam a mesma coisa, com outro vocabulário, e também não conseguem repercussão. Cientistas americanos e ingleses dizem que a quantidade de animais que vivem na água doce diminuiu 75% nos últimos 40 anos. Isso mesmo, setenta e cinco por cento. E os pescadores reclamam, mas ninguém dá bola para eles mesmo.

As pessoas se importam com o pescado, se está fresco, se pode ser usado para sushi, qual tem mais ômega 3. Mas ninguém acredita na testemunha ocular do estrago já feito. "Fala, pescador!", deveria dizer o senhor ministro da Pesca e levar o sujeito para falar em rede nacional de rádio e tevê. "Conte aí como era e como é."

Os bichos que vivem na água doce são os mais ameaçados do planeta. O que é o mesmo que dizer que os rios são o ecossistema mais ameaçado pela nossa ação. Não tem meteoro gigante para levar a culpa. Quem está levando várias espécies à extinção é o ser humano mesmo. O próprio. Nós.

Todas as ações para manter o estilo de vida que consideramos ideal terminam lá, nos rios. Seja por causa do desmatamento, do uso intensivo da água, da não reciclagem dos restos de tudo que fazemos no dia a dia. Todos os rios correm para o mar e todos os nossos descuidos e relaxos e exageros correm para os rios.

É uma tristeza. Várias espécies vão acabando sem nem serem conhecidas. O Brasil não é um especialista em peixe. Pouco sabemos sobre a bicharada que desliza suavemente, silenciosamente, nas águas dos riachos e dos grandes rios, nas lagoas e nas correntezas. Eles ficam lá, quietinhos, sem incomodar ninguém, e por isso ninguém presta atenção neles. Estamos na fase de descobrir que existem – ou que estão deixando de existir.

Dizem os cientistas da Sociedade Zoológica de Londres e do Fundo para Proteção da Vida Selvagem, que fizeram o balanço da bicharada divulgado esta semana, que consumimos peixes de água doce e dos oceanos em uma velocidade maior que o tempo que a natureza leva para repor o que tiramos. O consumo de pescado é grande em alguns lugares do mundo (no Brasil, ainda é modesto, mas está crescendo). Mas o problema não é só o consumo. O problema é que em todo lugar existe consumismo, consumismo de tudo, inclusive do que não precisamos.

Tem um peixe chamado cará (ou acará) que só tem sido encontrado no Paraná, depois de desaparecer nos estados vizinhos. O nome científico dele é Gymnogeophagus setequedas. Seu sobrenome, como se vê, já o condena ao desaparecimento. É ameaçado pela sujeira na água, pelo avanço das cidades e pelo aparecimento de peixes estranhos, exóticos, que disputam o seu território. O "setequedas" tem uns 10 centímetros e é daqueles peixes que cuidam dos filhos, que ficam cercando os bichinhos até eles tomarem corpo para se virar sozinhos. Quase mais nada se sabe sobre ele. Pode sumir sem deixar vestígios nem informações.

Dê sua opinião

O que você achou da coluna de hoje? Deixe seu comentário e participe do debate.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.