i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tentativa de censura prévia

Mesmo pressionado por LGBTs, Cremers não impedirá palestra científica sobre transgêneros

  • Por Denise Drechsel
  • 11/03/2020 13:00
Foto divulgada por grupos LGBT sobre a reunião feita com o presidente do Cremers, Eduardo Neubarth. Segundo ele, não foi instaurada sindicância contra a psiquiatra Akemi Shiba.
Foto divulgada por grupos LGBT sobre a reunião feita com o presidente do Cremers, Eduardo Neubarth. Segundo ele, não foi instaurada sindicância contra a psiquiatra Akemi Shiba.| Foto: Divulgação / Facebook

O presidente do Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul (Cremers), Eduardo Neubarth Trindade, informou nesta quarta-feira (11) que a entidade não impedirá a realização de palestra científica sobre disforia de gênero em crianças e jovens, a ser realizada pela psiquiatra Akemi Shiba na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, em 18 de março.

A declaração foi dada depois de ter recebido representantes do Conselho Estadual de Promoção de Direitos LGBT, na última segunda-feira (9), que tentam dificultar a realização do evento. A conferência que, a princípio, tinha como título “Epidemia de transgêneros: o que está ocorrendo com nossas crianças e adolescentes?”, depois de ser alvo de uma representação no Ministério Público do Rio Grande do Sul, passou a ser chamada de “Aspectos médicos e desenvolvimentais da disforia de gênero na infância e na adolescência”.

“Não podemos censurar a ciência. Ela tem que apresentar as evidências dela”, disse o presidente do Cremers à reportagem da Gazeta do Povo, reiterando que não existe sindicância ou processo ético-profissional contra a psiquiatra. “Nós não temos nem poder nem interesse de fazer censura prévia de uma palestra de cunho científico. De forma alguma o conselho vai fazer uma censura prévia ou querer tirar o direito da pessoa de falar livremente”, acrescentou.

Eduardo Trindade esclareceu ainda, em nota que enviou aos jornais, que pelo Cremers ser uma autarquia federal, a entidade tem “a obrigação legal de receber os mais diversos membros de conselhos legitimamente constituídos, independe da minha posição pessoal”. “No caso em pauta, como presidente do Cremers, recebi representantes de organizações civis ligadas à comunidade LGBT que protocolaram formalmente um pedido de reunião, como receberia da mesma forma representantes de qualquer segmento, sem distinção, por dever legal e moral”, escreveu.

A denúncia junto ao Cremers foi protocolada pelo grupo LGBT e seguirá o trâmite habitual, segundo as normas da Resolução do Conselho Federal de Medicina, nº 2.145 de 2016.

“Reitero que qualquer responsabilidade na esfera ética somente poderá ser atribuída após averiguação adequada da denúncia, instauração de sindicância e Processo Ético-Profissional, o que ainda não ocorreu”.

O conteúdo da palestra

Em entrevista para a Gazeta do Povo, a psiquiatra Akemi Shiba explicou novamente que fará uma abordagem científica sobre a disforia de gênero em crianças e adolescentes, a pedido de famílias. “A palestra começou por uma demanda da comunidade, e tem objetivo estritamente técnico, visando orientar e proteger a saúde, inclusive da comunidade LGBT, que são os consumidores desses hormônios e cirurgias”, disse a médica.

Segundo ela, a infância e a adolescência são períodos de grandes mudanças no cérebro e que, por isso, nesse período do desenvolvimento, não é recomendado usar hormônios ou bloqueá-los. Ingerir hormônios cruzados traz risco de AVC, câncer, trombose, hipertensão, diabetes e muitas outras patologias. “Além de a cirurgia de trangenitalização ser irreversível e esterilizante, causando menopausa e andropausa precoce”, alerta.

“Há um fenômeno no YouTube de adolescentes dando receita de como fazer sozinho a sua transição de gênero, com hormônios comprados em farmácia. Estamos tentando proteger a saúde de todos que estão tomando esses hormônios, e a comunidade LBGT está incluída”, diz.

Em 2019, a transexualidade deixou de constar na lista de doenças mentais e passou a ser tratada como “incongruência de gênero” na nova versão da Classificação Internacional de Doenças, a CID-11, dentro da categoria de condições relativas à saúde sexual. Mesmo assim, ainda é tratada como transtorno psiquiátrico, segundo o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais 5.ª edição (DSM-5), elaborado pela American Psychiatric Association. O CID 11 só vigorará a partir de 2022.

Em novembro de 2017, a Gazeta do Povo publicou, com exclusividade em língua portuguesa, o mais importante estudo sobre ideologia de gênero na medicina: “Disforia de gênero, condições médicas e protocolos de tratamento”, de Michelle Cretella, médica e presidente do American College of Pediatricians (ACPeds). O estudo aponta a falta de evidências científicas sólidas para recomendar tratamentos invasivos, como os bloqueios hormonais em crianças e adolescentes, cujos efeitos ainda são em grande parte desconhecidos ou, em muitos casos, prejudiciais.

4 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 4 ]

Máximo 700 caracteres [0]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Termos de Uso.

  • C

    Carlo

    ± 0 minutos

    O movimento LGBT reclama, com razão, de preconceito e repressão, mas quer impedir alguém de opinar contrariamente, baseado em fatos científicos, às suas idéias. Isso é censura, repressão e preconceito.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • C

    Carlos

    ± 7 dias

    Pessoalzinho chato, que quer lacrar. Se o cara der o caneco, quer q isso seja normal. Quem já viu usar um lugar q só sai ***** para fazer sexo? Biologicamente não é para isso, é um esgoto de bactérias.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MORALES

    ± 7 dias

    A ditadura LGBT é um fato. Tentar impedir que dados científicos sejam expostos para a comunidade chega a ser criminoso .

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]

  • M

    MAURO JOSE KUMMER

    ± 7 dias

    deixem a médica falar, a verdade não vai doer. Ou vai?

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • Máximo 700 caracteres [0]