Assinaturas Classificados
Seções
Anteriores
Publicidade

Tubo de Ensaio

Quem faz o blog
Seções
2009 – Ano Internacional da Astronomia
A ciência torna obsoleta a crença em Deus?
Artigos
Astronomia
Ateísmo
Bioética
Budismo
Catolicismo
Criação, evolução e Design Inteligente
Debates
Entrevistas
Espiritismo
Filmes e DVDs
Filosofia da ciência
Hinduísmo
História da relação entre ciência e fé
Igreja Ortodoxa
Islamismo
Judaísmo
Livros
Medicina e fé
Meio ambiente
Milagres
Neurociência
O universo tem um propósito?
Origem do universo
Protestantismo
Tirinhas
Vídeos
Enviado por Marcio Antonio Campos, 16/04/14 4:47:40 PM

Eu tive algumas oportunidades de ver o papa João Paulo II. A primeira, em 1997, quando cobri sua visita ao Rio de Janeiro para a revista que fazíamos no curso de Jornalismo. Depois, em 1998, fui com amigos a Roma para a Semana Santa; em 2002, voltei a Roma, em outubro, para uma canonização. E também já visitei seu túmulo, no subsolo da Basílica de São Pedro, em março de 2006. Foi um pontífice extraordinário, e que também fez questão de deixar claro que ciência e fé podem andar juntas. É dele a declaração mais forte de um líder católico a respeito da compatibilidade entre a fé e a teoria da evolução, como bem sabemos.

João Paulo II será canonizado no fim de abril. Livro conta a história do milagre que levou à beatificação. (Foto: Max Rossi/Reuters)

João Paulo II será canonizado no fim de abril. Livro conta a história do milagre que levou à beatificação. (Foto: Max Rossi/Reuters)

Daqui a alguns dias o papa Francisco canonizará João Paulo II (e João XXIII, de quem também não podemos nos esquecer). Nove anos se passaram depois daquele “Santo Subito” na Praça de São Pedro, durante os funerais do papa polonês. Um passo intermediário rumo à canonização foi dado em maio de 2011, quando Bento XVI beatificou João Paulo II. O jornalista italiano Saverio Gaeta contou a história do milagre que abriu caminho para essa beatificação no livro O milagre do papa (editora Prumo, 2011, 103 páginas), que apresento hoje aos leitores do Tubo.

O livro é estruturado num crescendo. Primeiro, narra o impacto que a vida (e a morte) de João Paulo II teve sobre várias pessoas, de diversas nacionalidades, católicas e não católicas. Depois, passa a relatar algumas graças recebidas e atribuídas à intercessão do pontífice: uma gravidez complicada, um emprego conquistado… a seguir, narra brevemente alguns relatos que realmente poderiam ser considerados milagrosos: o caso de uma criança no Chile que sofria de enterocolite necrotizante e já tivera a maior parte do intestino retirado cirurgicamente, a ponto de só poder se alimentar por via introvenosa, mas que subitamente recuperou parte do órgão; curas repentinas de câncer e lesões vertebrais, um bebê que se manteve vivo no útero da mãe por semanas, apesar da perda do líquido amniótico, que depois voltou a se formar; enfim, casos extraordinários, mas nos quais os responsáveis pela causa de beatificação de João Paulo II não reuniram todos os elementos necessários para atestar o milagre e a intercessão do papa.

O caso da freira francesa Marie Simon Pierre, no entanto, foi diferente, cumprindo todos os requisitos para que fosse a cura que o Vaticano aceitou como milagrosa para a beatificação de João Paulo II. A religiosa sofria do Mal de Parkinson, diagnosticado em 2001, mas a doença e todos os seus sinais desapareceram subitamente em 2 de junho de 2005, dois meses depois do falecimento de João Paulo II. No dia seguinte, ela interrompeu o tratamento, e no dia 17 de junho seu neurologista atestou que não havia nenhum sinal da doença.

A irmã Maria Simon Pierre, em entrevista realizada hoje, na França: cura instantânea do Mal de Parkinson, em 2005, foi atribuída à intercessão de João Paulo II e levou à beatificação do papa, em 2011. (Foto: Jean-Paul Pellissier/Reuters)

A irmã Marie Simon Pierre, em entrevista realizada hoje, na França: cura instantânea do Mal de Parkinson, em 2005, foi atribuída à intercessão de João Paulo II e levou à beatificação do papa, em 2011. (Foto: Jean-Paul Pellissier/Reuters)

Gaeta narra brevemente a vida da religiosa, formada em Enfermagem e dedicada aos recém-nascidos do setor de Neonatologia de um hospital na França, desde a infância até o surgimento da doença, cujos primeiros sinais datavam de 1998, quando a freira tinha 37 anos. Ela atribuía os primeiros tremores ao cansaço e à sobrecarga de trabalho, mas seu estado foi se deteriorando, apesar do diagnóstico e do tratamento, que chegou a incluir 25 comprimidos diários.

Seis dias depois da morte de João Paulo II, duas freiras que viviam com a irmã Marie Simon compõem uma oração ao papa pedindo a cura da religiosa, e passam a rezá-la; a congregação inteira, depois, se juntará ao esforço. Mesmo assim, a doença progride a ponto de uma freira encontrar Marie Simon desmaiada sobre sua escrivaninha. Era o dia 1.º de junho. Na noite daquele dia e na madrugada do dia 2, a freira percebe que consegue escrever com caligrafia clara; ela se movimenta e consegue trabalhar sem esforço.

capa do livro O Milagre do Papa, do jornalista Saverio Gaeta

O jornalista Saverio Gaeta contra no livro, além do milagre aprovado pela Igreja, outros casos de graças e curas atribuídas à intercessão do papa. (Foto: Divulgação)

A investigação médica começou em março de 2006. Foram quatro anos até que os especialistas declarassem que se tratava de uma cura inexplicável. Foram analisadas todas as hipóteses, inclusive a de que Marie Simon não sofria de Parkinson (o raciocínio era: “o Parkinson é incurável; a freira ficou curada; portanto, não sofria de Parkinson, mas de alguma outra coisa”). O exame rigoroso não encontrou nada que indicasse que a doença da religiosa era algo diferente de Parkinson, e nenhuma hipótese científica explicou como, de um instante para o outro, a doença havia simplesmente desaparecido.

O milagre é uma dessas fronteiras entre a ciência e a religião, e suas características tornam difícil, às vezes, aceitar a hipótese de uma intervenção que supera as leis da natureza. Por isso é especialmente interessante a entrevista que Gaeta faz com o cardeal português José Saraiva Martins, que comandou a Congregação para as Causas dos Santos entre 1998 e 2008, e que fecha o livro. Boa parte dela é uma reflexão teológica sobre o que faz de alguém um santo, e uma explicação do processo que culmina com a canonização, mas o cardeal também oferece informações sobre o exame científico dos casos que chegam à Congregação, como a existência de juntas médicas formadas por especialistas; quando Saraiva Martins deu a entrevista, o Vaticano contava com 70 médicos, muitos dos quais professores universitários.

É mais para o fim da entrevista que surge o tema dos milagres do ponto de vista científico, com distinções interessantes: há os milagres que superam as forças da natureza pelo fato em si (fatos que a natureza não pode realizar); os milagres que superam as forças da natureza não pelo fato, mas pelo sujeito em quem se opera o fato (a ressurreição de um morto, por exemplo); e, por último, o que supera as forças da natureza não pelo fato, nem pelo sujeito, mas pelo modo como se opera (é o caso das curas instantâneas). De qualquer maneira, uma cura, para ser considerada milagrosa, precisa obedecer a certos requisitos: deve ser inexplicável à luz da ciência médica; e deve ser instantânea, completa e duradoura. Se falhar minimamente em algum desses aspectos, o caso é descartado. É isso que os cientistas convocados pelo Vaticano atestam; não são eles que declaram haver milagre. Essa tarefa é dos teólogos, que examinam o parecer dos médicos e analisam o aspecto sobrenatural do fato: se foi ou não milagroso, e se pode ser atribuído à intercessão de alguém junto a Deus.

——

Você pode seguir o Tubo de Ensaio no Twitter e curtir o blog no Facebook!

Enviado por Marcio Antonio Campos, 07/04/14 5:57:24 PM

Finalmente consegui assistir ao debate entre Bill Nye e Ken Ham. Não achei uma versão legendada (assim como também não achei uma transcrição completa do debate — se os leitores encontrarem, é só avisar pelos comentários), então fico aqui com o vídeo “oficial”, no canal do Answers in Genesis no YouTube (o debate pra valer começa no minuto 13, podem pular direto pra lá):

O tema que norteou o debate era “a criação é um modelo viável para explicar as origens nessa era científica?”. Mais do que descrever o debate, porque melhor é que todos assistam, deixo a minha opinião a respeito do que Ham (cujo sotaque australiano me lembrou da única vez que eu conversei com uma pessoa em inglês sem entender quase nada do que ela dizia) e Nye disseram. Para começar, deixo bem claro que não tenho exatamente um lado nessa questão. Sem dúvida concordo com Ken Ham sobre a existência de um Deus criador, e sobre a autoridade da Bíblia como palavra de Deus. Mas rejeito completamente suas interpretações da Bíblia. E fico com Bill Nye sobre a superioridade da teoria da evolução como a melhor explicação para a diversidade da vida no planeta.

Em primeiro lugar, houve uma dose considerável de digressão. Considerando que foi um debate de duas horas e meia, quem sabe seja até aceitável. Não creio que estivesse em questão, por exemplo, o fato de uma pessoa poder ou não poder ser um bom cientista simplesmente por ser criacionista (se bem que, nessa época em que se discute se um gênio da tecnologia pode ou não pode comandar uma empresa de tecnologia por causa de suas opiniões sobre união homossexual, talvez a discussão não seja tão estúpida como parece. E efetivamente a imprensa às vezes coloca “criacionistas” contra “cientistas” como se fossem categorias excludentes entre si). Em outras ocasiões a discussão chegou a ser surreal, como o debate sobre as habilidades de Noé como construtor de navios, já que sua arca, a julgar pela descrição bíblica, só não seria maior que os grandes transatlânticos do século 20.

"Como é que eu vim parar nesse debate?" (Foto: Divulgação)

“Como é que eu vim parar nesse debate?” (Foto: Divulgação)

Ham fez uma série de observações sensatas: disse, por exemplo, que a evolução vem sendo “sequestrada” para promover o ateísmo (isso é algo com que inclusive evolucionistas religiosos, como Karl Giberson e Ken Miller, concordam); que o criacionista e o evolucionista partem das mesmas evidências (o DNA, as estrelas, os cânions etc.); que, por mais que haja uma controvérsia forte sobre criação e evolução, não é isso que determina o destino eterno das pessoas (ninguém irá para o inferno ou para o céu por ser criacionista, evolucionista, defensor do Design Inteligente ou o que for). O problema de Ham é a interpretação um tanto peculiar que ele faz da Escritura, considerando o Gênesis totalmente literal — por exemplo, ele nega a evolução com base no fato de ser impossível haver morte antes do pecado original, um tema de que já tratamos aqui no blog, quatro anos atrás.

Nye, por sua vez, gastou boa parte do tempo que teve à disposição tentando mostrar as evidências em favor da evolução. Mostrou que as “lacunas” estão sendo fechadas, falou de todas as evidências a respeito da idade do universo e da Terra, enfim, deu um banho de ciência. E citou Francis Collins (não pelo nome, se não me engano; Nye se referiu ao “diretor do NIH”) como prova de que muitas pessoas de fé abraçam as descobertas da ciência (incluindo a teoria da evolução) e de que muitos cientistas têm fé, uma conciliação que Ham não sabe fazer. O que me pergunto é se tudo o que Nye apresentou é realmente a estratégia mais adequada para se debater com um criacionista.

ken ham e bill nye em debate sobre criação e evolução

Ken Ham (à direita) e Bill Nye (à esquerda) discutiram civilizadamente por duas horas e meia, mas não chegaram a nenhum ponto de consenso. (Foto: screenshot do YouTube)

Quem se lembra da entrevista que William Lane Craig deu ao blog, em 2012, vai se recordar de suas palavras sobre a melhor maneira de desacreditar um criacionista: atacar não a sua ciência, mas suas crenças religiosas. E Ham levantou (involuntariamente, claro) várias vezes a bola para Nye cortar, mas o “Science Guy” não cortou. Várias vezes Ham deixou claro que defendia a leitura do Gênesis como 100% literal — ele inclusive deu uma aulinha, mais para o fim do debate, sobre o que é e o que não é literal na Bíblia, citando os conteúdos poéticos, proféticos e morais. Mas o Gênesis não é nem poesia, nem profecia, nem moral: é história, disse Ham, e por isso deve ser interpretado literalmente. Mas, se é assim, por que o relato do capítulo 1 tem o homem criado depois dos animais, e no capítulo 2 ele é criado antes? Por que o dia e a noite são criados antes do Sol e da Lua? Por que num relato o homem e a mulher são criados simultaneamente, e em outro a mulher é criada depois do homem? São contradições que mesmo cristãos do fim da Antiguidade, como Orígenes, identificaram, e que poderiam deixar Ham em maus lençóis, caso Nye as tivesse mencionado. Mas não mencionou.

Acho que todo o debate pode ser resumido em uma pergunta da plateia que aparece lá por 2h04 de filme, e que é algo como “o que faria você mudar de ideia?” Nye deixou claro, ali e em outras ocasiões durante o debate, que bastava uma evidência. “Se vocês acharem um exemplo que confirme o seu modelo, vocês mudarão o mundo”, havia dito ele anteriormente. Ham, por outro lado, se mostrou inflexível, apoiando-se no fato de a Bíblia ser a palavra de Deus; e, se ela é o que diz ser (voltaremos a isso depois), então o que está lá é verdadeiro em sua interpretação literal (daquilo que deve ser interpretado literalmente, claro). Eu, particularmente, acho que “se a Bíblia é verdadeira, então a Terra tem 6 mil anos” é um tremendo de um non sequitur. E uma coisa que passa batida muitas vezes é que a Bíblia propriamente dita não diz nem o que é inspirado e o que não é, e nem como se deve interpretar cada um de seus livros. É um fato ressaltado por católicos quando discutem com protestantes sobre o Sola Scriptura. Quem diz, por exemplo, que as cartas de São Paulo aos coríntios são inspiradas, mas o Pastor de Hermas não é? Essa resposta não está na Bíblia, mas na autoridade dos primeiros cristãos reunidos em concílios. O mesmo vale para a interpretação da Escritura. Ham ignora o sábio conselho do cardeal inquisidor São Roberto Belarmino, em sua (já citada aqui) carta a Antonio Foscarini, escrita durante o processo de Galileu: “Digo que se houvesse uma verdadeira demonstração de que o Sol está no centro do mundo e a Terra no terceiro céu, e que o Sol não circunda a terra, mas a Terra circunda o Sol, então seria preciso ir com muita consideração em explicar as Escrituras que parecem contrárias, e antes dizer que não as entendemos do que dizer que é falso o que se demonstra”.

E vocês, viram o debate? O que acharam dos argumentos apresentados?

——

Você pode seguir o Tubo de Ensaio no Twitter e curtir o blog no Facebook!

Enviado por Marcio Antonio Campos, 02/04/14 4:03:18 PM

Eu não falei, outro dia, que o Brasil estava lentamente entrando na rota dos grandes eventos de ciência e fé? Os cursos do Instituto Faraday já estão vindo, as datas e cidades ainda não foram confirmadas (Curitiba está forte no páreo), mas quem gosta do tema já pode se programar para o feriadão de 1.º de maio, pois a comunidade evangélica Sara Nossa Terra está organizando uma conferência de peso.

Cícero Urban, especialista em Bioética e professor na PUCPR e na Universidade Positivo

O oncologista Cícero Urban, especialista em Bioética e professor na PUCPR e na Universidade Positivo, é um dos palestrantes do evento que ocorre em maio, em São Paulo. (Foto: Marcio Antonio Campos/Gazeta do Povo)

O evento Ciência e fé — podem andar juntas? vai reunir palestrantes brasileiros (inclusive curitibanos) e estrangeiros durante três dias para palestras sobre diversos temas que compõem a relação entre ciência e religião: bioética, astronomia, origem do universo, criação e evolução, história…

Karl Giberson, defensor da teoria da evolução e de sua compatibilidade com o Cristianismo

Karl Giberson, defensor da teoria da evolução e de sua compatibilidade com o Cristianismo, é um dos convidados internacionais da conferência. (Foto: Divulgação/HarperCollins)

Posso dizer com orgulho que tive uma parcela de participação nisso tudo. Ano passado, o bispo Robson Rodovalho, líder da Sara Nossa Terra, já tinha comentado comigo sobre seu desejo de realizar um grande congresso de ciência e fé em 2014, e pediu minha ajuda para selecionar bons nomes que pudessem dar palestras. Alguns dos preletores do evento de maio, portanto, estão lá por sugestão minha. E preciso elogiar a abertura de Rodovalho, que não fez absolutamente nenhuma objeção em relação a religião ou orientação filosófica dos palestrantes. Dou apenas um único exemplo: apesar de Rodovalho se inclinar um pouco pelo Design Inteligente, ele aceitou com entusiasmo a possibilidade de trazermos Karl Giberson, um dos principais defensores da teoria da evolução entre a comunidade evangélica norte-americana, para falar justamente sobre a compatibilidade entre o Cristianismo e a evolução. Destaco também as presenças do historiador britânico Allan Chapman, da Universidade de Oxford; do curitibano Cícero Urban, especialista em Bioética; e de Francisco Borba, do Núcleo de Fé e Cultura da PUC-SP. Vocês podem ver no site a lista completa de palestrantes (meu nome está lá também, mas não darei palestras; eu vou apenas mediar mesas-redondas com os palestrantes ao fim dos dois primeiros dias da conferência).

Misticismo e saúde

A Universidade Rosa-Cruz Internacional vai realizar em Curitiba, entre sexta-feira e domingo, o seu segundo congresso, com o tema “Misticismo e saúde numa perspectiva transdisciplinar”. Copio a seguir um trecho da apresentação do evento:

A estrutura prevista para a realização das atividades enfoca a reflexão teórico-prática no campo onde se situam os Conhecimentos Tradicionais da nossa (rosa-cruz) e de outras Tradições, por meio de conferências ministradas por especialistas convidados que irão discorrer sobre a Parapsicologia e sua representante no meio científico, a Psicologia Anomalística; as Práticas Integrativas e Complementares e a Política a elas associadas como enfatiza a Organização Mundial de Saúde; e, é claro, proporcionar-se-á um aprofundamento sobre o Conhecimento Tradicional Rosacruz em Saúde.

diversas modalidades de inscrição: a mais básica, que dá direito a assistir às palestras do congresso, custa R$ 220.

Aviso: O Instituto Faraday, mencionado neste post, concedeu uma bolsa para o blogueiro fazer um curso sobre ciência e religião em Cambridge em julho de 2011.

——

Prêmio Top Blog, novamente somos finalistas!
Obrigado a todos que votaram no Tubo nesta edição 2013 do Prêmio Top Blog! Somos novamente finalistas na categoria ”Religião/blogs profissionais” pelo voto popular, a mesma categoria que o blog venceu em 2010 e 2011. A cerimônia de premiação, em que finalmente saberemos se o Tubo vai conquistar o tricampeonato, ocorre em São Paulo, na noite de 25 de abril. Infelizmente será impossível eu estar presente, pois é uma sexta-feira, mas, de qualquer maneira, fica o meu agradecimento aos leitores que votaram e fizeram campanha pelo blog, pois são vocês que nos dão mais visibilidade!

——

Você pode seguir o Tubo de Ensaio no Twitter e curtir o blog no Facebook!

Enviado por Marcio Antonio Campos, 21/03/14 5:31:08 PM
Dados do telescópio Bicep2 (à esquerda na foto) deram aos cientistas mais informação sobre os primeiros momentos do universo. (Foto: Steffen Richter/Harvard University/National Science Foundation)

Dados do telescópio Bicep2 (à esquerda na foto) deram aos cientistas mais informação sobre os primeiros momentos do universo. (Foto: Steffen Richter/Harvard University/National Science Foundation)

A notícia científica do mês (ainda é cedo pra dizer que é a notícia do ano, mas de cara é forte candidata) é o anúncio da descoberta de indícios fortíssimos de que realmente houve uma “inflação cósmica” nas primeiríssimas frações de segundo após o Big Bang. Para entender melhor a descoberta e sua repercussão, selecionei algumas reportagens da Folha, da Veja, da New Scientist e do Huffington Post britânico. A New Scientist, inclusive, montou um vídeo para explicar a descoberta usando uma toalha:

Claro que, com uma descoberta dessas, muitos querem saber que tipo de consequência isso pode ter sobre a fé das pessoas, e alguns já se pronunciaram a respeito do tema. Vejam, por exemplo, o caso de Nathan Aviezel, ou o de Hugh Ross e Leslie Wickman. Mas meu amigo Alexandre Zabot, astrônomo e professor da UFSC, não vê tanta razão para empolgação. “O Big Bang já estava mais do que confirmado. O que se descobriu agora foi muito importante para confirmar um ponto específico, que é a inflação cósmica. Mas o anúncio, em si, não acrescenta muita coisa à teoria, pois praticamente todos já davam o Big Bang por certo. Agora está mais certo ainda, e com uma certa ‘riqueza de detalhes’, por assim dizer. Eu particularmente não vejo razão para os religiosos darem pulos de alegria, porque só ficou mais confirmada uma coisa da qual já se tinha quase certeza: o universo teve um início”, diz Zabot, que é católico.

O problema que eu vejo está nessa associação íntima entre “início” e “criação”. Por um lado, por mais que Lawrence Krauss e Stephen Hawking tentem nos convencer do contrário, é impossível o universo ter surgido do nada sem um ato criador. Por outro lado, aprofundar nosso conhecimento sobre o início deste universo (digo “deste” porque, como sabemos, há teorias como o multiverso, ou de que pode haver um “Big Crunch”, uma contração do universo até o retorno ao ponto infinitamente minúsculo e denso, e o “nosso” Big Bang poderia ser o resultado de um Big Crunch anterior — mas isso são só teorias, deixemos bem claro) não necessariamente é a comprovação irrefutável da criação bíblica.

georges lemaitre

O padre Georges Lemaître, pai da teoria do Big Bang, teve de convencer o papa Pio XII a não usar a teoria como prova da existência de Deus. (Foto: Divulgação/Universidade Católica de Louvain)

Isso nos remete ao “pai” do Big Bang, o padre belga Georges Lemaître, indicado em 1936 para a Pontifícia Academia de Ciências pelo papa Pio XI. Seu sucessor, Pio XII, tinha um grande interesse por temas científicos, e ficou encantado com a teoria de Lemaître a ponto de ver nela uma comprovação da existência de Deus. Em novembro de 1951, Pio XII fez um discurso à Pontifícia Academia de Ciências (infelizmente só achei a versão em italiano) em que discorre longamente sobre descobertas recentes da ciência e sua relação com as provas filosóficas da existência de Deus.

“De fato, a verdadeira ciência (…) quanto mais avança, tanto mais descobre a Deus, quase como se Ele estivesse esperando atrás de cada porta que a ciência abre.”

O papa se baseou em dois pontos específicos: a mutabilidade, ou instabilidade, do universo; e a organização que o caracteriza. Especialmente esse segundo ponto alarmou Lemaître. No discurso, Pio XII listava uma série de fatos científicos sobre o universo e a Terra, e acrescentava:

“Se essas cifras podem nos deixar atônitos, por outro lado ao mais simples dos crentes elas não trazem um conceito novo e diferente daquele contido nas primeiras palavras do Gênesis, ‘no princípio’, ou seja, o início das coisas no tempo. A essas palavras, elas [as cifras sobre o universo] dão uma expressão concreta e quase matemática.”

E prosseguia:

“É inegável que uma mente iluminada e enriquecida pelas modernas descobertas científicas, e que avalie esse problema serenamente, é levada a romper o cerco de uma matéria de todo independente e autóctone — ou porque incriada, ou porque criada por si mesma — e a chegar a um Espírito criador. Com o mesmo olhar límpido e crítico com o qual examina e julga os fatos, entrevê e reconhece a obra da onipotência criadora, cuja força, agitada pelo potente fiat pronunciado milhões de anos atrás pelo Espírito criador, se espalhou pelo universo, chamando à existência com um gesto de amor generoso a matéria exuberante de energia. Realmente parece que a ciência moderna, olhando para milhões de séculos atrás, conseguiu se tornar testemunha daquele primordial Fiat lux, pelo qual do nada irrompe, com a matéria, um mar de luz e radiação, enquanto as partículas químicas dos elementos se separam e se reúnem em milhões de galáxias.”

Mais para o fim do discurso, arrematava, dizendo que a ciência confirmava,

“com a concretude própria das provas físicas, a contingência do universo e a fundamentada dedução sobre a época em que o cosmo saiu das mãos do Criador. A criação no tempo, então; e, portanto, um Criador: Deus! É essa a voz, ainda que não explícita e nem completa, que Nós pedíamos à ciência, e que a atual geração humana espera dela.”

Pio XII tinha muito interesse por temas científicos, mas precisou ser alertado para não avançar o sinal com o Big Bang. (Foto: CNS)

Pio XII tinha muito interesse por temas científicos, mas precisou ser alertado para não avançar o sinal com o Big Bang. (Foto: CNS)

Isso não soava nada bem para o padre Lemaître, que desejava ver suas teorias científicas apreciadas pelo mérito puramente científico, e não por possíveis implicações metafísicas. Quando soube que Pio XII faria um novo discurso, desta vez à União Astronômica Internacional, o padre belga aproveitou uma viagem à África do Sul para fazer uma parada em Roma e conversar com o padre O’Connell, assessor do papa para temas científicos. Lemaître queria dissuadir o papa de usar o Big Bang como prova da existência de Deus. Pelo jeito funcionou, porque Pio XII nunca mais tocou no assunto.

——

Você pode seguir o Tubo de Ensaio no Twitter e curtir o blog no Facebook!

Enviado por Marcio Antonio Campos, 18/03/14 2:56:03 PM
A PUCPR está na briga para sediar um curso do Instituto Faraday no segundo semestre deste ano. (Foto: Antônio More/Gazeta do Povo)

A PUCPR está na briga para sediar um curso do Instituto Faraday no segundo semestre deste ano. (Foto: Antônio More/Gazeta do Povo)

Está confirmado: depois de passar por México e Guatemala, o pessoal do Instituto Faraday para Ciência e Religião, da Universidade de Cambridge, está de viagem marcada para a América do Sul. A página de cursos da instituição já tem a data e o local de um curso na Argentina: 16 e 17 de outubro, na Universidade Austral (quem quiser fazer a dobradinha já pode ficar para o VIII Congresso Latino-Americano de Ciência e Religião, que ocorre de 20 a 22 de outubro em Buenos Aires).

Mas o melhor é que o tour sul-americano inclui também o Brasil! A diretora de cursos do Faraday, Hilary Marlow, confirmou ao blogueiro que haverá pelo menos um evento no Brasil. Essa possibilidade já tinha sido levantada no ano passado, e vocês leram sobre isso aqui no blog, mas na época se falava em trazer os cursos para cá em 2015. Pelo jeito o pessoal em Cambridge decidiu que a hora era agora. Hilary me disse que eles ainda não fecharam o local, nem a data. Como eu tinha dito no ano passado, candidatos não faltam.

E a lista inclui Curitiba: no mês passado, o Instituto Ciência e Fé da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) enviou ao Faraday a proposta oficial com as linhas principais de um eventual curso na capital paranaense. Como aparentemente o Faraday ainda não definiu o número de cursos no Brasil, e já em outubro do ano passado eles falavam em mais de um curso, dada a extensão territorial do nosso país, vamos cruzar os dedos. Eu tive acesso ao projeto da PUCPR e está bem de acordo com o que Cambridge costuma pedir nessas ocasiões.

Aviso: O Instituto Faraday, mencionado neste post, concedeu uma bolsa para o blogueiro fazer um curso sobre ciência e religião em Cambridge em julho de 2011.

——

Você pode seguir o Tubo de Ensaio no Twitter e curtir o blog no Facebook!

Enviado por Marcio Antonio Campos, 14/03/14 11:30:14 AM
Neil DeGrasse Tyson apresenta "Cosmos"

Neil DeGrasse Tyson, um dos muitos cientistas que foram inspirados por Carl Sagan, apresenta a nova versão de “Cosmos”. (Foto: Divulgação/NatGeo/Fox)

Assisti ontem à estreia brasileira da versão repaginada de Cosmos, a série que fez um sucesso estrondoso nos anos 80, apresentada por Carl Sagan, e que ganhou um remake com a apresentação de um pupilo seu, Neil DeGrasse Tyson. Eu me lembro muito vagamente de a Globo ter exibido a série original, mas não lembro se cheguei a assistir alguma coisa naquela época. Visualmente, o novo programa é um espetáculo, graças a recursos que não existiam na época de Sagan. A série também parece ter sido “atualizada” (tenho a impressão de que as teorias de multiverso eram inexistentes ou pelo menos irrelevantes quando da série original). Em resumo, gostei muito e farei o possível para assistir aos novos episódios, que se não me engano irão ao ar sempre às quintas-feiras, às 22h30, no canal NatGeo (a estreia de ontem foi apresentada simultaneamente em diversos outros canais, como quase todos os da Fox).

Mas houve um sério escorregão no episódio de ontem. Um escorregão que consumiu quase um quarto do programa, e a essa altura o leitor do Tubo que viu Cosmos ontem já está imaginando que vou falar do segmento animado sobre Giordano Bruno. A própria escolha de Bruno como o personagem histórico que anima o episódio de estreia já é bem questionável, afinal o próprio Tyson diz, após a animação, que ele não era um cientista, mas um cara que “adivinhou certo”. Se é assim, por que não usaram um cientista de verdade? Copérnico, Galileu, Kepler, Brahe… todos meio contemporâneos de Bruno e muito mais relevantes para a ciência. Dei uma pesquisada e parece que na série original de Carl Sagan a figura histórica que ilustrava o primeiro episódio não era Bruno, mas Hipácia de Alexandria.

Giordano Bruno em animação de "cosmos"

Giordano Bruno é retratado em “Cosmos” como um sujeito doce que só queria convencer o mundo de que o universo era bem maior do que se imaginava, e foi queimado por isso. A realidade, no entanto, é bem diferente. (Imagem: Divulgação/NatGeo/Fox)

A história de Bruno, no entanto, é tentadora demais para deixar de fora de um negócio desses… o problema é que o Bruno da realidade pouco corresponde ao da lenda que agora tem versão animada. Aliás, falando em animação, um de seus trechos é inspirado numa edição de De Rerum Natura. Ouvimos, no programa, que Bruno tinha uma queda por livros proibidos, e o vemos retirando uma tábua do chão para pegar a obra de Lucrécio. Ele é descoberto enquanto lê e posto para fora do que parece ser uma casa dos dominicanos. O problema é que De Rerum Natura aparentemente nunca esteve no Index de livros proibidos da Inquisição. Aliás, a obra toda decorada que Bruno lê, e de onde saem os anjinhos que explicam a teoria do universo infinito, é uma edição de 1483 feita para… um papa, no caso Sixto IV. Mas antes fosse esse o principal problema.

O que ficamos sabendo de Giordano Bruno por meio do desenho animado é que ele saiu pregando a teoria heliocêntrica, acrescida da noção de que a Terra era apenas um de infinitos mundos (agora não lembro se o programa mencionava que esses mundos, segundo Bruno, também eram habitados por seres inteligentes), e por isso se encrencou muito, mas muito mesmo, não só com a Igreja Católica, mas também com as recém-criadas comunidades protestantes. O programa ainda descreve Bruno como um pioneiro dessa noção de “mundos infinitos”, omitindo que, antes dele, Nicolau de Cusa tinha tratado do tema — e passado ileso pela Inquisição. Vemos Bruno ser preso e mantido nos cárceres da Inquisição por oito anos. E, enfim, ele é condenado. Só então ouvimos o inquisidor, com aquela cara de mau em oposição ao cândido Bruno, condená-lo por uma série de acusações que são as verdadeiras: negar a doutrina católica sobre a natureza de Cristo (que, para Bruno, não era o Filho de Deus, mas um mágico muito bom), a Santíssima Trindade, a Eucaristia, a virgindade de Maria, o destino eterno das almas… sim, a condenação também mencionava a tese dos infinitos mundos, mas bem longe das razões principais que levaram Bruno à fogueira. Aliás, como explica Jole Shackelford, da Universidade de Minnesota, em seu ensaio sobre Bruno no livro Galileo goes to jail (que os produtores de Cosmos pelo jeito não leram), os inquisidores pareciam mais preocupados com a ideia de esses mundos serem habitados que pela noção propriamente dita de um universo infinito com muitos planetas.

Para retratar o sonho de Giordano Bruno, a animação se inspirou na famosa gravura por vezes atribuída a Camille Flammarion. (Imagem: Divulgação/NatGeo/Fox)

Para retratar o sonho de Giordano Bruno, a animação se inspirou na famosa gravura por vezes atribuída a Camille Flammarion. (Imagem: Divulgação/NatGeo/Fox)

Mas a essa altura já é tarde. O espectador passa a animação inteira vendo Bruno arrumar problemas por sua visão de um universo infinito com planetas infinitos; não é a breve leitura da sentença que vai apagar da cabeça da audiência a noção de causa e efeito entre “ideias de Bruno sobre Astronomia” e “condenação de Bruno pela Inquisição”. E quem não conhecia a história acaba sendo exposto à lenda de um Giordano Bruno mártir da ciência, quando a verdade estava bem distante.

 

——

Prêmio Top Blog, obrigado pelos votos!
Tubo de Ensaio mais uma vez (pelo quarto ano seguido, para sermos mais exatos) ficou entre os 100 blogs mais votados na categoria “Religião/blogs profissionais” do prêmio Top Blog e a votação terminou em 10 de março. Queria agradecer aos leitores pelos votos e pela divulgação que vocês fizeram, tanto na primeira quanto na segunda fase. Em 2010 e 2011, o Tubo venceu a categoria “Religião/blogs profissionais” pelo voto popular, e no dia 20 de março saberemos se o blog estará entre os finalistas, seja pelo voto popular, seja pela avaliação do júri acadêmico.

——

Você pode seguir o Tubo de Ensaio no Twitter e curtir o blog no Facebook!

Enviado por Marcio Antonio Campos, 27/02/14 11:35:26 AM
casa rosada, em buenos aires

A Casa Rosada, mais um ícone da cidade que vai receber o VIII Congresso Latino-Americano de Ciência e Religião (Foto: Marcio Antonio Campos/Gazeta do Povo)

Algumas situações me deixaram longe do blog por três semanas, mas volto com mais informações sobre o tema do meu último post, o VIII Congresso Latino-Americano de Ciência e Religião, que será realizado em Buenos Aires no próximo mês de outubro, com o tema “A sacralidade da vida em uma terra habitável para todos”. O evento ainda não tem site oficial (deve estar no ar na semana que vem, segundo o padre Lucio Florio), mas já está aceitando inscrições de interessados em participar do congresso, apresentando seus trabalhos. Os formatos são os mais diversos: desde as tradicionais apresentações individuais até pôsteres, painéis com vários participantes, filmes, e obras ou intervenções artísticas. Mas atenção, porque cada formato tem exigências diversas, seja na preparação do resumo ou no envio de material como trechos do filme ou fotos das obras. Os dois arquivos PDF abaixo explicam com detalhes os temas contemplados no congresso e as instruções para os interessados em participar.

VIII Congreso Latinoamericano de Ciencia y Religion (esp) (em espanhol)

VIII Latin-American Conference on Science and Religion (eng) (em inglês)

Os dois arquivos têm um modelo da ficha de inscrição. Infelizmente ainda não há uma versão em português.

Como o evento ainda não tem site oficial, por enquanto as dúvidas só podem ser resolvidas pelo e-mail cienciayreligion@seminariorabinico.org.ar

E desde já aviso: teremos outros grandes eventos de ciência e fé a caminho, desta vez no Brasil!

——

Prêmio Top Blog, hora da segunda fase!
O Tubo de Ensaio mais uma vez ficou entre os 100 blogs mais votados na categoria “Religião/blogs profissionais” do prêmio Top Blog. Agora, começou uma nova votação que vai até 10 de março. Quem já votou na primeira fase pode votar novamente. Para votar no Tubo, basta você clicar aqui ou no banner ao lado. Cada conta de e-mail só pode votar uma vez no mesmo blog, mas nada impede que, com uma mesma conta de e-mail, você possa votar em vários blogs de sua preferência. Da mesma forma, você pode votar no Tubo mais de uma vez se tiver duas ou mais contas de e-mail. Basta preencher, no alto da página do prêmio, seu nome e e-mail. Você receberá uma mensagem com um link para confirmar seu voto. Também é possível votar pelo Facebook e pelo Twitter. Em 2010 e 2011, o Tubo venceu a categoria “Religião/blogs profissionais” pelo voto popular, e contamos com a ajuda dos leitores para chegar ao tricampeonato.

——

Você pode seguir o Tubo de Ensaio no Twitter e curtir o blog no Facebook!

Enviado por Marcio Antonio Campos, 29/01/14 12:23:06 PM
Foto de Buenos Aires

Um bom motivo para conhecer ou rever a capital argentina: em outubro, o VIII Congresso Latino-Americano de Ciência e Religião ocorrerá em Buenos Aires. (Foto: Marcio Antonio Campos/Gazeta do Povo)

Está confirmadíssimo: Buenos Aires, a capital argentina, será a sede do VIII Congresso Latino-Americano de Ciência e Religião, que ocorrerá entre 20 e 22 de outubro. A informação é do padre Lucio Florio, presidente do conselho de administração da Fundação Diálogo entre Ciencia y Religión (DeCyR). É a terceira vez que o evento ocorre na Argentina, e a segunda em Buenos Aires (o Brasil foi sede do VII Congresso, em 2012, no Rio).

O tema deste ano será “A sacralidade da vida em uma terra habitável para todos” e, além da DeCyR, participam da organização do evento a Universidade Popular Autônoma do Estado de Puebla (Upaep), no México (que também tem um instituto de ciência e fé, o Cecir), e o Instituto Elie Wiesel, do Seminário Rabínico Latino-americano Marshall T. Meyer — o congresso ocorrerá exatamente neste seminário.

De acordo com o material prévio a que tive acesso, o objetivo principal do evento é discutir a questão da convivência e da condição humana em uma época no qual o progresso científico e tecnológico proporciona diversas melhorias ao ser humano, mas também torna possível a destruição do próprio ambiente em que vivemos. “O dom da vida engloba uma pluralidade assombrosa de seres dos quais nos sentimos interdependentes e guardiões (cf. Salmo 8); de modo particular, compreende o próximo”, diz o texto introdutório. “A alta complexidade destes desafios exige necessariamente uma abordagem interdisciplinar e um intercâmbio entre os diversos campos da pesquisa. Ao mesmo tempo, esta tarefa de diálogo precisa de outros estratos do conhecimento não exclusivamente científicos ou tecnológicos (…) as disciplinas vinculadas ao pensamento filosófico e religioso parecem ser convocadas quando questões bioéticas e ecológicas se transformam em algo urgente, que escapa aos próprios limites impostos pelo método particular e modificam abertamente as bases da vida de cada indivíduo e do planeta, colocando em risco o próprio futuro da humanidade”, diz, ainda, o texto.

Ainda não há uma programação definida, mas sabe-se que o congresso terá palestras, apresentações individuais, pôsteres, painéis, criações artísticas e vídeos. Em breve teremos os detalhes para os interessados em participar, mas já temos os assuntos das sessões, agrupadas no tema “criação e finitude: a natureza e o lugar do ser humano”. A sessão 1 tratará de “biodiversidade e meio ambiente”; a sessão 2, de “vida humana”; a sessão 3 será sobre “imaginando a sustentabilidade do lar comum para as gerações futuras”; e a sessão 4 tem como tópico a “história da vida”.

Como católico, não posso deixar de ver na escolha do tema um reflexo da pregação do papa Francisco, que tratou com muita ênfase do tema da sustentabilidade (mas também vejo ecos de Bento XVI, que alertava contra uma preocupação ambiental que não levasse em conta a prioridade do ser humano). E não é à toa que uma das pessoas mais entusiasmadas com o congresso, segundo o padre Florio, seja o rabino Abraham Skorka, um grande amigo do pontífice. Skorka, aliás, tem doutorado em Química pela Universidade de Buenos Aires e tem artigos publicados nessa área. No livro Sobre o céu e a terra (lançado no Brasil assim que Jorge Bergoglio foi eleito papa), Skorka e o então arcebispo de Buenos Aires dedicaram um capítulo à ciência, e também falaram um pouco do tema em Razão e fé, um livrinho pertencente a uma série de conversas que também incluiu o presbiteriano Marcelo Figueroa. Comentei ambos em junho do ano passado.

——

Você pode seguir o Tubo de Ensaio no Twitter e curtir o blog no Facebook!

Enviado por Marcio Antonio Campos, 24/01/14 7:19:33 PM

Soube, nesta semana, de dois vídeos interessantes que resolvi compartilhar com vocês.

No primeiro vídeo, temos o astrofísico Neil DeGrasse Tyson na segunda parte de sua entrevista ao jornalista Bill Moyers. Eles tratam de diversos temas, inclusive a maneira como Tyson vê a relação entre ciência e fé.

Vocês podem conferir a transcrição aqui. A primeira menção à religião aparece lá pelo minuto 13:50. Tyson brinca com o fato de as pessoas fazerem desejos a estrelas que na verdade são planetas, e Moyers pergunta se ele não fica triste ao derrubar tantos mitos. A resposta de Tyson é muito boa, começando com “há mitos que precisam ser derrubados”. É a repetição da ideia, já exposta nesse blog desde o começo, de que a ciência purifica a religião da mitologia. Logo depois, a respeito de outro assunto, Tyson reconhece a grande contribuição do padre belga Georges Lemaître e diz “Ele era um padre, e físico. Físico-padre, ok? Que coisa incrível para ter escrito num cartão de visita”. Parece que as coisas estão indo bem, até o minuto 16:58, quando Tyson afirma não acreditar que ciência e fé sejam conciliáveis. Mas a explicação que ele dá depois é um tanto frágil. Vejamos:

Primeiro, Tyson diz que “todos os esforços investidos por gente brilhante no passado em relação a isso falharam” (o que não é verdade, bastando ver a extensa lista de grandes cientistas que conciliaram perfeitamente seu trabalho científico com alguma fé religiosa), e depois passa a mencionar os casos de interpretação literal da Bíblia e mostrar que todos os que buscaram na Escritura uma afirmação de cunho científico sobre o que é o universo tiveram a resposta errada. Ora, isso é evidente inclusive para a maioria dos religiosos. “O que aconteceu foi que, quando a ciência descobre coisas, e você quer permanecer religioso, ou quer continuar a acreditar que a Bíblia não erra, o que você faria é dizer ‘Bem, vamos voltar à Bíblia e reinterpretá-la’, e você diria coisas como ‘Ah, eles não quiseram dizer essas coisas literalmente, mas de forma figurada’”. Exatamente. É o que Santo Agostinho disse, é o que São Roberto Belarmino disse. Não se conclui daí que não há conciliação entre ciência e fé. Até agora, o que se conclui é que não há conciliação entre ciência e fundamentalismo, o que Tyson parece admitir logo na sequência.

E, alguns minutos depois, quando Moyers diz que algumas pessoas poderão associar a energia escura ao próprio Deus, pois “isso é o que mantém o universo” (de antemão digo que pensar dessa forma é bem tosco), Tyson embarca no discurso contra o “Deus das lacunas” (a partir do minuto 22; ele inclusive usa essa expressão durante a entrevista). Já conhecemos essa história: as pessoas invocam Deus para explicar o que elas não conseguem explicar de outra forma (ou seja, pela ciência). Sabemos que isso existe, que há quem pense assim. Mas associar esse tipo de pensamento à religião em geral, ou insinuar que é assim que a religião funciona, é falsificar a religião.

“Se é assim que você vai invocar Deus, se Deus é o mistério do universo, esses mistérios, nós os estamos desvendando um após o outro”, diz Tyson. De fato, e é por isso que sempre defendemos aqui que o “Deus das lacunas” é uma caricatura da divindade e que não se sustenta diante das descobertas da ciência. É perigoso ter esse tipo de fé, mas eu sou mais compreensivo com quem pensa assim que com aqueles que estudaram o suficiente para saber que o “Deus das lacunas” não é o Deus em que muitas religiões acreditam, mas insistem em usar esse espantalho para desqualificar a religião.

No segundo vídeo, Bill Nye, o “Science Guy”, de quem falamos semana passada, responde se acredita ou não em Deus (por restrições do WordPress, não consegui incorporar o vídeo no blog, então basta clicar no link para ver direto no site do Huffington Post). Ele se define como agnóstico (a julgar pelos comentários, aparentemente em ocasiões anteriores ele se definiu como ateu), diz que não há como saber se Deus existe. Mas Nye não demonstra um discurso hostil à religião; seu problema verdadeiro é com as tentativas de implantar o criacionismo em escolas como se fosse ciência, e nesse aspecto estou com ele.

Particularmente, acho o agnosticismo uma posição intelectualmente honesta, embora eu nunca tenha visto um agnóstico que, na dúvida, se comporte como se Deus existisse; todos os que eu conheço se comportam como se Deus não existisse. De qualquer modo, a dúvida, nesse caso, é mais honesta que a pretensão de afirmar categoricamente que Deus não existe, como se houvesse provas irrefutáveis disso, quando elas não existem. Portanto, por mais que os ateus discordem, o ateísmo exige, sim, uma dose de fé semelhante à que qualquer religioso tem, pois também o ateu faz afirmações que não tem como comprovar empiricamente.

——

Prêmio Top Blog, votação até amanhã!
Devia ter acabado no dia 9 de novembro a primeira rodada de votação da edição 2013 do prêmio Top Blog, mas resolveram adiar o prazo, que termina amanhã. Suponho que seja pela incompetência da organização, que deixou na mão os blogueiros que usam WordPress ao inventar um selo em Java, que o WordPress recusa (parece que agora estão resolvendo o problema). Em 2010 e 2011, o Tubo venceu a categoria “Religião/blogs profissionais” pelo voto popular. Em 2012, não ficamos entre os finalistas, mas o Blog Animal, também da Gazeta, venceu sua categoria pelo júri acadêmico. Para votar no Tubo, basta você clicar aqui ou no banner ao lado. Cada conta de e-mail só pode votar uma vez no mesmo blog, mas nada impede que, com uma mesma conta de e-mail, você possa votar em vários blogs de sua preferência. Da mesma forma, você pode votar no Tubo mais de uma vez se tiver duas ou mais contas de e-mail. Basta preencher, no alto da página do prêmio, seu nome e e-mail. Você receberá uma mensagem com um link para confirmar seu voto. Também é possível votar pelo Facebook.

——

Você pode seguir o Tubo de Ensaio no Twitter e curtir o blog no Facebook!

Enviado por Marcio Antonio Campos, 17/01/14 5:48:50 PM

No dia 4 de fevereiro, o fundador e líder do grupo criacionista Answers in Genesis, Ken Ham, estará em um debate com Bill Nye, conhecido como “the Science Guy” e apresentador de programas de televisão nos Estados Unidos. O evento ocorrerá no Museu da Criação, no estado norte-americano do Kentucky. Eles discutirão se a criação é um modelo viável para explicar a origem (do universo, do homem e de tudo o mais, suponho).

O debate entre Nye e Ham está marcado para 4 de fevereiro. (Foro: Divulgação)

O debate entre Nye e Ham está marcado para 4 de fevereiro. (Foro: Divulgação)

O debate foi anunciado no começo deste mês, e ainda causa certa perplexidade, especialmente nos meios ateístas. Já em 2012 Ham havia chamado Nye para um debate, depois que este publicou um vídeo dizendo que o criacionismo não fazia bem às crianças:

Por que Nye só resolveu debater agora eu não sei. Mas o evento está dando o que falar nos Estados Unidos, um país onde a controvérsia sobre criação e evolução é motivo de polarização.

No entanto, há um medo de que o debate acabe reforçando a noção de que é preciso escolher entre a ciência e a fé, de que só há duas opções: ser um religioso antievolucionista ou ser um evolucionista ateu (como é o caso de Bill Nye, embora eu não tenha encontrado citações dele negando a possibilidade de defender a evolução e ao mesmo tempo ser uma pessoa religiosa). A presidente da Fundação BioLogos, Deborah Haarsma, manifestou essa preocupação em uma carta publicada no blog da entidade. Deborah diz que provavelmente concordará com o que Nye disser sobre as evidências a respeito da evolução. Mas não pode deixar de lembrar que compartilha da mesma fé cristã de Ham.

“Debates como esse perpetuam o erro segundo o qual se tem duas escolhas: uma visão ateísta da ciência evolucionária, ou uma interpretação bíblica de Terra jovem. Gostaríamos que a audiência pudesse ouvir sobre um outro caminho, um caminho melhor. Ajude-nos a espalhar a ideia de que ciência de ponta e a fé bíblica podem andar de mãos dadas”, pede Deborah ao fim de seu texto. Nós estamos fazendo a nossa parte.

——

Prêmio Top Blog, votação estendida!
Devia ter acabado no dia 9 de novembro a primeira rodada de votação da edição 2013 do prêmio Top Blog, mas resolveram adiar o prazo para… 25 de janeiro deste ano! Suponho que seja pela incompetência da organização, que deixou na mão os blogueiros que usam WordPress ao inventar um selo em Java, que o WordPress recusa (parece que agora estão resolvendo o problema). Em 2010 e 2011, o Tubo venceu a categoria “Religião/blogs profissionais” pelo voto popular. Em 2012, não ficamos entre os finalistas, mas o Blog Animal, também da Gazeta, venceu sua categoria pelo júri acadêmico. Para votar no Tubo, basta você clicar aqui ou no banner ao lado. Cada conta de e-mail só pode votar uma vez no mesmo blog, mas nada impede que, com uma mesma conta de e-mail, você possa votar em vários blogs de sua preferência. Da mesma forma, você pode votar no Tubo mais de uma vez se tiver duas ou mais contas de e-mail. Basta preencher, no alto da página do prêmio, seu nome e e-mail. Você receberá uma mensagem com um link para confirmar seu voto. Também é possível votar pelo Facebook.

——

Você pode seguir o Tubo de Ensaio no Twitter e curtir o blog no Facebook!

Páginas12345... 54»
Este é um espaço público de debate de idéias. A Gazeta do Povo não se responsabiliza pelos artigos e comentários aqui colocados pelos autores e usuários do blog. O conteúdo das mensagens é de única e exclusiva responsabilidade de seus respectivos autores.
Publicidade
Publicidade
Publicidade
«

Onde e quando quiser

Tenha a Gazeta do Povo a sua disposição com o Plano Completo de assinatura.

Nele, você recebe o jornal em casa, tem acesso a todo conteúdo do site no computador, no smartphone e faz o download das edições da Gazeta no tablet. Tudo por apenas R$ 49,90 por mês no plano anual.

SAIBA MAIS

Passaporte para o digital

Só o assinante Gazeta do Povo Digital tem acesso exclusivo ao conteúdo do site, sem nenhum custo adicional ou limite.

Navegue com seu celular ou baixe todas as edições no tablet - um novo jeito de ler jornal onde você estiver.

CLIQUE E FAÇA PARTE DESSE NOVO MUNDO

»
publicidade