i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Curitiba

Dono de lanchonete é preso suspeito de comandar “delivery” de drogas

Gerente do estabelecimento, o Waldo X-Picanha Prime, e outras três pessoas foram detidas durante uma operação da Polícia Civil, realizada na noite desta quarta-feira (24)

  • PorAngieli Maros e Diego Ribeiro
  • 25/09/2014 05:57
Fachada da lanchonete Waldo X-Picanha Prime | Atila Alberti/Tribuna do Paraná
Fachada da lanchonete Waldo X-Picanha Prime| Foto: Atila Alberti/Tribuna do Paraná
  • Na operação de quarta-feira (24), foram presas quatro pessoas
  • Lanchonete faria entrega de drogas para clientes

O dono e o gerente da lanchonete Waldo X-Picanha Prime, na Alameda Cabral, foram presos durante uma operação da Polícia Civil contra o tráfico de drogas na noite desta quarta-feira (24), em Curitiba. A Justiça autorizou também a prisão de outras duas pessoas suspeitas de envolvimento no esquema, que já vinha sendo investigado há sete meses.

De acordo com a Polícia Civil, o dono do estabelecimento, Alexandro Cardoso, de 36 anos, comandava um sistema de entrega de cocaína em domicílio junto com os sanduíches, além de negociar a droga dentro da própria lanchonete. O esquema, que era comandado também pelo gerente do local, César Batista Kokurudza, 51 anos, servia apenas a clientes considerados "vips" (importantes). Os nomes dos envolvidos não foram citados antes pela Gazeta do Povo porque a polícia ainda não os havia confirmado.

Por causa da influência política e social do proprietário, a polícia informou que a investigação ocorreu sob um rigoroso sigilo durante todo o tempo, até que fosse possível comprovar à Justiça o envolvimento dos suspeitos. As prisões foram feitas por volta das 19 horas desta quarta.

O dono do Waldo X-Picanha Prime seria ainda proprietário da casa noturna Purple Hills, ao lado da sanduicheiria. No local também foram apontadas atividades relacionadas ao tráfico. Porém, o advogado que representa os donos da boate não confirma o fato. Segundo nota encaminhada pelo advogado Edgar Lenzi, a Purple Hills é apenas vizinha da lanchonete, e "nenhum dos administradores da casa "possuem qualquer envolvimento com as pessoas citadas na investigação".

Na segunda-feira, a polícia já havia prendido o dono de uma casa noturna no Batel, que foi mencionado como um dos principais traficantes de Curitiba. Contudo, a polícia afirmou que as investigações que mostraram a relação das duas casas noturnas com o consumo de drogas são independentes.

Esquema

O gerente da Waldo X-Picanha Prime já vinha sendo investigado pela Divisão Estadual de Narcóticos (Denarc) por ter gerenciado outro ponto de tráfico de entorpecentes na capital. Segundo o órgão, Kokurudza conduzia a venda de drogas no bar Opção, na Rua Saldanha Marinho, em esquema que foi desmantelado pela polícia em maio deste ano.

Na ocasião, dois funcionários do local e um fornecedor de entorpecentes foram presos. O bar foi fechado, mas Kokurudza saiu "ileso" porque havia vendido sua parte do estabelecimento duas semanas antes da operação policial.

De acordo com informações passadas pela Denarc, após deixar o bar Opção, Kokurudza mudou seu "negócio" para o Waldo X-Picanha, onde permaneceu até ser preso.

Além dele e de Alexandro Cardoso, a polícia deteve na noite desta quarta-feira Marcelo Lopes dos Santos, que também deixou o bar da Saldanha Marinho e estabeleceu um novo ponto de tráfico no bar Matozo, na Rua Fernando Moreira, no Centro. Com ele, foram encontrados um revólver, 100 gramas de cocaína, 12 munições, uma balança de precisão e R$ 15 mil em dinheiro proveniente do tráfico de drogas.

O quarto preso foi Paulo Renato Lucas, um dos distribuidores de drogas para a quadrilha. Na hora da prisão, ele portava 90 buchas de cocaína e uma pequena quantidade de maconha.

Ao todo, desde que começaram as investigações da Denarc, dez integrantes da quadrilha já foram identificados e presos, Cinco estabelecimentos da região central de Curitiba foram apontados como "fachada" para o tráfico.

Fora a casa noturna Purple Hills, os bares Opção e Matozo e o Waldo X-Picanha Prime, também foi apontado como ponto de tráfico o bar Amarelinho.

Outro lado

Em nota, a assessoria de imprensa do grupo Waldo X-Picanha disse que a loja onde foram cumpridos os mandados de prisão é uma franquia, e, por isso, o grupo não tem nenhuma responsabilidade sobre o fato.

Segundo informou o órgão, as lojas originais da rede – localizadas no Alto da XV e no Água Verde – não têm vínculo com o Waldo X-Picanha Prime e com "nenhum outro estabelecimento que opere em Curitiba com o mesmo nome, já que existem outras quatro operações na cidade administradas por outros empresários".

Uma funcionária do escritório de advocacia que atende a Purple Hills informou que o advogado responsável emitiria um posicionamento sobre o fato, o que não havia sido feito até o meio-dia.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.