i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
para saúde do trabalhador

TRT mantém repasse das empresas de ônibus para o Sindimoc

  • PorRaphael Marchiori
  • 29/01/2016 13:45
 | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

O Tribunal Regional do Trabalho do Paraná (TRT) julgou improcedente trecho de um recurso apresentado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) que pretendia acabar com o repasse de valores das empresas de ônibus ao sindicato dos motoristas e cobradores (Sindimoc). Esses valores incidem na tarifa do transporte coletivo de Curitiba e são repassados pelos empresários à entidade dos trabalhadores para contratação de serviço de saúde. A decisão foi tomada no dia 2 de dezembro, mas foi publicada apenas no último dia 19 de janeiro.

A ação foi movida pelo MPT em 2013. O repasse do plano de saúde pelas empresas ao Sindimoc, assim como do fundo assistencial, está previsto em convenção coletiva. Em primeira instância, o juiz Luciano Augusto de Coelho Toledo já havia negado o pedido do órgão por entender que os repasses estavam pacificados em convenção coletiva homologada pela Justiça.

O que diz a Organização Internacional do Trabalho (OIT)

Serão particularmente identificados atos de ingerência, nos termos do presente artigo, medidas destinadas a (...) manter organizações de trabalhadores por outros meios financeiros, com o fim de colocar essas organizações sob o controle de um empregador ou de uma organização de empregadores”.

Para custear o plano de saúde, as empresas repassam ao Sindimoc o valor de R$ 52,65 por trabalhador. Esse recurso é obtido pela tarifa. O peso é de cerca de R$ 0,02 no valor pago por cada passageiro. Há também o repasse do fundo assistencial, cujo peso é de R$ 0,015. O fundo também é utilizado para o amparo do trabalhador, inclusive no custeio dos atendimentos na área da saúde. Levando em consideração apenas o sistema de Curitiba, seriam mais de R$ 600 mil por mês.

Apesar de a ação do MPT questionar apenas o repasse do plano de saúde, o Tribunal de Contas do Paraná (TC) já se posicionou contrário também ao repasse do fundo assistencial. Mas, a motivação do questionamento é outra. O TC entendeu que a incidência desse custo na tarifa é ilegal porque, entre outros motivos, os repasses aumentam quanto maior for a tarifa do sistema.

Como a decisão é de segunda instância, um eventual novo recurso somente poderá ser apresentado ao Tribunal Superior do Trabalho (TST). A procuradora Margaret Matos de Carvalho avisou que isso deve ocorrer. “A tendência é de que apresentemos o recurso de revista nas próximas semanas. Essa é uma situação absurda, porque o sindicato dos trabalhadores é mantido com recursos patronais, afirmou.

Usuários bancam “um biarticulado” por mês a sindicato de motoristas e cobradores

Custeio de serviços como plano de saúde a motoristas e cobradores pela tarifa dos usuários é questionando pelo TC, MPT e OAB.

Leia a matéria completa

TRT também manteve proibição de descontos em caso de assalto

Nessa mesma decisão, o TRT manteve condenação de R$ 1 milhão às empresas de ônibus por descontos promovidos nos salários dos trabalhadores referentes a assaltos a estações-tubo e coletivos de Curitiba e região. E proibiu que sejam realizados novos descontos em caso de assaltos.

A convenção coletiva da categoria permite que as empresas descontem os valores subtraídos por ladrões quando constatada dolo ou culpa. Sempre que for roubado um valor superior a 30 tarifas (R$ 99, com a passagem a R$ 3,30), o trabalhador paga essa diferença porque esse é o limite permitido na gaveta do cobrador. Os ônibus, terminais e estações tubo são equipados com cofres acionados mediante senha e tempo de espera.

A 7ª Turma do TRT, responsável pela análise do recurso, entendeu que essa cláusula da convenção é ilegal por responsabilizar o trabalhador por um risco que deve ser assumido pelas empresas de ônibus a partir do momento que elas se tornaram prestadoras do serviço.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.