i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Supremo

Temas de costumes: o que o STF julgou em 2020 e o que se espera para 2021

  • Por Leonardo Desideri
  • Brasília
  • 30/12/2020 20:33
Ministros do STF
Plenário do STF.| Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Quando o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, divulgou o calendário da corte para 2020, a perspectiva era de que o tribunal não julgaria muitos temas polêmicos. Um balanço do que ocorreu ao longo do ano mostra que essa expectativa foi, em certa medida, contrariada.

Em pleno ano de pandemia, o STF tocou, por exemplo, em temas como aborto, ideologia de gênero e liberdade religiosa. É difícil afirmar, no entanto, que o Supremo tenha se conduzido por viés ideológico ao pautar esses temas, já que as decisões, se consideradas em conjunto, não favoreceram uma visão de mundo específica: algumas agradaram mais a conservadores, enquanto outras tiveram um cunho mais progressista.

Mais significativa para o viés da corte em temas de costumes do que as próprias pautas em si foi a escolha de Kassio Nunes Marques como novo ministro do STF. O presidente Jair Bolsonaro ainda não cumpriu sua promessa de indicar um juiz “terrivelmente evangélico” para o Supremo, e Nunes Marques está longe de parecer um representante do conservadorismo.

Veja as principais decisões do STF em pautas de costumes no ano de 2020 de forma resumida:

Entre os julgamentos suspensos em 2020 e que devem terminar em 2021 está a ação sobre a prescrição de injúria racial, interrompido após o pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes.

Outro julgamento que não entrou em pauta e deve voltar em 2021 é o da presença de símbolos religiosos em prédios públicos.

O tema da ideologia de gênero nas escolas, que já foi abordado neste ano, também pode retornar ao plenário no ano que vem. Em novembro o presidente do STF, Luiz Fux, retirou de pauta uma ação do PSOL sobre o assunto.

Além disso, no próximo ano, é provável que o STF julgue os embargos de declaração relacionados à decisão de 2019 que equipara a homofobia ao racismo. Um dos embargos foi apresentado pela Advocacia Geral da União (AGU).

STF tem persistido nas concessões à agenda LGBT e à ideologia de gênero

Entre as pautas de costumes, as relacionadas à agenda LGBT e à ideologia de gênero costumam ser aquelas em que o tribunal age com viés mais consistente, decidindo quase sempre de forma contrária aos pleitos de conservadores.

Em janeiro, por exemplo, a ministra Cármen Lúcia anulou uma decisão da Justiça do Distrito Federal que permitia a psicólogos atender casos de pacientes que quisessem algum tipo de ajuda para reorientação sexual e a estudar esses casos. A decisão partiu de uma reclamação do Conselho Federal de Psicologia (CFP).

O plenário cedeu à ideologia de gênero ao julgar a constitucionalidade da Lei Municipal 1.516/2015 de Novo Gama, em Goiás, que tentava barrar o ensino dessa ideologia em escolas do município. Por unanimidade, os ministros acompanharam o voto do relator, Alexandre de Moraes, e declaram a lei inconstitucional. Mas há uma série de casos semelhantes esperando julgamento, e o tribunal poderá se debruçar sobre eles em 2021.

Além disso, uma ação impetrada pelo PSOL pede a liberação, entre outras coisas, do uso do nome social, do namoro entre menores de idade do mesmo sexo e aulas sobre teorias de gênero nas escolas. O julgamento dessa ação estava pautado para o dia 11 de novembro, mas foi retirado de pauta depois de conversas de Fux com deputados da Frente Parlamentar Católica, da Frente Parlamentar Evangélica e representantes da Anajure, amicus curiae no processo.

Uma decisão que desperta menos controvérsias, mas também está relacionada à agenda LGBT, foi a liberação da doação de sangue por homossexuais, ocorrida em maio. Normas do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) que proibiam "homens que tiveram relações sexuais com outros homens e/ou as parceiras sexuais destes nos 12 meses antecedentes" de doar sangue foram declaradas inconstitucionais pelo plenário.

O ministro Edson Fachin, relator do caso, opinou que não era possível negar a doação de sangue a uma pessoa com regras não igualitárias. Para garantir a segurança sanitária, segundo ele, os bancos de sangue devem observar condutas de risco, e não a orientação sexual. Fazer o contrário configuraria, para ele, "discriminação injustificável e inconstitucional".

Grupos pró-aborto sofrem revés, mas pauta pode voltar no ano que vem

Grupos pró-aborto sofreram um revés no STF em abril, quando o tribunal rejeitou, por unanimidade, o pleito da descriminalização do aborto em casos de mulheres contaminadas pelo zika vírus. Não se julgou, no entanto, o mérito da ação, que foi negada por uma questão técnica.

A Associação Nacional dos Defensores Públicos (Anadep) questionava dispositivos da Lei 13.301/2016, que determinavam medidas de vigilância em saúde relativas aos vírus da dengue, da chikungunya e da zika. No entanto, a Medida Provisória 894/2019 revogou o principal ponto questionado pela Anadep, e a ministra Cármen Lúcia, relatora da ação, entendeu que houve perda do objeto da ação.

Mas o tema do aborto pode voltar a ser julgado a qualquer momento, já que tramita no STF uma ação apresentada pelo PSOL que pede a liberação do aborto para gestações de até 12 semanas. Não há, no entanto, uma previsão sobre quando o assunto poderia ser pautado.

Leia também: Defesa da vida: por que o aborto não deve ser legalizado no Brasil

Liberdade religiosa entrou na pauta do STF em 2020 e deve voltar em 2021

Outro tema que foi abordado pelo STF em 2020 e poderá voltar em 2021 é a liberdade religiosa.

Em novembro, o Supremo definiu que pessoas com crença religiosa têm o direito de exigir datas alternativas aos dias de guarda de suas religiões para realizar provas de concursos públicos. A decisão também vale para pessoas em estágio probatório no serviço público, que poderão faltar nos dias de guarda, desde que façam a reposição das horas de trabalho. A determinação é especialmente favorável para certas religiões em que os fiéis guardam o sábado, como no caso dos adventistas e de alguns judeus.

Um julgamento que estava previsto para este ano, mas deve ficar para 2021, é o da presença de símbolos religiosos em prédios públicos. O STF deverá julgar se a presença de símbolos como crucifixos e imagens em repartições públicas afronta ou não os princípios da laicidade do Estado, da liberdade de crença, da impessoalidade da administração pública e da igualdade.

7 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 7 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • R

    Roberto Fakir

    ± 0 minutos

    Enquanto muitos chamarem Fachin de Cármen Miranda, Barroso de Boca de veludo a coisa não estará bem. Enquanto a midia se achar no direito de chamar a esposa do Temer ou a esposa do Bolsonaro de prostitutas e não acontecer nada, a coisa vai piorar e muito. Enquanto a midia continuar mfntindo e os homens de "ilibada(sic) reputação" do STF continuarem a ferir de morte nossa constituição, esse país não terá um futuro decente. Pautas de costumes são relativas. Com esse nosso STF isso não significa absolutamente nada.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • I

      Intruso

      ± 4 horas

      STF, se uma pessoa acusa um agente de segurança de delito envolvendo entorpecente responderá por crime de calúnia e difamação, no mínimo, com consequencias muito severas . Mas o contrário disso, acusação feita por agente, se trata de prova absoluta, ainda q desprovida de qualquer prova. Fiquem muito atentos..

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      • R

        Roberto Fakir

        ± 6 horas

        FORA STF. Esse não é um grito para um golpe ou seja lá o que quiserem entender. Significa SUBSTITUIÇÃO JÁ DESSES MINISTROS DOENTES E CORRUPTOS QUE HOJE COMPÕE O STF.

        Denunciar abuso

        A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

        Qual é o problema nesse comentário?

        Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

        Confira os Termos de Uso

        • B

          Bruno Santos Teles

          ± 6 horas

          quando a vergonha era parcial, eles implantaram a agenda progressista, quando a vergonha era completa, eles ficaram com medo, só isso

          Denunciar abuso

          A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

          Qual é o problema nesse comentário?

          Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

          Confira os Termos de Uso

          • M

            Macedo V.A.

            ± 7 horas

            O rol de vitórias é escasso e a previsão de 2021 não é agradável. Porém não há como estranhar-se, é de tom impróprio saber viver em uma pátria cuja função legislativa de real peso não transita via câmara, e sim, através do Judiciário. Justamente em local onde a voz popular, não dispõe de nenhuma participação. Para quê, portanto, manter sob a fachada o nome de República Federativa?

            Denunciar abuso

            A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

            Qual é o problema nesse comentário?

            Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

            Confira os Termos de Uso

            • L

              Luca

              ± 8 horas

              Stf é uma geringonça que ninguém leva a sério, mas infelizmente eles causam um estrago enorme ao país, principalmente quando decidem legislar

              Denunciar abuso

              A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

              Qual é o problema nesse comentário?

              Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

              Confira os Termos de Uso

              • G

                Guilherme Milone Silva

                ± 8 horas

                No lugar de dedicarem-se ao cumprimento da Carta Magna - que já é uma gerigonça confusa e conflitante - estes vetustos senhores passam o tempo inventando imbecilidades que o povo já vem rejeitando reiteradamente. E este Tribunal ainda custa muito caro.

                Denunciar abuso

                A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

                Qual é o problema nesse comentário?

                Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

                Confira os Termos de Uso

                Fim dos comentários.