Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Enkontra.com
PUBLICIDADE

desabamento

Chega a 17 o número de corpos localizados nos escombros do Rio

Reforma em um dos prédios que caiu não tinha laudo de engenheiro. O documento teria sido solicitado pelo síndico, que recebeu uma planta de funcionária que é administradora de empresas

  • Gazeta do Povo, com agências
  • Atualizado em às
Bombeiros descartam a possibilidade de haver sobreviventes aos desabamentos no Rio de Janeiro |
Bombeiros descartam a possibilidade de haver sobreviventes aos desabamentos no Rio de Janeiro
 
0 0 COMENTE! [0]
TOPO

No início da madrugada deste sábado, 28, mais um corpo de vítima do desabamento no centro do Rio foi encontrado. Com isso, subiu para 17 o número de mortes confirmadas pelo desmoronamento de três prédios na Avenida Treze de Maio – nove homens, seis mulheres e duas pessoas que ainda não tiveram o sexo identificado.

O corpo da 17ª vítima foi retirado, às 2h05 desta madrugada, do local onde funcionava o fosso dos elevadores do prédio de 20 andares. Após bombearem a maior parte da água que ficou acumulada naquela parte dos escombros, os bombeiros localizaram o corpo.

O 16º cadáver, bem dilacerado, foi encontrado mais cedo, bem no início da madrugada deste sábado, sob o entulho que se acumulou próximo ao prédio anexo ao Theatro Municipal. A expectativa é de que os trabalhos de busca dos bombeiros se estendam até a manhã de domingo, 29. Em razão do estado dos corpos, a possibilidade de que algum tenha sido removido junto ao entulho já retirado do local não foi descartada pelo comando da corporação.

Reforma

Apontada como uma das possíveis causas do desabamento de três prédios no centro do Rio de Janeiro, na noite de quarta-feira (25), a obra iniciada oito dias antes da tragédia no nono andar do Edifício Liberdade, pela empresa Tecnologia Organizacional (TO), não tinha laudo de um engenheiro.

Segundo explicou nesta sexta-feira um dos sócios da empresa, Sergio Alves, o laudo teria sido solicitado pelo síndico, Paulo Renha, que recebeu da gerente Cristiane Azevedo cópia da planta da obra feita pela companhia no quarto pavimento do mesmo edifício. Cristiane não é engenheira. Renha, então, teria dado a autorização para a obra, aguardando a apresentação do laudo pelo engenheiro Paulo Brasil que, devido à doença da mãe dele, não pôde atender ao pedido naquele momento. O laudo seria apresentado esta semana. “Jamais houve omissão da empresa”, disse Alves. A gerente está internada no Hospital Casa de Portugal, com ferimentos na cabeça.

Sem sobreviventes

O secretário estadual de Defesa Civil e comandante do Corpo de Bombeiros, Sergio Simões, admitiu na tarde desta sexta-feira que não há mais esperança de que sejam encontrados sobreviventes do desabamento dos três edifícios no centro do Rio. Dezessete corpos já foram retirados dos escombros e pelo menos outras 5 pessoas estariam desaparecidas.

“Embora a cultura do Corpo de Bombeiros seja movida pela esperança, pela motivação, em razão do cenário que a gente está verificando e pelo tempo passado do acidente, eu preciso dizer que a gente não trabalha mais com a possibilidade de sobreviventes”, disse Simões.

A expectativa é que mais corpos sejam retirados neste fim de semana, pois as equipes de resgate conseguiram chegar ao local onde estava reunido um grupo de funcionários de uma empresa que funcionava em um dos edifícios que desabaram. As buscas devem ser mantidas até o domingo (29).

Obras no interior do edifício seriam ilegais

Histórias interrompidas pela tragédia no Centro do Rio

Foto: veja imagens do trabalho dos bombeiros no local dos desabamentos

Infográfico: confira como era o Edifício Liberdade antes do desabamento

Balanço

Dos dezessete corpos retirados dos escombros dos prédios que desabaram no centro do Rio: seis mulheres, nove homens e dois sem identificação. O 13º corpo resgatado é de uma mulher e foi descoberto por funcionários da Limpeza Urbana, quando os entulhos estavam sendo transportados para um depósito.

Ao localizarem o 14º corpo, os bombeiros encontraram o subsolo do edifício Liberdade. Uma grande parede do prédio ficou em pé e só será demolida posteriormente, para que os trabalhos dos bombeiros não cessem, apesar do perigo de desmoronamento.

De acordo com os bombeiros, pelo menos quatro dos corpos encontrados estavam próximos a uma escada que provavelmente foi usada como rota de fuga. Ao todo, pelo menos 5 pessoas ainda estão desaparecidas.

Os parentes das vítimas que não conseguirem identificar os corpos e que não tenham como pagar pelo exame de DNA poderão acionar a Defensoria Pública para que o Estado banque essa identificação. A defensoria tem um setor específico para este tipo de serviço. Caso o corpo de algum desaparecido não seja encontrado pelas equipes de resgate, a defensoria pode entrar com ações na Justiça para que a morte seja reconhecida.

Ainda há muita fumaça no local da tragédia, e pequenos focos de incêndio surgem a qualquer momento. O volume de fumaça, de poeira e um forte cheiro de queimado ainda são grandes no local dos desabamentos, apesar da chuva fina que cai no centro do Rio. Bombeiros usam máscaras para aliviar o cheiro.

Segundo o subcomandante do Corpo de Bombeiros, coronel Ronaldo Alcântara, os objetos pessoais e documentos que estão sendo encontrados entre os escombros são entregues à Polícia Militar. Ele disse que também já foram recolhidos quatro cofres que pertenceriam a empresas de contabilidade e que tiveram que ser tirados com guinchos, além de sete caixas eletrônicos da agência bancária do Itaú que funcionava no térreo de um dos prédios que caíram.

“Todos os objetos encontrados estão sendo entregues à Polícia Militar e os entulhos estão sendo levados para canteiros de obras da prefeitura na zona portuária”.

Cerca de 30 mil toneladas de escombros foram retiradas da área até o meio-dia desta sexta. O volume equivale a 60% do total dos escombros. Toda a região em volta dos três prédios que desabaram será mantida isolada, segundo as autoridades locais. Por segurança, quatro prédios que ficam próximos aos edifícios que desabaram estão fechados. Até o momento nenhum bombeiro se feriu nos trabalhos, mas destacou que há perigo de grandes pedaços de concreto de um dos prédios caírem inesperadamente, pois estão presos apenas pelas ferragens.

Os desabamentos ocorreram na quarta (25), por volta das 20h30, e atingiram três prédios antigos da região central do Rio. Um grupo de 80 homens do Corpo de Bombeiros, com o apoio da Polícia Militar e da Defesa Civil, trabalham na área. Vários bombeiros têm experiência em situações de risco e chegaram a ajudar durante os resgates no Haiti, quando houve o terremoto de 12 de janeiro de 2010.

Após os desabamentos, um vazio se abriu no centro da cidade. No local agora só há escombros e poeira. O governador do estado, Sergio Cabral, decretou luto de três dias em homenagem à memória das vítimas da tragédia.

Esperança

A notícia de que encontraram bolsões de ar renovou a esperança de parentes que aguardam informações sobre desaparecidos. O fotógrafo Luiz Cesar de Vasconcelos, irmão de Luís Leonardo, que trabalhava no quarto andar do Edifício Liberdade na empresa TO Tecnologia Organizacional, contou que assistentes sociais informaram que há uma parede de pé nos escombros, o que dificulta o trabalho por conta do risco de queda. Ele está desde as 22h de quarta-feira acompanhando as buscas.

De acordo com o subcomandante dos bombeiros, coronel Ronaldo de Alcântara, entre o nono e décimo pavimento houve sobreposição de lajes. Do décimo para cima, o que ocorreu foi um tombamento. Com isso, ele acredita que nos fundos do prédio, onde estão concentradas as buscas nesta manhã, as partes dos destroços sejam maiores, e há possibilidade de haver sobreviventes. A expectativa dele é que a maioria dos corpos esteja concentrada no mesmo ponto.

Feridos

Dos seis feridos, apenas Cristiane do Carmo, de 28 anos, continua internada. Ela chegou a ser operada no Hospital Souza Aguiar e foi transferida para a Casa de Portugal, no Rio Comprido. Ela passa bem, mas está em observação já que sofreu politraumatismo e uma severa laceração no couro cabeludo. Outras quatro pessoas foram hospitalizadas no Souza Aguiar, entre elas, Marcelo Antonio Moreira, zelador de um dos prédios, e Francisco Rodrigo da Costa, operário que trabalhava dentro de outro prédio que caiu e foi resgatado no elevador. O Hospital estadual Getúlio Vargas, na Penha, atendeu durante a noite de quarta-feira uma paciente de 48 anos, que chegou por conta própria contando que caiu após os desabamentos. Ela apresentava escoriações superficiais e também recebeu alta.

Voltar

Obras no interior do edifício seriam ilegais

No Edifício Liberdade, no número 44 da Avenida Treze de Maio, que foi o primeiro a ruir, estavam sendo realizadas duas reformas de grande porte no terceiro e no nono andares, mas nenhuma delas tinha registro no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio (Crea-RJ). A última obra de que se tem notícia por ali é de 2008.

"São obras irregulares, com certeza", disse o presidente da Comissão de Análise e Prevenção de Acidentes do Crea, o engenheiro Luiz Antonio Cosenza. "Já entramos em contato com a empresa para que informe quem eram os engenheiros responsáveis e que obras eram essas."

Os dois andares em questão eram ocupados pela empresa TO Tecnologia Organizacional. Sem o conhecimento de órgãos técnicos, a empresa só poderia fazer discretas intervenções. Não é o que estaria acontecendo. Há relatos de que quase todas as paredes de um dos andares haviam sido retiradas, o que pode ter sido crucial para o abalo estrutural.

Porém, o advogado da TO, Jorge Willians Soares, garante que os serviços executados se limitavam à troca de carpetes antigos e à pintura de paredes. Ele prometeu entregar documentos comprovando sua versão na 5ª DP (Gomes Freire), onde já foi aberto um inquérito. O delegado Alcides Alves de Moura já ouviu o depoimento de seis pessoas, entre testemunhas e donos de imóveis no Edifício Liberdade.

O operário Alexandro da Silva Fonseca, de 31 anos, que sobreviveu ao desmoronamento, confirmou, nesta sexta-feira (27), que foram retiradas paredes de alvenaria no 9º andar do prédio. Ele afirmou, no entanto, que a obra não alterou a estrutura do prédio (vigas, lajes e pilares). Fonseca não soube dizer se havia um engenheiro responsável pela reforma, no prédio de 20 andares.

“Acho que a obra não provocou o desmoronamento do prédio, porque nós não mexemos em nenhuma contenção [estrutura]”, ressaltou. O operário afirmou que a reforma que ocorre há duas semanas e meia serviu apenas para remover algumas paredes com a finalidade de trocar dois banheiros de lugar.

Os trabalhos de investigação sobre o desabamento dos prédios terão o acompanhamento de quatro arquitetos do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Rio de Janeiro (CAU-RJ). Eles vão atuar conjuntamente com as equipes da prefeitura e demais órgãos envolvidos na perícia sobre as causas do acidente.

Theatro Municipal

A Polícia Federal abriu um inquérito para apurar os danos ao Theatro Municipal depois do desabamento dos prédios. Ontem, quatro peritos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e dois agentes da PF fizeram uma vistoria no local. Os danos foram considerados superficiais: algumas janelas parcialmente ficaram quebradas, pequenos pedaços de reboco caíram e foram detectados problemas no maquinário do palco, por causa da poeira. Os responsáveis pelo desabamento podem ser indiciados por crime contra o patrimônio da União.

Voltar

Histórias interrompidas pela tragédia no Centro do Rio

"Mamãe, cadê você, mamãe?", perguntava na quinta-feira no Facebook a pequena Catharina, filha da auxiliar financeira Kelly Meneses. Por volta das 3h também de quinta-feira, o professor de biologia Flávio Porrozzi teria atendido uma ligação da namorada no celular e dito "Oi, meu amor". A ligação caiu e ele não atendeu mais.

O advogado Franklin Machado falava com a mulher, por telefone, quando a conversa foi subitamente interrompida. Desde então, parentes não têm mais notícias dele. Conheça as histórias de uma tragédia que deixa muito mais do que escombros.

Prejuízos

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) vai suspender os prazos processuais das causas dos advogados que trabalhavam e mantinham escritórios nos três prédios que desabaram. Grande parte das mais de 60 salas funcionava como escritório de advocacia.

Em nota, o TJRJ explica que quer evitar mais prejuízos aos profissionais da área, além da perda de documentos e outros pertences. A medida também vale para os advogados que comprovarem que têm escritórios nas áreas interditadas próximas ao local do desastre. Nesse caso, a suspensão de prazos vale apenas para o período em que a interdição continuar, o que, segundo o TJRJ, não pode durar mais do que 30 dias.

Voltar

Voltar

Voltar

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Vida e Cidadania

PUBLICIDADE