Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Faixas foram presas à grade de condomínio de Teori Zavascki. | Reprodução/Facebook/La Banda Loka Liberal
Faixas foram presas à grade de condomínio de Teori Zavascki.| Foto: Reprodução/Facebook/La Banda Loka Liberal

Um grupo de manifestantes protestou em frente ao condomínio do ministro Teori Zavascki, do STF (Supremo Tribunal Federal), na noite de terça-feira (22), no bairro Bela Vista, em Porto Alegre. Faixas com os dizeres “pelego do PT”, “Teori traidor” e “deixa o Moro trabalhar” foram penduradas na fachada do prédio.

Na manhã desta quarta-feira (23) as faixas não estavam no local. O protesto foi liderado pela Banda Loka Liberal, grupo ligado ao MBL (Movimento Brasil Livre) que anima os protestos contra Dilma Rousseff e Lula no Rio Grande do Sul tocando músicas com ritmo de torcida de futebol e marchinha de Carnaval.

Fruet, Ratinho e Ducci aparecem em contabilidade paralela da Odebrecht

Leia a matéria completa

Na terça, os cânticos acusavam o ministro de “bolivariano”. O grupo, que se autodefine como “opressor de socialistas”, publicou vídeos e fotos na sua página do Facebook, onde o endereço do ministro foi divulgado por internautas. Cerca de 40 pessoas, segundo o grupo, estavam no local.

Os manifestantes se queixavam da ordem de Zavascki para que o juiz Sergio Moro envie ao STF as investigações que envolvem o ex-presidente Lula na Lava Jato.

“Está muito claro que está acontecendo um golpe na República. Já ficou provado com os áudios [das conversas do Lula] que existia um aparelhamento do STF. A gente precisa de uma pressão com maior gravidade”, disse Tiago Menna, 28, da Banda Loka Liberal, à reportagem.

Menna afirmou ainda que, durante o protesto, “diversos vizinhos já estavam de pijama e desceram com panelas para apoiar o ato”.

‘Acampamento Sergio Moro’

A maioria dos manifestantes estava em um acampamento no Parcão (Parque Moinhos de Vento). O “Acampamento Sergio Moro” defende o impeachment da presidente Dilma e a prisão de Lula.

No local, o grupo organiza rodas de violão com músicas que dizem que o “capitalismo veio para ficar”, acompanhadas de churrasco. A “sonzeira” é transmitida ao vivo pela Banda Loka Liberal em sua página. O grupo também está convocando para o evento “Chopp sem Dilma” com o objetivo de “beber chope pelo preço antes do aumento de impostos da Dilma”, nesta quarta (23), às 19h, também no Parcão.

Zavascki é natural de Faxinal dos Guedes (SC), mas estudou direito na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde também completou seu mestrado e doutorado. Zavascki é ministro do STF desde 2012.

O grupo também protestou em frente à casa do deputado federal Afonso Motta (PDT-RS). De acordo com Menna, o protesto ocorreu porque “é um dos poucos deputados gaúchos que se posicionam contra o impeachment”.

Odebrecht doou R$ 46 milhões para 15 partidos em 2014

Leia a matéria completa

A Folha tentou contato com o gabinete de Zavascki, mas o STF não tem expediente nesta quarta (23) em função do feriado de Páscoa.

Investigação

Em entrevista na Câmara, o deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) afirmou que o Ministério da Justiça, o STF, a Força de Segurança Nacional e o Gabinete de Segurança Institucional da Presidência acertaram na manhã desta quarta abrir inquérito criminal contra todos que tenham participado de atos hostis contra Teori e familiares.

De acordo com o deputado, a PF irá tentar identificar e responsabilizar criminalmente também pessoas que nas redes sociais tenham incitado atos de violência contra o ministro e familiares.

“Todas as ofensas, ameaças e agressões serão objetos de inquérito e responsabilização criminal. Esses atos são reveladores do caráter autoritário e violento desses setores da sociedade que não respeitam a Constituição e tentam intimidar membros da Suprema Corte”, afirmou o deputado, que também discursou no plenário da Câmara.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]